sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Poupando as tintas...

Mesmo em épocas de comunicação rápida, fluida e ininterrupta, ainda é corriqueiro se deparar no dia a dia forense com petições cravejadas de expressões pomposas, linguagem prolixa e citações jurisprudenciais métricas, tornando a leitura desses arrazoados não apenas maçante, mas privando o interlocutor de uma objetiva assimilação

quarta-feira, 4 de março de 2020

t

A persuasão é uma necessidade que, de ordinário, se faz presente no cotidiano das pessoas em geral, com maior ou menor ênfase. Mas, é sem dúvida no âmbito da advocacia, que ela adquire ares de ferramenta basilar, pois, se a advocacia é a arte do convencer, o êxito na mesma está inapelavelmente interconectado à capacidade de argumentar e se fazer entender pelo seu interlocutor, seja ele um cliente, um magistrado singular, um colegiado de julgadores, seja, outrossim, o causídico que assiste à contraparte.

Desde os primórdios da Grécia clássica, de onde emanaram os filósofos que ajudaram a moldar a arte da persuasão via o exercício da retórica, que o ser humano se vê envolto na necessidade de aprimorar sua capacidade de convencimento. E foi justamente essa necessidade que fez brotar a advocacia, sendo certo que, perpassando a Grécia e adentrando na República Romana - antes mesmo dos Césares passarem a envergar o manto púrpura -, aqueles reconhecidos como dotados da capacidade de se fazer entender despertavam a fidúcia dos seus concidadãos para, como tribunos, patrocinar a defesa das pretensões alheias, em geral oralmente perante plateias atentas que se congregavam no fóruns para ouvi-los frente aos pretores de então.

Mas a verdade é que, a dinamização das relações, decorrente da evolução tecnológica e interconectividade entre os cidadãos mundo afora, fez com que a arte do convencimento passasse a reclamar cada vez mais o domínio da escrita e vocalização para um interlocutor não presencial, exigência aquilatada com o surgimento da internet e, no plano jurídico, do processo judicial eletrônico, a demandar uma linguagem clara e inequívoca, pena de remontar aos idos da Torre de Babel, bradando-se ao vento...

Ocorre que a advocacia, por estar imbricada de liturgia e formalismo, se vê até os dias atuais jungida aos cânones do classicismo, com a erudição desmesurada e linguagem empolada ainda sendo cultuadas (ainda que as citações em latim tenham se quedado em desuso). Assim, mesmo em épocas de comunicação rápida, fluida e ininterrupta - WhatsApp não tem direito à folga semanal - ainda é corriqueiro se deparar no dia a dia forense com petições cravejadas de expressões pomposas, linguagem prolixa e citações jurisprudenciais métricas, tornando a leitura desses arrazoados não apenas maçante, mas privando o interlocutor de uma objetiva assimilação.

Ou seja, em que pese tenham merecido a confiança de seus clientes para defender uma pretensão sob a premissa de que saberiam se fazer entender, mesmo advogados da geração dos "millennials" continuam prendendo-se a redações remansosas e descompassadas com a objetividade dos dias atuais, traindo o múnus que lhes foi confiado mediante um desfiar de rosários argumentativos, terminando por dar vazão não ao patrocínio da causa abraçada, mas a um ode à vaidade...

Não à toa Piero Calamandrei já dizia "Queixam-se os juízes de que os advogados escrevem demais, e quase sempre têm razão" (na obra "Eles, os  juízes, vistos por nós, os advogados), para o que Artur Schopenhauer pregava como virtude maior de um advogado a concisão.

E o apelo à concisão não é privativo dos jurisconsultos europeus, certo que Antonin Scalia, um dos mais respeitados juízes da Suprema Corte dos EUA, pregando contra a prolixidade, exortava que "o objetivo de um arrazoado é tornar o trabalho de corte mais fácil. Toda e qualquer consideração outra é subordinada. O que logra esse objetivo? Concisão. Simples, direto uso do vernáculo. Clara identificação das premissas. Um confiável delineamento dos fatos" (SCALIA. Antonin e GARNER. Bryan. "Montando sua postulação - A arte de persuadir juízes", Thomson/West Editora. 4. Edição, 2008. fl. 59).

Mesmo já estando aposentadas de longa data as canetas tinteiro e as máquinas de datilografar, as tintas ainda merecem ser poupadas....E o nosso tempo também!

_____________________________________________________________________

t*Erik Limongi Sial é advogado e sócio fundador do escritório Limongi Sial & Reynaldo Alves Advocacia e Consultoria Jurídica.



Atualizado em: 4/3/2020 12:05

LEIA MAIS

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Publicidade