terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Perspectivas para o setor de água e saneamento no país

Rodrigo Moura A. Faria e Fernanda Souto Pacheco

O programa de privatização promovido durante a década passada esteve entre as mais significativas reformas já ocorridas na economia brasileira, beneficiando setores como telecomunicações, petróleo e transportes. Contudo, outras áreas restaram esquecidas. Em se tratando de água e saneamento, por exemplo, há ainda muito a fazer. A cobertura de saneamento no Brasil é insatisfatória, mesmo se comparada à de outros países do Cone Sul.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2003

Perspectivas para o setor de água e saneamento no país

 

Rodrigo Moura A. Faria

 

Fernanda Souto Pacheco*

 

O programa de privatização promovido durante a década passada esteve entre as mais significativas reformas já ocorridas na economia brasileira, beneficiando setores como telecomunicações, petróleo e transportes. Contudo, outras áreas restaram esquecidas. Em se tratando de água e saneamento, por exemplo, há ainda muito a fazer. A cobertura de saneamento no Brasil é insatisfatória, mesmo se comparada à de outros países do Cone Sul.

 

Atualmente, o principal obstáculo ao desenvolvimento do setor é o cipoal de normas e competências conflitantes que existem na Constituição Federal e nas leis estaduais e municipais que regulam a matéria.

 

A disciplina jurídica da água encontra-se dispersa. A propriedade das águas brasileiras está definida na Constituição Federal. A Lei nº 9.433/97 instituiu o sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos e definiu os critérios de outorga de direitos de seu uso. As outorgas, concedidas por entes federais ou estaduais, dependendo de quem detém a propriedade da água, não podem exceder o prazo de 35 anos, renováveis.

 

No tocante aos serviços de saneamento, a Constituição Federal dispõe que compete aos municípios "organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local." Ao mesmo tempo, estabelece a competência comum da União, Estados, Distrito Federal e municípios para promover programas de saneamento básico.

 

A partir da leitura dessas disposições aparentemente conflitantes, criou-se uma polêmica. De um lado estão alguns municípios, interessados em desenvolver seus próprios sistemas de saneamento. Do outro lado estão os Estados, que detêm o controle das maiores companhias de água e esgotos do país, como a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), do Rio de Janeiro, e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

 

Examinemos o modelo adotado pelo Estado do Rio de Janeiro, cuja Constituição atribui ao Estado a competência para organizar e prestar os serviços públicos de interesse estadual, metropolitano ou micro-regional, incluindo os serviços de abastecimento e produção de água e de saneamento básico. O Estado pode transferir esses serviços parcialmente aos municípios integrantes da região metropolitana, a aglomerações urbanas e a microrregiões. No entanto, a maior parte dos municípios integrantes da região metropolitana do Rio de Janeiro é atendida pela Cedae e não pode, na prática, conceder os serviços locais de água e saneamento.

 

Vale notar que a competência definida pela Constituição estadual não foi pacificamente aceita por todos os municípios fluminenses. Um bom exemplo da inconformidade de algumas administrações municipais foi o litígio entre a Cedae e a cidade de Niterói, envolvendo a concessão, por esta última, dos serviços de água e esgotos locais.

 

Para resolver o impasse e alavancar os investimentos na área de saneamento, o governo Fernando Henrique Cardoso encaminhou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei nº 2.763/2000, que estabelecia que a titularidade dos serviços públicos de saneamento básico passaria a pertencer ao município, quando os serviços fossem de interesse local; ou ao Estado, em se tratando de serviços em que pelo menos uma das atividades, infra-estruturas e instalações se destinassem ao atendimento de dois ou mais municípios.

 

Com a mudança de legislatura, novos projetos de lei sobre o tema têm sido apresentados. O Governo Federal tem anunciado que pretende aproveitar as iniciativas anteriores para definir, de uma vez, as competências na área de saneamento, pegando carona nos projetos já discutidos no Congresso Nacional. A intenção do atual governo seria fazer um mutirão de saneamento básico nas principais regiões metropolitanas do país, inclusive concedendo serviços de água e esgoto à exploração pelo setor privado. O objetivo seria o de viabilizar a atração de recursos privados, mas com a manutenção da gestão pública. Tudo isso se coaduna com a tão comentada figura da parceria público-privada que se pretende instituir.

 

Se a iniciativa for à frente, será louvável. A deficiência de parte considerável dos sistemas de abastecimento de água e saneamento no Brasil faz com que seja necessária e urgente a reforma do setor. A edição de regras claras, sobretudo no que toca à definição de competências, é elemento fundamental para que se possa expandir a cobertura de saneamento no Brasil e atrair a participação do setor privado.

 

_________________

 

Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

________________

Atualizado em: 8/12/2003 07:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Publicidade