quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A renegociação de contratos de locação comercial diante da crise do coronavírus

Tanto proprietários quanto inquilinos devem ter em mente que, neste momento de incerteza, a renegociação extrajudicial dos contratos é uma forma de ambas as partes ganharem.

segunda-feira, 23 de março de 2020

t

A rápida propagação da pandemia do novo coronavírus (COVID-19) impôs sérias restrições ao nosso modo de vida - as recomendações de distanciamento social e de quarentena geram uma redução substancial da circulação de pessoas, que levam, por sua vez, a impactos sensíveis a diversos negócios: bares, casas noturnas, restaurantes, cinemas e lojas em geral, sejam de rua ou de shopping.

Existe ainda a iminente possibilidade de, a exemplo do que ocorreu na Europa, determinação governamental de fechamento de qualquer comércio não essencial, medidas já em vigor em alguns estados brasileiros, como São Paulo e Santa Catarina, praticamente zerando o faturamento de diversas das empresas impactadas - a sobrevivência, neste período, será impossível sem a redução substancial de custos. Para piorar a situação, não há qualquer grau de segurança com relação ao prazo de duração de tais medidas.

Assim, como medida preventiva, é desejável que o inquilino que já se sinta impactado pela crise negocie extrajudicialmente a revisão do valor dos aluguéis, a fim de garantir a sobrevivência de tais empreendimentos e de evitar o encerramento do contrato de locação, com a vacância do ponto. Em geral, os contratos de locação comercial (ou, nos termos da lei, "não residencial") por prazo determinado preveem índices anuais de reajuste. Contudo, a excepcionalidade dos tempos em que vivemos recomenda bom senso na renegociação, especialmente por parte do locador, até porque o art. 18 da Lei do Inquilinato possibilita, a qualquer momento, que um novo valor para o aluguel seja pactuado de comum acordo, com a modificação da cláusula de reajuste.

Ainda que alguns contratos tragam previsão expressa renunciando "ao direito de revisão do valor dos aluguéis durante o prazo de vigência do contrato de locação", nos termos do art. 54-A, §1º da Lei de Locações, como já afirmado, nada impede que haja pactuação diversa.

Embora seja aplicável a lei específica às relações locatícias, a revisão dos contratos em geral também encontra respaldo nos artigos 478, 479 e 480 do Código Civil, segundo os quais, se a ocorrência de "acontecimentos extraordinários e imprevisíveis" (como uma pandemia) tornar a prestação de uma das partes excessivamente onerosa, será possível pleitear a redução da prestação ou seu modo de execução.

À luz de tais dispositivos, embora não haja previsão expressa na Lei do Inquilinato, inexistindo consenso quanto à redução do aluguel, nada impede que as partes minutem um adendo contratual prevendo a concessão de um prazo de carência, durante o qual as prestações locatícias não seriam cobradas.

No entanto, caso não haja consenso extrajudicial entre inquilino e proprietário, a lei autoriza, em casos excepcionais, a ação revisional de aluguel, que somente pode ser ajuizada caso tenham decorrido três anos ou mais do início da relação locatícia (art. 19 da Lei do Inquilinato). Em tais hipóteses, a recomendação é que o locatário que pretenda discutir judicialmente a revisão do aluguel se instrumente de provas da queda de seu faturamento, ou mesmo que demonstre a redução dos alugueres cobrados em imóveis em condições semelhantes, ou seja, a desproporcionalidade entre o que está sendo cobrado e o valor de mercado, o que pode ser feito através de perícia.

Deve haver uma indicação precisa das cláusulas que se pretende revisar, em especial com a indicação do novo valor a título de aluguel pretendido. Outro ponto relevante é que, nos termos do art. 68 da lei 8.245/91, será possível formular pedido de fixação, pelo juiz, de aluguel provisório, que "não poderá ser inferior a 80% do aluguel vigente", até que a demanda seja julgada em definitivo.

É certo que os efeitos mais nefastos da crise econômica ocasionada pelo coronavírus ainda estão por vir e são imprevisíveis. O que é certo é que o mercado de locações comerciais deve ser fortemente impactado, com a gradativa adequação dos preços de mercado a patamares compatíveis com a queda na procura por novos imóveis comerciais e a esperada vacância que a crise irá gerar.

Tanto proprietários quanto inquilinos devem ter em mente que, neste momento de incerteza, a renegociação extrajudicial dos contratos é uma forma de ambas as partes ganharem - se de um lado o locatário reduzirá seu custo operacional, de outro, o locador minimizará os riscos de que o imóvel fique vago por um prazo incerto. E juntos, de forma colaborativa, todos superarão o período de crise que se avizinha.

_____________________________________________________________________

*Guilherme Alberge Reis é sócio do escritório Reis & Alberge Advogados.

Atualizado em: 23/3/2020 11:42

LEIA MAIS

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Melissa Areal Pires

Migalheira desde 2009

Daniel Petrarca

Migalheiro desde 2020

Luisa Marcelino Bono

Migalheira desde 2020

Zanon de Paula Barros

Migalheiro desde 2003

Lucas Cavalcanti

Migalheiro desde 2017

Thais Galo

Migalheira desde 2012

EDUARDO R C TESSEROLLI

Migalheiro desde 2008

Gabrielle Gazeo Ferrara

Migalheira desde 2016

Daniel Ribeiro do Valle

Migalheiro desde 2014

Publicidade