sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Covid-19: Tributação sobre a folha de salários e fluxo de caixa

Destaque sobre as principais medidas de flexibilização em termos previdenciários que as empresas poderão se beneficiar para contenção da crise.

terça-feira, 24 de março de 2020

t

O Brasil está enfrentando uma situação delicadíssima em termos de saúde pública, inclusive com a recente decretação de estado de calamidade pública por conta da pandemia do Coronavírus. A crise se agrava e imprime impactos sem precedentes na economia, afetando gravemente o fluxo de caixa e o resultado das empresas. 

O Governo Federal está se movimentando nos últimos dias na tentativa de amenizar o impacto financeiro para as companhias, sobretudo visando a manutenção do emprego de milhares de trabalhadores vinculados a diversos setores que, em maior ou menor escala, se viram diante de uma abrupta interrupção de suas atividades. 

Dentre as normas recentemente editadas, destacamos o decreto legislativo 6/20 (reconhece a ocorrência do estado de calamidade pública), a lei 13.979/20 (dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus) e a recente medida provisória 927/20 (dispõe sobre as medidas trabalhistas para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido). 

Embora não tenha sido tratado diretamente em nenhum diploma, é certo que um dos principais vetores de atuação é a redução da carga tributária, especialmente das Contribuições Previdenciárias que incidem a uma alíquota de aproximadamente 31,8% sobre a folha de salários. 

Dentre as principais medidas de flexibilização em termos previdenciários (tributação sobre a folha) que as empresas poderão se beneficiar para contenção da crise, destacamos as seguintes: 

Redução de carga tributária

O Governo Federal anunciou a redução em 50% pelos próximos 3 meses das Contribuições Destinadas a Terceiras Entidades e Fundos (FNDE, INCRA, SEBRAE, SESC, SENAC, SESI, SENAI, etc.) que incidem em média a uma alíquota de 5,8% sobre a folha de salários. Até o momento, este ato ainda não foi publicado. 

A despeito disso, as empresas poderão reduzir a sua carga de tributação sobre a folha total (i.e. a contribuição patronal, a contribuição ao SAT/RAT e as contribuições destinadas a Terceiras Entidades e Fundos, totalizando em torno de 31,8%) em alguns cenários específicos em que há interrupção da jornada de trabalho. 

Como indicado acima, em 22.3.2020 foi publicada a Medida Provisória 927/20 dispondo sobre as medidas para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública causado pelo coronavírus.

Com base nesse diploma, as empresas poderão adotar as seguintes medidas: (i) o teletrabalho, (ii) a antecipação de férias individuais, (iii) a concessão de férias coletivas, (iv) o aproveitamento e a antecipação de feriados, (v) o banco de horas, (vi) o direcionamento do trabalhador para qualificação, etc.

Vale pontuar que, antes disso, já havia sido publicada a lei 13.979/20, dispondo sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus e determinando o que seria considerado isolamento e quarentena. Essa mesma lei previu que será considerada falta justificada à atividade laboral o período de ausência decorrente destas medidas. 

Em caso de isolamento, pressupõe-se que os empregados estão doente ou contaminados. Neste caso, nos parece que o afastamento deverá receber o mesmo tratamento de auxílio-doença, cujo pagamento dos 15 primeiros dias fica a cargo das empresas e há vasta jurisprudência sobre a não incidência de contribuições previdenciárias.

A quarentena, por outro lado, implica na restrição de atividades ou separação de pessoas suspeitas de contaminação das pessoas que não estejam doentes. Durante a quarentena, o empregado poderá ou não exercer o teletrabalho (se sua atividade comporta o tão comentado home office). Não sendo possível o trabalho remoto, restará evidente a ausência de prestação de serviço. 

Nestes casos (isolamento e quarentena sem home office), a remuneração se converte em indenização ou ajuda de custo, nos termos do art. 457, § 2º da CLT. Em sendo assim, é defensável que estes períodos de afastamento não deverão ser considerados para fins de incidência de Contribuições Previdenciárias.

Além disso, outro argumento que reforça a não tributação é que, em período de crise aguda, é razoável afastar a tributação para garantir a própria continuidade dos negócios e preservar a saúde financeira das empresas. Seria possível, inclusive, traçar um paralelo com a hipótese de força maior, como causa excludente da tributação nesse cenário extremo. 

Auxílio-doença

O INSS anunciou que fará a liberação do auxílio-doença (para qualquer doença, inclusive coronavírus) sem a necessidade de perícia médica. O Governo Federal também anunciou que custeará o valor do benefício nos primeiros 15 dias de afastamento, encargo atualmente atribuídos às empresas. 

Ponto que merece destaque é que os casos de contaminação pelo coronavírus não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal (art. 29 da Medida Provisória 927/2020). É dizer: o coronavírus não será considerado uma doença relacionado ao trabalho, salvo mediante comprovação por laudo médico. 

As empresas deverão monitorar com bastante atenção eventual nexo causal e, em sendo o caso, apresentar tempestivamente a contestação administrativa. Isto porque a vinculação de uma contaminação por cononavírus com uma doença ocupacional será considerada um evento com impacto significativo no Fator Acidentário de Prevenção (FAP), índice pode até dobrar a carga tributária de contribuição previdenciária voltada aos Riscos Ambientais de Trabalho (RAT). 

Medida Provisória 905/19 

Em 17.3.2020, a Comissão Mista aprovou a MP do Contrato Verde e Amarelo, que flexibiliza regras trabalhistas e institui novas regras para pagamento de Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) e prêmio para fins de não incidência das Contribuições Previdenciárias. A MP será encaminhada para votação no Plenário duas Casas. 

Créditos Previdenciários 

Além destas medidas anunciadas pelo Governo Federal, as empresas também poderão se beneficiar em termos de fluxo de caixa e resultado com (i) utilização de créditos previdenciários decorrentes do recolhimento a maior do tributo para fins de compensação administrativa e/ou (ii) obtenção de liminar em mandado de segurança para redução das Contribuições Previdenciárias.

 Atualmente, há uma série de temas pautados pelo Supremo Tribunal Federal em repercussão geral tratando de tributação sobre a folha de salários. É o caso, por exemplo, da (in)constitucionalidade do SEBRAE (RE 603.624) e do salário-maternidade (RE 576.967).

Além destes, outros importantes "teses" relacionadas à tributação sobre a folha ganham força no judiciário, com decisões de Tribunais Regionais Federais e Superior Tribunal de Justiça. A título exemplificativo, citamos a exclusão dos descontos de vale-transporte, auxílio-alimentação e plano de saúde da base de cálculo das Contribuições Previdenciárias, além da limitação de 20 salários mínimos da base de cálculo (total da remuneração paga) das contribuições destinadas a terceiras entidades. 

Vivenciamos um período conturbado e caminhamos para uma possível retração econômica. Em tempos de crise, espera-se uma ação coordenada de toda a sociedade para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública, especialmente para a manutenção do emprego e da renda.

_____________________________________________________________________

*Cristiane I. Matsumoto é sócia da área previdenciária do Pinheiro Neto Advogados.

*Mariana Monte Alegre de Paiva é associada da área previdenciária do Pinheiro Neto Advogados.

*Lucas Barbosa Oliveira é associado da área previdenciária do Pinheiro Neto Advogados.

 

 

 

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. 

© 2020. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Atualizado em: 24/4/2020 09:37

LEIA MAIS

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Damásio de Jesus

Migalheiro desde 2007

Luciana Dadalto

Migalheira desde 2017

Paulo Ferreira Chor

Migalheiro desde 2013

Suzana Filipake Mazzio

Migalheira desde 2020

Ingo Wolfgang Sarlet

Migalheiro desde 2005

Eduardo Lemos Barbosa

Migalheiro desde 2010

Francisco Petros

Migalheiro desde 2017

Ariane Costa Guimarães

Migalheira desde 2020

Rodolfo Tamanaha

Migalheiro desde 2020

Giselle de Menezes Viana

Migalheira desde 2020

FELIPE DA SILVA LIMA

Migalheiro desde 2020

Publicidade