quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Diferimento do pagamento de contribuições previdenciárias (cota patronal e sat/rat) e a devida a terceiros

Tania Emily Laredo Cuentas

A fim de minimizar os prejuízos que serão enfrentados pelo setor empresarial e considerando que muitas das medidas implementadas pelo governo têm validade de apenas 3 meses, não restará alternativa aos contribuintes que não seja buscar o Poder Judiciário para minimizar o impacto do pagamento das contribuições previdenciárias e a contribuição devida a terceiros.

quinta-feira, 26 de março de 2020

t

Com o advento da pandemia de COVID-19 - "coronavírus", desencadeou-se uma crise econômica global. No Brasil, o setor empresarial vem sendo afetado gravemente, o que leva as indústrias, manufaturas, empresas de tecnologia, bancos etc., a não saberem como administrar o real impacto econômico frente às diversas responsabilidades que deverão ser arcadas.

A fim de minimizar os efeitos da crise diversas medidas têm sido adotas pela União Federal, Estados e Municípios, com vistas à manutenção da operação do setor empresarial, evitando o desemprego em massa.

Ocorre que mesmo com as medidas adotas pelo Governo os contribuintes enfrentarão grandes dificuldades para arcar com a carga tributária, principalmente com as contribuições previdenciárias (cota patronal e SAT/RAT) e as devidas a terceiros1, que hoje representam percentual considerável das suas despesas.

Soma-se a isso o fato de que diversas empresas que aderiram a programas especiais de refinanciamento de dívidas e/ou se encontram em Recuperação Judicial em razão da grave crise que o país vem enfrentando, não conseguirão sequer arcar com o pagamento das parcelas decorrentes dos mencionados programas, o que inevitavelmente poderá acarretar a exclusão do regime especial e a elevação do passivo fiscal, que se tornará inviável de liquidação imediata dos débitos.

É certo que a ausência de pagamento dos tributos em comento pode acarretar graves prejuízos, haja vista que os débitos serão apontados com pendência no relatório de situação fiscal da empresa, bem como o ajuizamento de execuções fiscais por parte da PGFN para a cobrança dos valores.

Assim, a fim de minimizar os prejuízos que serão enfrentados pelo setor empresarial e considerando que muitas das medidas implementadas pelo governo têm validade de apenas 3 meses, não restará alternativa aos contribuintes que não seja buscar o Poder Judiciário para minimizar o impacto do pagamento das contribuições previdenciárias e a contribuição devida a terceiros até que a situação crítica seja superada e a economia restabelecida.

_____________________________________________________________________

1 No que tange as contribuições ao sistema S, o Governo Federal já determinou, a redução do valor devido no percentual de 50%, pelo período de 3 meses.

_____________________________________________________________________

t*Tania Emily Laredo Cuentas é advogada, sócia do escritório Demes Brito Advogados - DBA, mestranda em Direito Constitucional e Processual Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC; Especialista em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC, Especialista em Contabilidade aplicada ao Direito pela Fundação Getúlio Vargas - FGV; Graduada em Direito pela FMU.

Atualizado em: 26/3/2020 12:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Publicidade