quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os reflexos da pandemia da covid-19 nos contratos de transporte aéreo

Os impactos causados pelo vírus covid-19 ensejaram diversas consequências em todos os setores da economia, principalmente nas atividades do 3º setor da economia, ligadas a prestação de serviço.

terça-feira, 14 de abril de 2020

t

Os impactos causados pelo vírus covid-19 ensejaram diversas consequências em todos os setores da economia, principalmente nas atividades do 3º setor da economia, ligadas a prestação de serviço.

Dessa forma, se o comércio é abalado pelas medidas preventivas determinadas pelo governo, como o isolamento horizontal e ordem de fechamento dos comércios e aeroportos, é claro que os consumidores também sofrerão consequências.

Ocorre que mesmo diante da impossibilidade dos fornecedores prestarem os serviços de maneira esperada em razão do fato imprevisível (covid-19), os direitos dos consumidores deverão ser preservados, visto que esses já consistem naturalmente na parte vulnerável da relação consumerista, e não podem ser negligenciados por fatos alheios a seus controles.

Nesse sentido, há várias medidas que os consumidores podem pleitear perante os fornecedores, para que não sofram prejuízos.

Dentre essas, destaca-se a possibilidade de ressarcimento dos valores referentes as passagens áreas canceladas ou a alternativa de remarcação de viagens sem custos adicionais.

Em relação aos contratos de transportes aéreos fora publicada em 19/03/2020 a MP 925/2020 que dispõe sobre medidas emergenciais para a aviação civil brasileira em razão da pandemia da covid-19.

A MP 925/2020 em seu art. 3º deixa claro o direito do consumidor ao reembolso do valor relativo à compra de passagens aéreas em até 12 meses. Desta forma, se o consumidor teve o seu voo cancelado esse pode pleitear perante as companhias aéreas a devolução do valor correspondente as passagens adquiridas.

Também fora previsto no § 1º do referido artigo a hipótese de conversão da passagem em créditos para utilização no prazo de doze meses, contado da data do voo contratado. Essa alternativa se mostra benéfica e eficaz porque evita que as empresas aéreas quebrem e facilita a vida do consumidor que muitas vezes ao solicitar o cancelamento acaba por sofrer maiores prejuízos.

Por fim, a MP 925/2020 deixa claro que tanto a medida do reembolso quanto a alternativa da conversão de créditos serão aplicadas às passagens aéreas adquiridas até 31/12/2020.

Caso as companhias aéreas se recusem a realizar o reembolso dos valores ou a remarcação sem custos adicionais, recomenda-se que o consumidor procure o auxílio de um advogado para pleitear devidamente perante a justiça os seus direitos, visto que  deve ser considerada prática abusiva a cobrança de taxas e multas para o cancelamento de reservas e remarcações de passagens no contexto de pandemia do corona vírus.

_________

*Luiza Sampaio Cabral é advogada na Advocacia Fernandes Andrade SS.

t

Atualizado em: 14/4/2020 10:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Publicidade