terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Cumprimento de contratos e resolução de controvérsias em tempos de covid-19

Situações urgentes e alguns conflitos podem exigir uma decisão independente.

terça-feira, 14 de abril de 2020

 

t

Parafraseando o poeta inglês John Donne, nenhuma empresa é uma ilha, isolada em si mesma; todas são parte do continente, uma parte de um todo.

A avassaladora maioria das empresas, dos mais diversos setores da economia, está sendo afetada pela covid-19 ou pelas medidas tomadas pelas autoridades públicas.

A doença e as medidas governamentais são causas distintas do impacto nos negócios, e as empresas são afetadas de forma diversa. Cada setor tem suas peculiaridades e cada empresa tem sua própria capacidade, ou limitações, para lidar com essa crise. Algumas atuam em serviços e atividades essenciais, preservadas de determinadas medidas governamentais, outras não.

Não é possível saber a duração da pandemia e das medidas e, consequentemente, quais serão todos os seus efeitos. Mas há certezas em meio a tantas dúvidas. Em primeiro lugar, a pandemia vai passar! Por isso mesmo, a continuidade de cada empresa dependerá da sobrevivência de seus contratos, e do sucesso de seus fornecedores e clientes em atravessar essa tormenta.

É uma situação sem precedentes e, portanto, sem parâmetros para a resolução das diversas disputas comerciais que já se configuram. Não é possível imaginar que haverá uma fórmula única para solucionar as questões de todos os setores, contratos e relações jurídicas.

Será necessário avaliar de forma detalhada cada uma das situações, suas causas, seus efeitos, a interdependência das partes, e diversos outros fatores. Experiência, serenidade e multidisciplinariedade devem ser combinadas com agilidade e criatividade na definição das soluções, muito mais temporárias neste momento do que definitivas.

Diante de tamanha incerteza, quem está mais preparado para resolver qualquer conflito? Quem conhece a fundo as características do setor em que atua, sua capacidade de resiliência e tem melhores condições para buscar saídas criativas para as situações que estamos vivenciando?

Sem dúvida alguma, as próprias partes contratantes, que podem contar com seus assessores legais, contábeis, financeiros, comerciais, e muitos outros conforme a necessidade. Mas nem sempre a negociação direta entre as partes resultará em acordo. Pode ser útil o envolvimento de um terceiro para a condução das discussões, por meio da mediação. No primeiro caso, tem-se a autocomposição direta; no segundo, a autocomposição incentivada.

Por fim, situações urgentes e alguns conflitos podem exigir uma decisão independente, seja em sede de arbitragem ou em juízo, a depender dos termos do contrato e das escolhas que ainda possam ser feitas neste momento.

Com o objetivo de ajudar as partes a avaliarem o melhor caminho a ser percorrido nesses tempos difíceis de covid-19, comparamos abaixo algumas características de cada um desses mecanismos para a resolução de controvérsias.

Embora a autocomposição pareça ser mais desejável - confirmando a máxima de que "mais vale um mau acordo do que uma boa demanda" -, a escolha de um ou outro método de resolução, ou a combinação de diferentes estratégias, deve ser feita caso a caso, conforme a urgência e as peculiaridades de cada situação.

t

O quadro acima, evidentemente, não esgota o assunto. Há que se considerar que outros métodos de resolução de conflitos existem, principalmente na forma de comitês de solução de conflitos (dispute resolution boards) previstos em contratos de longa duração e de complexidade técnica, como os contratos de construção, montagem, operação e outros costumeiramente presentes na área de infraestrutura.

Em momentos de crise, como a que se enfrenta atualmente por conta da pandemia causada pela disseminação da covid-19, em que a imprevisibilidade em geral é muito grande, é de se esperar que os empresários busquem menor risco de surpresas na resolução dos conflitos advindos de suas transações, ao menor custo, o que é alcançado quanto maior for a interação direta entre as partes na solução da disputa.

_________

*Gilberto Giusti é sócio do escritório Pinheiro Neto Advogados. 

*Marcello Lobo é sócio do escritório Pinheiro Neto Advogados.






*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. 

© 2020. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

 

Atualizado em: 14/4/2020 08:43

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Marina Dias

Migalheira desde 2020

Maurício de Albuquerque

Migalheiro desde 2015

Ariane Gomes dos Santos

Migalheira desde 2019

Guido Martin

Migalheiro desde 2010

Luis Renato Avezum

Migalheiro desde 2014

Daniel Moreti

Migalheiro desde 2018

Adriano Lorente Fabretti

Migalheiro desde 2009

Ana Luiza Maia Nevares

Migalheira desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Publicidade