terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Covid-19 e a produção ilegal de álcool em gel

Larissa Ross

Ao responsável pela produção ilegal de álcool em gel pode ser imputado o crime de "falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais", podendo, ainda, incorrer no mesmo tipo penal quem "importa, vende, expõe à venda, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo tal produto".

quinta-feira, 30 de abril de 2020

t

Diante da pandemia mundial provocada pelo novo coronavírus, deparamo-nos com a preocupação dos profissionais da área da saúde e da população quanto à prevenção adequada. Diversas são as medidas necessárias: higienizar as mãos com frequência, evitar tocar no rosto, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, desinfetar objetos e superfícies, isolamento de pessoas com sintomas, evitar aglomerações, entre outras.

No que diz respeito à higienização das mãos, duas são as medidas indicadas: primeiramente, lavá-las com água e sabão e o uso de álcool em gel. Ocorre que a rápida alta na demanda por álcool gel causou sua escassez no mercado, tornando a sua produção uma atividade atrativa.

Diante dessa situação, intensificou-se a fiscalização da Vigilância Sanitária em relação à procedência desse produto disponibilizado aos consumidores, o que resultou em diversas apreensões de produções ilegais em laboratórios clandestinos, sem registro junto à ANVISA e que oferecem alto grau de risco à vida e saúde dos possíveis usuários.

Ao responsável pela produção ilegal de álcool em gel pode ser imputado o crime de "falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais", podendo, ainda, incorrer no mesmo tipo penal quem "importa, vende, expõe à venda, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo tal produto", conforme o art. 273, caput e §1º, do Código Penal. Importante destacar que se trata de um crime hediondo cuja pena pode chegar a até 15 anos de reclusão. Ademais, também pode haver imputação do ilícito ambiental previsto no art. 56, da Lei 9.605/98: "produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos", com pena de um a quatro anos, e multa.

__________

*Larissa Ross é advogada e membro do Escritório Professor René Dotti.

Atualizado em: 30/4/2020 09:38

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Mariana Pigatto Seleme

Migalheira desde 2016

Henrique Nelson Calandra

Migalheiro desde 2008

Ana Luiza Daólio

Migalheira desde 2020

Juliano Tannus

Migalheiro desde 2020

Dimitri Dimoulis

Migalheiro desde 2010

Nathalia Guerra de Sousa

Migalheira desde 2020

Marcos Mairton

Migalheiro desde 2012

Marcelo Crespo

Migalheiro desde 2015

Igor Rodrigues Britto

Migalheiro desde 2020

Paulo Roque Khouri

Migalheiro desde 2020

Guilherme Roberto Guerra

Migalheiro desde 2020

Publicidade