sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A prisão é a melhor resposta para a quebra do isolamento social?

Embora a violação de um espaço temporariamente interditado possa permitir, neste contexto, o seu enquadramento formal no art. 268, CP, tem-se questionado a ameaça à liberdade como meio de contenção da doença.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

t

Atendendo às recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, municípios de todo o Brasil e em especial os do litoral paranaense têm adotado medidas para combater a disseminação da covid-19. O decreto 23.337/20, de Guaratuba/PR, proíbe, por tempo indeterminado, "a permanência e aglomeração de pessoas nos espaços públicos e bens de uso comum" e "o acesso, trânsito e permanência em todas as praias, faixas de areia, calçadões, baía e rios do município de Guaratuba, para qualquer finalidade". O infrator fica sujeito à advertência ou multa administrativa de R$ 1.000,00, dobrada em caso de reincidência. A norma alerta que o descumprimento poderá caracterizar o crime previsto no art. 268 do Código Penal: "infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa". A pena é de detenção, de um mês a um ano, e multa.

Embora a violação de um espaço temporariamente interditado possa permitir, neste contexto, o seu enquadramento formal no art. 268, CP, tem-se questionado a ameaça à liberdade como meio de contenção da doença. É que o isolamento social como forma de prevenção demanda o bom senso e a conscientização da população, o que pode ser alcançado por cuidados menos invasivos. O descumprimento é conduta que, normalmente, pode ser devidamente punida com multa, p.ex., ou advertência. Ademais, o delito em questão é leve (menor potencial ofensivo), assim como o são os crimes de desacato e desobediência, o que significa que a prisão em flagrante é inviável caso o autor do fato compareça ao Juizado Especial ou comprometa-se a estar lá em data certa, nos termos do art. 69, parágrafo único, da lei 9.099/95.

Ao se afirmar, contudo, que a quebra do isolamento social determinado por dirigentes municipais não deveria poder autorizar a prisão do agente, deve-se alertar para o fato de que o descumprimento de medidas sanitárias respaldadas em estudos técnicos e científicos é de todo nocivo à sociedade e deve ser reprimida de modo assertivo. Alerta-se, apenas, para o risco do cerceamento abusivo ou desproporcional da liberdade de ir e vir do cidadão.

_____________ 

*Mauro Paciornik é advogado do Escritório Professor René Dotti.

 

Atualizado em: 7/5/2020 10:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Publicidade