sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Considerações sobre relações locatícias empresariais em época de pandemia: Suspensões, rescisões e revisões

Alexandre Carneiro Gomes

São fatos públicos e notórios os problemas derivados da pandemia de covid-19.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

t

São fatos públicos e notórios os problemas derivados da pandemia de covid-19. A existência de força maior pode ser comprovada pela declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) acerca da existência de uma pandemia, pela promulgação da Lei nº 13.979/2020 declarando o coronavírus uma emergência de saúde pública de importância internacional, e pelo reconhecimento do Congresso Nacional através do decreto legislativo nº 6/20 quanto ao estado de calamidade pública no Brasil.

Sabe-se, ainda, que praticamente todos os Estados da Federação editaram decretos no mesmo sentido, e ainda regulamentando as atividades que podem funcionar.

Assim é que a pandemia atinge as operações da maioria das empresas a ponto de impossibilitar a continuidade, em definitivo, de matrizes e/ou filiais, e consequentemente a necessidade de desmobilização do ponto comercial, demissões.

 

A excepcionalidade da ocorrência e a gravidade de seus efeitos inibem argumentos relacionados à previsibilidade de tal risco. Ou seja, não há cabimento em afirmar que o vírus, seus efeitos relevantes, e a sua difusão na sociedade, são eventos "possíveis", razão pela qual caberia ao contratado/devedor arcar com todos os prejuízos.

O quanto aqui narrado possui base na teoria da imprevisão, onerosidade, força maior, ditadas no art. 37, XXI, da CRFB de 1988 e no Código Civil, artigos 317, 478, 479 e 480, que tratam ainda da função social, boa-fé objetiva, equivalência material, todos com base sólida assentada nos preceitos constitucionais da solidariedade e justiça social.

Ainda quando se cogite de omissão a respeito do assunto na lei de locações, lei 8.245/91, seu artigo 79 remete ao Código Civil o suprimento de eventuais lacunas.

A boa-fé exige a adoção de providências preventivas e mitigadoras de efeitos danosos em contratos como os de locação nesta crise. Deixar de enfrentar a magnitude dos reflexos da pandemia não seria juridicamente tolerável

Abrem-se então três repercussões diretas no contrato de locação comercial: rescisão, suspensão ou revisão.

Na hipótese de a crise redundar no fechamento definitivo da atividade ali instalada, com demissão dos funcionários, ainda que não baixado imediatamente o CNPJ, entendemos ser possível a rescisão antecipada da locação e devolução da posse do imóvel.

A multa contratual por rescisão e entrega antecipada do imóvel, no mesmo sentido, existe para incidir nas condições normais contratuais e econômicas, como penalização por o locatário não ter planejado corretamente sua atividade e sua liquidez, o que decididamente não é o caso presente.

Avisos prévios exagerados, de mais de 30 (trinta) dias, ainda no mesmo passo, são incompatíveis com a situação atual.

Por outro lado, não sendo o caso de fechamento em definitivo do estabelecimento, mas desde que a crise tenha trazido impactos imediatos e significativos ao faturamento, ou suspensão de atividades, é indicada a renegociação dos valores locatícios, a fim de reestabelecer o equilíbrio econômico financeiro.

O artigo 19 da Lei de Locações alberga a revisão de contratos para situá-los ao preço de mercado. Muito embora apenas preveja tal modificação após 03 (três) anos de contrato, é cediço que não contém a premissa do fato extraordinário e de força maior, que então atua na hipótese para permitir a revisão mesmo antes do prazo ali indicado.

Desse modo, de acordo com o impacto em cada estabelecimento, pode- se revisar cada contrato, chegando-se até à suspensão parcial do contrato em atividades cujo funcionamento esteja dentre aqueles proibidos pelas autoridades.

Vertente especial é o caso dos Shoppings Centers e Lojas em Aeroportos. Tais centros de compras, na grande maioria dos Estados, foram fechados integralmente, ou o funcionamento parcial permanece tão somente para ajuda alimentar de funcionários e tripulações, como é o caso de Aeroportos.

Estas circunstâncias chancelam a possibilidade de suspensão de cada contrato de locação, sem ônus, até o retorno ao funcionamento.

Ações com essas premissas acontecem pelo Brasil, dentre as quais o pedido cautelar em ação proposta por CARNEIRO GOMES, MACHADO E ALCOFORADO, em nome da Associação dos Concessionários Aeroportuários de Recife/PE, no sentido de suspender contratos e pagamentos após a decretação da calamidade pública: 

 

"A evolução e o desenvolvimento das relações de direito civil, diante das diversas mutações sociais e econômicas, conduz o interprete a uma nova concepção do contrato, onde ganha mais importância os seus efeitos na sociedade e as condições sociais e econômicas das pessoas nele envolvidas. No momento atual, deve-se respeitar muito mais a ideia de utilidade social dos contratos, decorrente do princípio da confiança e da boa-fé, do que as próprias regras impostos individualmente, em favor de uma ou outra parte. O Código Civil de 2002, traduzindo sua atual concepção de contrato, dispõe em seu art. 421 que a "liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato". (...) Para fixar o conteúdo jurídico do contrato, reconstruindo o significado das declarações e o comportamento das partes, o intérprete não poderá deixar de prestar atenção aos fatos que envolveram a relação jurídica, baseada em sua função social. E nesse caso, o fato relevante para a atual interpretação das regras contratuais é a existência de uma crise sanitária e econômica, em face de uma Pandemia mundial, a qual não existia na base contratual quando de sua origem. (...) Com isso, é fácil reconhecer também que ocorreu uma enorme redução no número de voos domésticos e internacionais no Aeroporto do Recife, com consequente diminuição do número de pessoas circulando no aeroporto. Esse fato é incontroverso, e de ciência pública e notória. Agora, para entender a relação jurídica entre as partes faz-se necessário recordar um antigo conceito de Direito Comercial que diferencia o cliente do freguês. No caso, aqueles que procuram as lojas localizadas em Aeroportos e Rodoviárias são em regras considerados fregueses, uma vez que a procura ocorre em face da localização do estabelecimento, e não por sua qualificação em si. Com isso, a inexistência de freguesia nos aeroportos, em face da Pandemia, faz com que ocorra uma redução das vendas e da prestação de serviços, ocorrendo um desequilíbrio natural no contrato de locação, pois, a maior referência desse modelo de contrato é a valorização da localização, no caso o aeroporto, em face do natural grande fluxo de pessoas. Os estabelecimentos localizados em aeroportos permitem a atração do público consumidor, que se dirige para o local com interesse em realizar uma determinada atividade envolvendo o serviço aeroportuário. Contudo, com o quase fechamento por completo dos aeroportos, em face da enorme redução dos voos, e com a determinação de não aglomeração e distanciamento humano, a localização do aeroporto, como elemento objetivo do contrato de locação não está produzindo os seus efeitos. (...) Em face da natureza do contrato,   a   manutenção   do   fluxo   normal   de   fregueses,   os   quais, são necessários para a manutenção do equilíbrio econômico do contrato. Mas como o fluxo normal dos fregueses está comprometido pela Pandemia do Covid-19 e por normas públicas que impedem a circulação e aglomeração de pessoas, com o convite para a população permanecer em suas residências, o objeto do contrato e a referência de valor para a cobrança dos alugueis não vem sendo cumprida. (...) Nesse sentido, o valor do contrato de locação sofre interferência de causa alheia à vontade das partes. E o custo do produto sofre uma aumento desproporcional, pois, não consegue cumprir a finalidade a qual se prontificou. Destaco ainda, que os serviços e os produtos postos à venda pelos lojistas , diante da falta de procura, passam a ter um maior valor de  custo, pois, com a manutenção das despesas ordinárias com o estabelecimento e com os empregados, os produtos vendidos não serão suficientes para equilibrar as despesas. (...) Nesse mesmo sentido, é legitima a suspensão das atividades dos lojistas em seus estabelecimentos localizados  no aeroporto do Recife, em defesa da saúde pública da população e privada dos empregados. É possível, ainda, impedir a cobrança, o protesto e a negativação dos locatários, durante o período de crise econômica, pois, a mora não pode ser atribuída exclusivamente ao locatário, em face da existência de circunstância extraordinária, e o valor do aluguel durante esse período não será o justo para que somente uma das partes suporte o ônus da força maior. O valor do aluguel nesse período de pandemia, não obedece a fórmula pactuada quando do início da relação contratual, pois, há uma enorme onerosidade para uma das partes, em face da alteração das circunstâncias. Diante do exposto, resolvo deferir a tutela cautelar antecedente para determinar: 1- A possibilidade legal de suspensão das atividades comerciais de estabelecimento localizado no Aeroporto do Recife, durante a vigência do decreto de calamidade pública, como forma de proteção da saúde pública da população e privada dos empregados. 2- A obrigação de não fazer ao locador (Aeroportos do Nordeste do Brasil S/A(ANB)), para abster-se de cobrar, protestar ou negativar em quaisquer sistema de registro de dados, faturas vencidas após a decretação de calamidade pública, bem como suspender as cobranças a partir da referida data, até que as atividades normais de voos sejam restabelecidas. (JUIZ SILVIO ROMERO BELTRAO.  PROCEDIMENTO COMUM CÍVEL 0018675-76.2020.8.17.2001. Seção B da 18ª Vara Cível da Capital.)

 Suspensões e revisões de contratos e pagamentos, registre-se, por fim, que serão objeto de novas revisões, consensuais ou judiciais, pós pandemia, a fim de trazer os valores locatícios para o "novo normal" de fluxo de clientes e faturamento de acordo com cada ramo de atividade.

________________

 *Alexandre Carneiro Gomes, sócio de Carneiro Gomes, Machado e Alcoforado Sociedade de Advogados.

t

Atualizado em: 14/5/2020 11:18

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Publicidade