quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A Quarta Revolução Industrial, o covid-19 e o futuro profissional: O repensar do Lloyd´s of London merece atenção

Todos nós, profissionais do presente, já trabalhamos com os pés fincados no futuro. E é impossível não lembrar das palavras de José Ortega y Gasset quando fala de circunstâncias e perspectivas. O reinventar-se não é mais só uma palavra recorrente em textos e palestras motivacionais. Um lugar-comum nos discursos business. Virou agora efetiva necessidade.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

t

Faz alguns anos que dedico tempo ao estudo da quarta revolução industrial e de seus efeitos no tecido social. Ela já está em curso e faz parte do nosso cotidiano.

Há coisas positivas? Evidentemente sim. Mas também há negativas. Os pontos positivos são facilmente identificáveis; já os negativos demandam uma arguta observação de atos e fatos.

Um exemplo positivo: no smartphone, tenho praticamente o escritório em mãos. Posso por ali executar a maioria das atividades profissionais. Se a informatização do Poder Judiciário avançar ainda mais, até sustentações orais em sessões de julgamento poderei realizar. Estando em Roma, Londres, Salamanca.

Um exemplo negativo: Extinção de postos de trabalho. Consequência bastante concreta, real, e que já se constitui em problema real a ocupar cabeças governamentais mundo afora.

Soube de colegas alemães que a maior potência europeia já estuda um salário social. O governo pagaria para muita gente ficar em casa por não haver trabalho. Pessoas com menos aptidões ou menos especializadas ficarão em casa, talvez com ocupação social ou educativa, conservando meios minimamente dignos de subsistência, até para evitar distúrbios maiores.

O problema é que nem todo país é a Alemanha. E a possibilidade de conflitos mais graves já deixou os campos da ficção, ou da retórica ideológica, para se tornar parte das preocupações de governos e dos principais stakeholders.

Não pretendo me alongar muito nisso, ao menos agora. Escrevo estas linhas apenas para apresentar um artigo interessante, muito bem escrito por sinal, de Denise Bueno. O artigo me chamou a atenção porque trata de mudanças, da pandemia Covid-19 e de um lugar que me é caro: o Lloyd's of London.

Quase todas as vezes que estive na capital do Reino Unido, visitei a sede do Lloyd's. A exuberância de seu espaço reserva-se para aqueles que, como eu, trabalham com Direito do Seguro, Direito dos Transportes e, indiretamente, com Comércio Exterior. Basicamente o que Roma é para os católicos. Desde há muito lá o negócio de seguro mantém sua espinha e seu coração.

E como tudo o que diz respeito ao Reino Unido, o Lloyd's of London, sem deixar de ser moderno, mantém-se ainda sob o teto da tradição. Seu prédio, suas mesas, seu estilo geral, tudo que o circunda lembra a tradição que ali se conserva, remetendo àquilo a que hoje o mundo mais aspira: segurança.

A pandemia convida todo o mundo, em geral, e os profissionais do Lloyd's of London, em particular, à inevitabilidade de um repensar. Se o resultado desse pensamento renovado será bom ou ruim, o tempo nos dirá.

Todos nós, profissionais do presente, já trabalhamos com os pés fincados no futuro. E é impossível não lembrar das palavras de José Ortega y Gasset quando fala de circunstâncias e perspectivas. O reinventar-se não é mais só uma palavra recorrente em textos e palestras motivacionais. Um lugar-comum nos discursos business. Virou agora efetiva necessidade.

Ao largo de teorias conspiratórias, sem exagero, temos que admitir que muitos dos elementos do Admirável Mundo Novo já se encontram entre nós. Sejamos, pois, bravos de espírito e otimistas, esperançosos e confiantes. Não nos esqueçamos do que a História mostra: a humanidade é adaptável por vocação. Assim deixo o leitor com o belo texto de Denise Bueno.

O repensar do Lloyd's of London pós Covid-19

"As novas vendas são mais difíceis digitalmente e o mesmo se aplica à venda do risco para um subscritor. . . é mais difícil dizer não cara a cara do que por e-mail ou telefone. "

Fonte: Financial Times

Em um dia normal, cerca de 7.000 pessoas passavam pelas portas do Lloyd's de Londres e seguiam para a gigantesca sala de subscrição de quatro andares do mercado de seguros. Lá, eles discutiam políticas para clientes em todo o mundo, faziam novos contatos e acompanhavam as fofocas do setor, assim como há mais de 300 anos, desde que o mercado foi fundado em uma cafeteria.

O Lloyd's é um dos últimos centros financeiros presenciais, agarrando-se a uma sala de negociação física enquanto outros se tornaram digitais. Muitas vezes, as negociações se espalhavam pelos bares e restaurantes agrupados nas ruas estreitas da cidade de Londres nas proximidades.

Mas desde que o surto de coronavírus forçou a Grã-Bretanha a optar pelo lockdown, em março, as portas do Lloyd's foram fechadas, a sala de subscrição ficou em silêncio e os cafés vazios. Muitos dos corretores e subscritores que trabalham lá agora estão perguntando se as coisas podem - ou deveriam - voltar a ser as mesmas.

"Seria uma enorme oportunidade perdida se voltasse ao normal", disse Matthew Wilson, executivo-chefe da seguradora Brit. "O Lloyd's tem uma tradição de 300 anos de negociação presencial, o que serviu bem, mas está em risco de se tornar uma peça de museu".

t

Leadenhall Market na City londrina antes do covid-19 .

t

... e agora no pós pandemia

Steve McGill, executivo-chefe da corretora McGill and Partners, disse que o Covid-19 é um "divisor de águas na maneira como o mercado está indo para o futuro". "Haverá muitas perguntas sobre a maneira como servimos os clientes", acrescentou. "O ambiente será profundamente adaptado."

O coronavírus já trouxe desafios significativos às seguradoras. A crise provavelmente levará a um dos maiores pagamentos de indenizações de todos os tempos, potencialmente superando US$ 100 bilhões, com as políticas de cancelamento de eventos e de crédito comercial citadas entre as mais atingidas. Também existe uma controvérsia crescente sobre se as seguradoras devem pagar as apólices de interrupção dos negócios.

Mas as seguradoras de Londres - que administram cerca de US$ 90 bilhões em negócios por ano, de acordo com um relatório de 2017 do London Market Group, à frente de outros grandes centros como Bermuda (cerca de US$ 40 bilhões) e Suíça (US$ 31 bilhões) - foram confrontados com o obstáculo adicionado a uma mudança forte e rápida na maneira como eles funcionam.

A troca do prédio do Lloyd's por suas salas e escritórios domésticos o forçou a finalmente adotar um sistema eletrônico de negociação que foi inicialmente rejeitado por algumas seguradoras e corretoras, que preferiam o processo tradicional em papel. A plataforma PPL, que permite que apólices de seguro sejam criadas eletronicamente, e não no papel, foi introduzida no mercado de seguros de Londres em 2016. Dois anos depois, o Lloyd's teve que começar a forçar as seguradoras a usá-la.

Mas desde que a crise começou, o uso atingiu um recorde. Há um ano, o sistema estava sendo usado por cerca de 970 apólices por semana no Lloyd's e no mercado de seguros de Londres. Isso aumentou para quase 3.500. "Houve muita negatividade e barulho em torno do PPL", disse Wilson, "mas ele se manteve e foi o salvador do mercado de Londres".

Seguradoras e corretores disseram que, como o sistema podia ser usado em PCs e laptops comuns em casa, eles agora estavam trabalhando quase com a capacidade total. O modelo tradicional de Lloyd's - por meio do qual os corretores levam propostas de risco de naves espaciais a obras de arte para as mesas dos subscritores, chamadas boxes, para discutir como segurá-las - é exclusivo da cidade de Londres.

Em outros lugares, não existe um sistema formal para os negócios presenciais. Corretores e subscritores de outros centros de seguros simplesmente se visitam em seus escritórios ou trabalham por telefone e e-mail. A capacidade dos corretores do Lloyd's de ver várias seguradoras no mesmo local ao mesmo tempo tem sido uma grande vantagem, permitindo que elaborem políticas complexas ou incomuns em um curto espaço de tempo.

Alguns membros do setor disseram que há desvantagens em trabalhar remotamente. "Há um sentimento subjacente de que estamos perdendo alguma coisa", disse Alastair Swift, chefe de risco corporativo da GB e corretor da Willis Towers Watson. "As novas vendas são mais difíceis digitalmente e o mesmo se aplica à venda do risco para um subscritor. . . é mais difícil dizer não cara a cara do que por e-mail ou telefone. "

Outros disseram que trabalhar em casa era menos eficiente do que ficar sentado na sala de subscrição do Lloyd's, onde corretores fazem fila para ver os subscritores e as discussões podem durar o tempo que for necessário. Agora, tudo tem que ser agendado. "Algumas reuniões levam cinco ou 10 minutos, mas agora eles precisam colocar horários de meia hora em seus diários", disse Sheila Cameron, diretora executiva da Lloyd's Market Association. "Uma fila digital não é tão eficiente."

O Lloyd's, que já estava trabalhando em uma série de reformas, está procurando maneiras de colocar a sala de subscrição em funcionamento novamente quando as restrições forem levantadas. "Existem três opções", disse John Neal, executivo-chefe do Lloyd's. Uma é para as seguradoras estarem na sala, mas os corretores se juntando virtualmente. A segunda é que apenas determinadas linhas de produtos seriam permitidas na sala de uma só vez. O terceiro é um sistema de reservas para pessoas que desejam usar o prédio.

Permitir que as pessoas retornem a algum tipo de contato pessoal é importante, enfatizou. "As pessoas perdem a velocidade do pensamento ao resolver um problema. . . algo que pode levar um dia no momento pode ser feito em 45 minutos ou uma hora fisicamente." No entanto, ele acrescentou que a crise havia apresentado uma "oportunidade de reimaginar o que fazemos e. . . ser mais experimental em termos de flexibilidade do espaço ".

Essa flexibilidade pode significar simplesmente o uso de menos espaço, o que seria benéfico em Londres, onde os custos imobiliários são altos. Também pode significar alterar o layout do edifício. No momento, todas as seguradoras estão sentadas em mesas idênticas e os corretores sentados em bancos ao lado deles. Neal disse que o espaço pode ser menos formal no futuro.

Algumas pessoas querem que o Lloyd's vá além e eliminem totalmente a sala de subscrição. "Não é uma necessidade", disse Wilson. "[A crise] deu às pessoas tempo para pensar sobre o que é certo a fazer". Tom Clementi, da MS Amlin, concordou: "Com o tempo, isso desaparecerá, mas não sei se vai demorar dois, cinco ou sete anos".

Outros alertaram que o comércio eletrônico tinha seus limites e que sempre haveria necessidade de discussões cara a cara. "Existe um valor face a face em áreas grandes ou complicadas ou onde há novos riscos", disse Richard Dudley, executivo-chefe do centro global de corretagem da Aon no Reino Unido. "É um processo de gerenciamento e elaboração de risco conjunto e é muito mais difícil de fazer se você não estiver cara a cara."

_________

t*Paulo Henrique Cremoneze é advogado com atuação em Direito do Seguro e Direito dos Transportes, sócio do escritório Machado, Cremoneze, Lima e Gotas - Advogados Associados.

Atualizado em: 18/5/2020 11:16

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Publicidade