quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Aplicação de sanções disciplinares por videoconferência em tempos de pandemia

Este artigo abordará a forma de aplicação de sanções disciplinares de natureza trabalhista (advertências, suspensões e justa causa) em tempos de pandemia, considerando que alguns profissionais não estão em seus postos de trabalho, mas exercendo suas atividades laborais em casa (home office ou tele trabalho).

quarta-feira, 24 de junho de 2020

t

Mesmo em época de pandemia é importante lembrar que direitos e deveres existentes na relação empregado e empregador permanecem ativos.

Assim, na hipótese de que seja identificada uma falta grave (prevista no artigo 482 da CLT) praticada pelo empregado, a empresa deverá aplicar uma das sanções disciplinares permitidas pela legislação imediatamente após o conhecimento do fato, sob pena de que a passagem de tempo seja interpretada como perdão tácito.

Neste sentido, a primeira pergunta que se coloca diz respeito a como respeitar o princípio da imediatidade em tempos de pandemia com restrição de circulação?

Há uma quantidade imensa de medidas legislativas que buscam zelar pela saúde e segurança dos empregados e a vitalidade das empresas durante a pandemia causada pelo covid-19.

É prudente tentar adequar ao máximo a nova realidade aos conceitos e práticas já validadas pela Justiça do Trabalho a fim de não incidir em práticas abusivas e não causar/sofrer prejuízos.

A Justiça do Trabalho sempre tratou de forma absolutamente formal o tema das sanções disciplinares, contudo, espera-se que ante a anormalidade da situação vivenciada, a Justiça do Trabalho também possa vir a se ajustar e flexibilizar algumas regras e entendimentos consolidados.

Inclusive, os próprios Juízes e servidores se reinventaram para continuarem exercendo as atividades jurisdicionais, hoje inclusive já têm ocorrido audiências por videoconferência.

Deste modo, é plenamente cabível a possibilidade de aplicação de sanções disciplinares por meio vídeo conferência, visto a necessidade que se impõe neste momento.

Assim, quando houver a necessidade de aplicação de alguma sanção disciplinar, a realização deve ser de forma cautelosa, respeitosa, de forma individual, cumprindo-se todo o procedimento já adotado pela empresa em situações normais, como: a formalização da advertência por escrito (e-mail), a comunicação verbal pelo gestor (por videoconferência); a ciência do empregado (na resposta do e-mail ou na formalização por duas testemunhas que presenciaram que o empregado recusou-se a responder o e-mail com a ciência), revestindo-se de toda a formalidade necessária.

Há também a possibilidade de gravar as reuniões, porém as partes deverão estar cientes de que a reunião será gravada e o teor deverá ficar arquivado exclusivamente com o RH, por se tratar de assunto sigiloso.

É importante ressaltar que, em caso de reclamação trabalhista com pedido de nulidade da penalidade aplicada, ou ainda no caso de alegação de danos morais, será ônus da empresa comprovar o ocorrido. Logo, é imprescindível a documentação de todo o procedimento: desde os documentos que comprovam a falta grave praticada pelo empregado, até a formalização da aplicação da sanção.

Por fim, destaca-se que ainda não há jurisprudência (julgados de casos semelhantes) nesse sentido, de modo que o empregador deverá analisar de forma minuciosa para a tomada de uma decisão.

Quanto à justa causa, caso não seja possível à demissão presencial, recomenda-se a adoção dos procedimentos acima demonstrados, evitando-se a comunicação através de e-mail ou aplicativos de mensagens, bem como referência a assuntos alheios à demissão (como por exemplo, erros cometidos pelo empregado, ou desentendimentos pessoais).

_________

t*Thais Gatti é advogada da área trabalhista do escritório De Vivo, Castro, Cunha, Ricca e Whitaker Advogados.




t*Fernanda Grasselli de Carvalho é advogada da área trabalhista do escritório De Vivo, Castro, Cunha, Ricca e Whitaker Advogados.

Atualizado em: 24/6/2020 07:59

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Publicidade