quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Fashion Law

A utilização do cânhamo industrial e seus aspectos legais

segunda-feira, 29 de junho de 2020

t

Cada vez mais em evidência, a sustentabilidade é pauta importante nos mais variados segmentos. Segundo a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, a definição de sustentabilidade consiste no desenvolvimento da capacidade de suprir as necessidades atuais dos seres humanos, sem comprometer o futuro das próximas gerações.

A indústria da moda é uma das grandes responsáveis pelos impactos ambientais, portanto muitas empresas do ramo vêm buscando alternativas para superar os desafios sociais, ambientais, econômicos, éticos e jurídicos empreendendo em soluções que reduzam os danos ao meio ambiente.

Inclusive para se adequar a um novo perfil de consumidor, a indústria têxtil e de vestuário estão agregando conceitos de sustentabilidade em toda sua cadeia de produção. Isto se reflete na escolha de fornecedores de tecidos e outros materiais fabricados, nas práticas sustentáveis em toda a cadeia de fabricação, bem como no respeito em relação aos funcionários e familiares, buscando um olhar mais consciente e global à sua comunidade.

Ocorre que, não obstante os esforços para encontrar alternativas e tecnologias capazes de reduzir os impactos gerados pela indústria, as empresas constantemente encontram limitações ou lacunas legislativas e normativas que afetam a implementação de medidas altamente sustentáveis, como é o caso da utilização do cânhamo industrial na cadeia de produção.

O cânhamo industrial é uma variação da Cannabis com concentração muito baixa da substância psicoativa Tetraidrocanabinol (THC), portanto incapaz de gerar efeitos alucinógenos. Dentre as mais variadas possibilidades de seu uso, a utilização da fibra do cânhamo na indústria têxtil é a escolha de muitas marcas nacionais e internacionais.

A utilização do tecido à base do cânhamo resulta na redução do uso de pesticidas e agrotóxicos que afetam os ecossistemas, já que recebem escoamento das fazendas, diminuindo a fertilidade animal e a biodiversidade de água doce, bem como reduz drasticamente o consumo de água em sua produção.

Ocorre que o cultivo, plantio e produção do Cânhamo não é autorizado em território nacional, pois trata-se de uma espécie derivada do gênero Cannabis, que consta no rol de planta não autorizada no Brasil. Porém, em que pese a proibição ser relativa à substância que possui efeito alucinógeno, a variação ecologicamente sustentável da planta não possui qualquer proibição legal inerente a sua importação na forma de produto pronto, como, por exemplo, o tecido de cânhamo para ser estilizado e comercializado posteriormente pelas marcas.

Recentemente, a Justiça Federal, em liminar1, autorizou uma empresa do interior de São Paulo a cultivar e vender produtos à base de Cannabis sem efeitos alucinógenos, sob a pretensão de comercializar o insumo de cânhamo para a indústria farmacêutica e expandir a venda para os setores têxtil e alimentício. Concomitantemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) permitiu a venda de produtos à base de cannabis medicinal em farmácias, mas manteve a proibição do cultivo para fins medicinais.

Segundo a decisão, uma vez liberada pela ANVISA o uso da Cannabis sativa para fins medicinais e farmacêuticos, menos prejuízo haveria para a liberação do uso do cânhamo industrial, que possui uso restrito desde a produção de cosméticos até de alimentos. Ainda, o Juízo afirma que há uma omissão do Poder Público quanto a regulamentação do plantio da Cannabis, o que denota claramente ofensa à ordem econômica e à proteção constitucional ao direito à saúde, impossibilitando avanço em tais setores.

Dessarte, não se tratando de Cannabis sativa, não se aplica ao cânhamo industrial a vedação contida na Lista 'E' da Portaria/SVS 344, de 12 de maio de 1998, que cita expressamente a Cannabis sativa, e não a Cannabis ruderallis.

Outrossim, segue em tramitação no Senado Federal o projeto de lei 5.295 de 2019, de autoria da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, que dispõe sobre a regulamentação da produção da cannabis medicinal e do cultivo do cânhamo industrial, onde aguarda o parecer final do Relator. Se aprovada totalmente, seguirá para votação da Comissão e, posteriormente, será remetida à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que emitirá parecer quanto à constitucionalidade, legalidade e juridicidade e seguirá para votação em Plenário.

Portanto, vale mencionar que a utilização do cânhamo industrial não se restringe apenas a medicamentos, tendo em vista que grandes potências econômicas como China, Alemanha, França e Estados Unidos têm investido cada vez mais no cultivo e produção em uma vasta variedade de produtos, incluindo papel, tecido, alimentos, combustível, plástico, cremes dermatológicos e até mesmo na construção civil.

Quanto à Indústria Têxtil, assim como as outras fibras orgânicas, o cânhamo industrial mostra-se como uma alternativa sustentável e uma excelente contribuição para o meio ambiente. Diversas marcas já utilizam a fibra do cânhamo industrial como matéria-prima sustentável, resistente e ecologicamente correta.

O Brasil possui um enorme potencial para ser um dos grandes exportadores do cânhamo industrial, visto que possui condições agrícolas e climáticas favoráveis ao cultivo. Diante da crise advinda da pandemia, mostra-se essencial o acompanhamento da evolução da regulamentação do cânhamo, principalmente pela necessidade de se fomentar novos segmentos que poderão gerar riquezas e estimular a economia.

_________

CARVALHO, Paulo Roberto Galvão de, e Andrey Borges de MENDONÇA. Lei de drogas: Lei 11.343, de 23 de agosto de 2006: comentada artigo por artigo. São Paulo: Método, 2013.

CÂNHAMO, a planta do futuro, PÁGINA 22, 21 de fev. de 2020. Disponível em: Clique aqui. Acesso em: 15 de abr. de 2020.

CDH arquiva proposta de uso recreativo da maconha e analisa o uso medicinal. Brasília, Senado Federal, 12 de set. de 2019. Disponível em: Clique aqui. Acesso em: 19 de set. de 2019.

CHINA Cannabis Cbd. New York Times, EUA, 4 de mai. De 2019. Disponível em: Clique aqui.Acesso em: 19 de set. de 2019.

GRECO FILHO, Vicente.Tóxicos: prevenção, repressão. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 1993.

ITÁLIA passa a investir em maconha e quer se transformar em maior produtor da Europa, UOL, 24 de abr. de 2017. Disponível em: Clique aqui. Acesso em: 19 de set. de 2019.

_________

1 9ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal, nos autos do processo nº 1029099-51.2019.4.01.3400

_________

*Thainá Simionato Marques é advogada graduada pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul, especializada em Direito Público. e em Direito Penal Econômico e Europeu. Pós-graduada em Fashion Law e certificada em Propriedade Intelectual. Advogada do escritório Garé Advogados.

Atualizado em: 29/6/2020 14:23

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Publicidade