terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Análise de impacto regulatório (AIR) de atos emitidos pelo Governo Federal é regulamentada

Diante do novo contexto legal, não parece desarrazoado esperar que novos regulamentos contribuirão para o fomento da economia brasileira e a convergência de políticas públicas.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

t

Quarta-feira (1º.7.2020) foi publicado o decreto 10.411, de 30 de junho de 2020, que regulamenta a análise de impacto regulatório (AIR) de atos emitidos pelo Governo Federal.

A AIR foi concebida de forma genérica pela lei 13.874, de 20.9.2019 (Lei da Liberdade Econômica), e aguardava a necessária regulamentação, via decreto, para que pudesse ser implementada.

Baseada em critérios objetivos e em dados empíricos, a AIR consiste em medida internacionalmente reconhecida e bastante salutar no sentido de conferir efetividade aos ditames da Lei da Liberdade Econômica no plano infralegal, além de maior transparência, previsibilidade e eficiência às normas emitidas pela administração pública federal.

A edição de normas pela administração pública federal deverá ser precedida de AIR a partir de 15.4.2021, para o Ministério da Economia, as agências reguladoras de que trata a lei 13.848, de 20191 e o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), e de 14.10.2021, para os demais órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.
 
A seguir trazemos um resumo de alguns dos principais pontos da nova regulamentação.

Conceitos e critérios introduzidos pelo decreto 10.411/2020 para balizar a AIR: 

  • Análise de impacto regulatório (AIR): procedimento, a partir da definição de problema regulatório, de avaliação prévia à edição dos atos normativos de que trata o decreto, que conterá informações e dados sobre os seus prováveis efeitos, para verificar a razoabilidade do impacto e subsidiar a tomada de decisão. 
  • Ato normativo de baixo impacto: ato que não provoque aumento expressivo de custos para os agentes econômicos ou para os usuários dos serviços prestados; não provoque aumento expressivo de despesa orçamentária ou financeira; e não repercuta de forma substancial nas políticas públicas de saúde, de segurança, ambientais, econômicas ou sociais. 
  • Avaliação de resultado regulatório (ARR): verificação dos efeitos decorrentes da edição de ato normativo, considerados o alcance dos objetivos originalmente pretendidos e os demais impactos observados sobre o mercado e a sociedade, em decorrência de sua implementação. 
  • Custos regulatórios: estimativa dos custos, diretos e indiretos, identificados com o emprego da metodologia específica escolhida para o caso concreto, que possam vir a ser incorridos pelos agentes econômicos, pelos usuários dos serviços prestados e, se for o caso, por outros órgãos ou entidades públicos, para estar em conformidade com as novas exigências e obrigações a serem estabelecidas pelo órgão ou pela entidade competente, além dos custos que devam ser incorridos pelo órgão ou pela entidade competente para monitorar e fiscalizar o cumprimento dessas novas exigências e obrigações por parte dos agentes econômicos e dos usuários dos serviços prestados. 
  • Relatório de AIR: ato de encerramento da AIR, que conterá os elementos que subsidiaram a escolha da alternativa mais adequada ao enfrentamento do problema regulatório identificado e, se for o caso, a minuta do ato normativo a ser editado. 
  • Atualização do estoque regulatório: exame periódico dos atos normativos de responsabilidade do órgão ou da entidade competente, com vistas a averiguar a pertinência de sua manutenção ou a necessidade de sua alteração ou revogação. 

Hipóteses em que não haverá necessidade de AIR para a edição de normas: 

  • Regulamentos de natureza administrativa, cujos efeitos sejam restritos ao âmbito interno do órgão ou da entidade. 
  • Regulamentos com efeitos concretos, destinados a disciplinar situação específica, cujos destinatários sejam individualizados. 
  • Regulamentos que disponham sobre execução orçamentária e financeira. 
  • Regulamentos que disponham estritamente sobre política cambial e monetária. 
  • Regulamentos que disponham sobre segurança nacional. 
  • Regulamentos que visem a consolidar outras normas sobre matérias específicas, sem alteração de mérito. 

Hipóteses em que a AIR pode ser dispensada: 

  • Urgência.  
  • Ato normativo destinado a disciplinar direitos ou obrigações definidos em norma hierarquicamente superior que não permita, técnica ou juridicamente, diferentes alternativas regulatórias. 
  • Ato normativo considerado de baixo impacto. 
  • Ato normativo que vise à atualização ou à revogação de normas consideradas obsoletas, sem alteração de mérito. 
  • Ato normativo que vise a preservar liquidez, solvência ou higidez (i) dos mercados de seguro, de resseguro, de capitalização e de previdência complementar; (ii) dos mercados financeiros, de capitais e de câmbio; ou (iii) dos sistemas de pagamentos. 
  • Ato normativo que vise a manter a convergência a padrões internacionais. 
  • Ato normativo que reduza exigências, obrigações, restrições, requerimentos ou especificações com o objetivo de diminuir os custos regulatórios.  
  • Ato normativo que revise normas desatualizadas para adequá-las ao desenvolvimento tecnológico consolidado internacionalmente, nos termos do disposto no decreto 10.229, de 5 de fevereiro de 2020 (que regulamenta o direito de desenvolver, executar, operar ou comercializar produto ou serviço em desacordo com a norma técnica desatualizada de que trata o inciso VI do caput do art. 3º da Lei da Liberdade Econômica).  

Diante do novo contexto legal, não parece desarrazoado esperar que novos regulamentos contribuirão para o fomento da economia brasileira e a convergência de políticas públicas, uma vez que a eficácia e os impactos desses regulamentos serão ex ante avaliados, tanto quantitativamente como qualitativamente.

_________
 
1 Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel);
Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP);
Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel);
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS);
Agência Nacional de Águas (ANA);
Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq);
Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
Agência Nacional do Cinema (Ancine);
Agência Nacional de Aviação Civil (Anac);
Agência Nacional de Mineração (ANM).

_________

t*Caio Ferreira Silva é sócio do escritório Pinheiro Neto Advogados.







t*Tatiana Dratovsky Sister
é associada do escritório Pinheiro Neto Advogados.







*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. 

© 2020. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Atualizado em: 3/7/2020 07:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014
Flávia Pereira Ribeiro

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Publicidade