quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Crimes tributários em tempos de pandemia

O crime tributário só existe quando há intenção de se beneficiar indevidamente, reduzindo, suprimindo ou se eximindo de pagamento de tributo de maneira fraudulenta ou de outra forma ilícita.

terça-feira, 7 de julho de 2020

t

É inegável que os problemas de saúde pública gerados pela covid-19 culminaram em uma crise econômica, atingindo diversos setores. A queda de faturamento das empresas faz com que sejam procuradas alternativas para que se mantenham funcionando. Além de medidas trabalhistas que permitem, por exemplo, a suspensão de contratos de trabalho ou redução de salários, analisa-se a possibilidade de postergação de pagamentos de obrigações tributárias, como se verifica da resolução CG SN 154/20 da Receita Federal Brasileira, que permite tal medida no Simples Nacional. Sendo assim, as dificuldades financeiras causadas pela pandemia poderiam justificar o inadimplemento tributário e afastar a responsabilidade penal de seus administradores? A resposta aparenta ser positiva.

O crime tributário só existe quando há intenção de se beneficiar indevidamente, reduzindo, suprimindo ou se eximindo de pagamento de tributo de maneira fraudulenta ou de outra forma ilícita. Dessa forma, caso a ausência de pagamento se dê porque existe uma crise financeira real sendo enfrentada - e esta deve ser devidamente comprovada - parece que não existe intenção de lesionar o fisco, inexistindo elemento necessário para configurar o crime. Ainda, não é novo o entendimento nos Tribunais de que em situações extremas, quando o pagamento do tributo pode ter por consequência o fechamento em definitivo da empresa (o que exige comprovação), o inadimplemento não caracteriza crime por inexigibilidade de conduta diversa. Nesse sentido: "as graves dificuldades financeiras enfrentadas pela pessoa jurídica para adimplir a obrigação tributária constituem causa excludente de culpabilidade por inexigibilidade de conduta diversa, desde que comprovadas nos autos"1. O momento de fragilidade econômica enfrentado em razão da pandemia, portanto, parece se enquadrar nessa hipótese - desde que, repita-se, devidamente comprovada nos autos a situação concreta do contribuinte.

_________

1 TRF4, Apelação Criminal 5003124-10.2017.4.04.7000, 8ª T., Rel. João Pedro Gebran Neto, J. 26.09.18, DJe 28.09.18.

_________

t*Victoria de Barros e Silva é advogada e membro do Escritório Professor René Dotti.

Atualizado em: 7/7/2020 13:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Nicole Cunha

Nicole Cunha

Informativo Migalheira desde 2021
Márcio Aguiar

Márcio Aguiar

Informativo Migalheiro desde 2020
Scilio Faver

Scilio Faver

Informativo Migalheiro desde 2020
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Informativo Migalheiro desde 2014
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Informativo Migalheira desde 2006
Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Informativo Migalheiro desde 2021
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Informativo Migalheira desde 2019
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Informativo Migalheiro desde 2019
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Informativo Migalheira desde 2020

Publicidade