segunda-feira, 19 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Sobre morte e esquecimento

Palavras emanadas da primeira-boca, a essas não desejamos a morte; juntamente com o seu emissor, e invocando a mitologia clássica do esquecimento, que sejam banhadas no Rio Lete e banidas da humanidade.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

t

Escrevemos ainda no calor dos fatos, e às vezes isso é bom, mas pode não ser. Helio Schvartsman lançou uma coluna justificando porque desejaria a morte de alguém. Em um texto que invoca o consequencialismo, ou utilitarismo, de Bentham, dentre outros, explica porque deseja o máximo de negação de um indivíduo em nossa sociedade: a sua morte. Chargistas também expressaram suas impressões sobre os tempos atuais com ilustrações que, sem precisar de explicações, apresentam um capitão-em-chefe associado ao que é de pior da humanidade.

O que têm esses exemplos de comum? Todos retratam uma forma de oposição ao negacionismo, ao ódio, à morte a que somos bombardeados nos últimos tempos. São argumentos fortes, mas são usados contra provocações fortes. A linguagem mais recente das redes sociais trabalha com a escandalização - quer de posições, quer de argumentos - para angariar audiência e, com isso, movimentar corações, mentes e dinheiro. E também poder.

O articulista e os chargistas usaram linguagem similar. E foram igualmente objeto de representação por infração à Lei de Segurança Nacional, porque em tese teria atentado contra a figura presidencial.

E aqui cabe uma indagação que se faz relevante, sobretudo em momento em que pretensos "blogueiros" e "ativistas" são detidos por ordem judicial, com fundamento parecido, por agressões endereçadas a integrantes do Supremo Tribunal Federal e a representantes do Congresso Nacional. Seriam as situações equiparáveis?

Uma conclusão apressada responderia afirmativamente, até porque o articulista e os chargistas foram objeto de representação criminal.

Mas temos que diferenciar as situações. As ofensas cometidas aos integrantes do Supremo Tribunal Federal, que culminaram com fogos direcionados à nossa Corte, não podem ser comparadas ao texto e às imagens em questão. Uma leitura, mesmo que superficial, do texto aponta para uma crítica a que qualquer autoridade pública se encontra submetida. Desejar a morte, na forma explicitada na coluna, não é senão a versão do "cancelamento" atual das redes sociais: a não-existência de alguém que evoque tanto sofrimento a um povo, como tem causado o atual mandatário.

Não há necessidade de elencar aqui as falas obtusas e absurdas emanadas da primeira-boca da nação, em desrespeito às dezenas de milhares de mortos e aos seus familiares. E também aos profissionais de saúde que arriscaram - e continuam arriscando - a vida própria em defesa da vida alheia. Essas falas já se encontram enfileiradas ao julgamento da história, se à história for permitido exercitar seu julgamento. Lutemos para que seja!

Tampouco escrevemos em defesa jurídica do articulista ou dos chargistas, certos que as representações não sobreviverão a um átimo longe das hostes do Poder Executivo.

Mas conclamamos a sociedade para que reflita sobre uma legislação que tem sido invocada para proteger situações tão diversas - a crítica à autoridade e à ameaça à autoridade - em um tempo de rupturas. Se a legitimação do Estado se encontra em xeque no nosso Brasil, também se encontra em xeque mundo afora. O establishment político encontra-se sob berlinda nas democracias ocidentais e a crítica aos seus fundamentos é bom que seja feita. Devemos fazer uma correta separação entre o que seja uma crítica a posturas políticas e ao que se reduza a ameaças e agressões. A Lei de Segurança Nacional não o faz. E por isso merece ser, ela mesma, cancelada. O termo aqui, apesar de não ser jurídico, adequa-se à linguagem das redes. Críticas são bem-vindas, agressões merecem reprimenda adequada.

E as palavras emanadas da primeira-boca, a essas não desejamos a morte; juntamente com o seu emissor, e invocando a mitologia clássica do esquecimento, que sejam banhadas no Rio Lete e banidas da humanidade.

_________

t*Igor Sant'Anna Tamasauskas é  advogado, mestre e doutorando em Direito do Estado. Sócio do escritório Bottini & Tamasauskas Advogados.

Atualizado em: 9/7/2020 08:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Arthur Bardawil Penteado

Migalheiro desde 2006

Jacquelyne Fleck

Migalheira desde 2020

Paula Raccanello Storto

Migalheira desde 2020

Renato Aparecido Gomes

Migalheiro desde 2020

Ana Paula Caodaglio

Migalheira desde 2016

Patricia Martin

Migalheira desde 2008

William Freire

Migalheiro desde 2007

Caio Fava Focaccia

Migalheiro desde 2013

Diego Petacci

Migalheiro desde 2020

Luiz Scarpino

Migalheiro desde 2012

Danilo Marques Borges

Migalheiro desde 2019

Gabriela Becker Pinto

Migalheira desde 2020

Publicidade