terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A consideração da covid-19 como doença ocupacional e provável aumento na carga previdenciária da empresa

Para a maioria dos ministros do STF, a exigência de que o empregado comprove a relação entre a contaminação por coronavírus e o trabalho impõe uma "prova diabólica", ante a impossibilidade de se definir com precisão em qual circunstância a doença foi contraída.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

t

Em sessão plenária do último dia 29 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o entendimento do artigo 29 da medida provisória (MP) 927/20, tornando os afastamentos por contaminação pelo novo coronavírus de natureza ocupacional, quando, no referido dispositivo legal, o afastamento possui natureza não ocupacional, verificado o nexo causal.

De fato, para a maioria dos ministros do STF, a exigência de que o empregado comprove a relação entre a contaminação por coronavírus e o trabalho impõe uma "prova diabólica", ante a impossibilidade de se definir com precisão em qual circunstância a doença foi contraída. E assim inverteu o ônus da prova, deixando para o empregador a comprovação de que a doença não foi adquirida no ambiente de trabalho ou em razão dele. É de se perguntar: não seria também uma "prova diabólica" para a empresa?

Assim, é fundamental que as empresas estejam atentas ao cumprimento das orientações e recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das Autoridades Brasileiras, de modo a demonstrar a ausência de nexo causal entre a contaminação do empregado e o trabalho, mediante comprovação da adoção das medidas para o enfrentamento da pandemia.

Além disso, a recomendação é a distribuição de EPI's (Equipamentos de Proteção Individual) e ampla divulgação dos EPC's (Equipamentos de Proteção Coletiva), bem como manter atualizados os documentos que comprovem a eficiência preventiva dos riscos ambientais laborais (PPRA - Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais e o PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

Muito além da mera nomenclatura do benefício previdenciário a ser recebido pelo empregado, as consequências desta decisão do STF acabam por ocasionar um ônus previdenciário para as empresas no próximo ano, podendo agravar a contribuição ao Risco Ambiental de trabalho (RAT), gerando sobrecarga previdenciária em um momento de crise econômica.

Pela legislação vigente, as empresas devem recolher alíquotas básicas que variam de 1% a 3% sobre a folha de salários, conforme o grau de ocorrência de acidentes do trabalho. Sobre essas alíquotas básicas ainda incide um multiplicador, o qual pode agravar ou reduzir essas alíquotas, conforme o desempenho de cada empresa em relação aos afastamentos a que deram causa, comparado com o de outras empresas de mesma atividade. É o chamado Fator Acidentário de Prevenção (FAP), que varia anualmente de acordo com o histórico de acidentalidade verificado sobre os últimos dois anos.

Portanto, caso as empresas não consigam comprovar a ausência de nexo causal entre a contaminação pelo coronavírus e o trabalho, haverá majoração da tributação previdenciária em razão do impacto no cálculo do Fator Acidentário de Prevenção (FAP).

No entanto, é importante lembrar que a Lei de Benefícios da Previdência Social (lei 8.213/91) prevê em seu artigo 20, §1º, "d", que a doença endêmica está, como regra, excluída do conceito de doença do trabalho. A lei considera que uma doença é ocupacional apenas quando se comprova que a contaminação resultou de exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho.

Por fim, é recomendável que as empresas avaliem a possibilidade de, na hipótese de concessão de auxílio-doença acidentário aos trabalhadores afastados por covid-19, buscarem medida administrativa ou judicial com o fim de converter o benefício previdenciário em auxílio-doença comum. E isto porque os empregados contaminados pelo novo coronavírus, cujas empresas tenham adotado as medidas preventivas de contenção da doença de acordo com as normas internacionais e nacionais, não podem ser enquadrados como doentes ocupacionais.

_________

t*Ana Lúcia Pereira Tolentino é supervisora da Divisão de Consultoria do escritório Braga & Garbelotti - Consultores e Advogados.

Atualizado em: 31/7/2020 08:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Letícia Baddauy

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020
Valmir Pontes Filho

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004
Carla Domenico

Carla Domenico

Migalheira desde 2011
Diogo L. Machado de Melo

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008
Miguel Reale Júnior

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003
Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005
Marco Aurélio Mello

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Publicidade