segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A essencial atualização dos programas ocupacionais (PPRA, PCMSO e ASO)

A adequação dos documentos ocupacionais, além de garantir a proteção dos colaboradores, demonstra em eventual fiscalização que a empresa tem adotado todas as medidas necessárias de segurança para manter-se em funcionamento.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

t

Recentemente a Justiça do Trabalho determinou1 que importante empresa do setor automobilístico adote, em sua fábrica, medidas concretas de identificação e prevenção de riscos de acidente do trabalho, sob pena de multas em caso de descumprimento. A decisão é resultado de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) que teria constatado o prejuízo causado a diversos empregados que foram dispensados após o término da licença previdenciária concedida em razão de doenças relacionadas a atividades desempenhadas na fábrica da empresa.

O MPT-RJ iniciou investigações em 2012 com o propósito de demonstrar que a empresa não estaria incluindo os riscos ergonômicos em seu Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), em seu Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e em seus Atestados de Saúde Ocupacional (ASOs), o que dificultaria a apuração de eventuais doenças ocupacionais, bem como a sua relação com as atividades laborais exercidas.

O PPRA, a que se refere a norma regulamentadora 9 (NR-9), é um programa ocupacional cujo objetivo é a proteção da saúde e a integridade física dos trabalhadores, a partir de medidas de antecipação, reconhecimento, avaliação e controle dos riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho.

O PCMSO, por sua vez, previsto na norma regulamentadora 7, é voltado à saúde do trabalhador. Possui caráter prevencionista e tem como objetivo principal a promoção e a preservação da saúde dos trabalhadores. O programa deve ser elaborado em função dos riscos aos quais eles estarão submetidos durante o desempenho da sua atividade laboral. O nível de complexidade do programa dependerá dos riscos existentes em cada empresa, bem como das exigências físicas e psíquicas das atividades desenvolvidas e das características psicofisiológicas de cada população trabalhadora. 

O ASO, por outro lado, deverá ser emitido para cada exame médico realizado (admissional, periódico, mudança de funções, retorno ao trabalho, demissional) e deverá conter informações obrigatórias mínimas. Trata-se de um documento administrativo e deve ser emitido em duas vias: a primeira deve ficar arquivada no local de trabalho do trabalhador e à disposição da fiscalização do trabalho e a segunda deve ser entregue ao trabalhador, mediante recibo na primeira via.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) tem adotado o entendimento de que os programas e documentos ocupacionais devem integrar um conjunto de iniciativas das empresas no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores e devem estar articulados com o texto das demais normas regulamentadoras. Por esta razão, é imprescindível que todos os riscos existentes no ambiente de trabalho estejam refletidos na documentação, bem como sejam estabelecidas medidas de prevenção e mitigação e sejam determinados parâmetros objetivos para adequarem eventuais necessidades identificadas.

Sob tal racional, o MPT-SP2 distribuiu ação civil pública em 11.6.2020 contra empresa do seguimento de construção civil e pavimentação. Em investigação de acidente fatal iniciada em 2013, foi constatado que a empresa não respeitava as normas de segurança no trabalho, em especial a norma regulamentadora (NR) 35, que orienta o trabalho em altura. 

Entre os pedidos da ACP, o MPT-SP requer que a empresa seja condenada a elaborar programa de trabalho com indicações de planejamento, organização e execução adequados aos trabalhos realizados em altura, além de utilizar sistema de proteção contra a queda em projeto, montagem e utilização de sistema de ancoragem. A empresa, se condenada, também deverá declarar a capacitação e aptidão dos trabalhadores envolvidos nas tarefas em altura, por meio dos Atestados de Saúde Ocupacional (ASO), deverá apresentar e atualizar o Procedimento Operacional de trabalho em altura cotidiano, assim como documentação sobre o supervisor do trabalho em altura, sob pena de multa.

A sociedade evolui para o caminho da prevenção. As autoridades não fogem desse trilho. De cumprimento formal das normas regulamentadoras, busca-se identificar se os métodos e os sistemas internos são efetivos e capazes de evitar acidentes ou doenças profissionais. Exige-se, cada vez mais, dinamismo e atualização das empresas. 

Embora incerta inicialmente a ocorrência, e atualmente a duração, da pandemia de covid-19, ela insere-se nesse contexto. Se de um lado é questionável o viés ocupacional da doença, de outro é inafastável que as atuais atividades empresariais subjugam-se à universal necessidade de prevenção também contra o coronavírus. Por isso que, em reflexo do momento atual, protocolos internos de prevenção e de reação em caso de doença relacionada ao coronavírus devem existir e, enquanto o momento delicado perdurar, também devem estar refletidos em documentos como PPRA e PCMSO, instrumentos para garantir a proteção da saúde dos colaboradores.

A adequação dos documentos ocupacionais, além de garantir a proteção dos colaboradores, demonstra em eventual fiscalização que a empresa tem adotado todas as medidas necessárias de segurança para manter-se em funcionamento. Tais documentos poderão ainda ser de extrema importância em ações judiciais, em caso de adoecimento e/ou óbito de trabalhadores pela covid-19, já que poderão comprovar a implementação de protocolos de segurança recomendados pelas autoridades. Em cenário tão dinâmico e não corriqueiro, a adaptação rápida e eficiente é o melhor caminho a ser trilhado.

_________

1 Disponível aqui. Acesso em 28.7.2020, às 18h54min.

2 Disponível aqui. Acesso em 28.7.2020, às 18h49min.

_________

t*Alexandre Outeda Jorge é sócio de Pinheiro Neto Advogados.








t*Ariane Gomes dos Santos é associada de Pinheiro Neto Advogados.








t *Dérick Mensinger Rocumback é associado de Pinheiro Neto Advogados. 

  







*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. 

© 2020. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

 

Atualizado em: 31/7/2020 10:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Publicidade