quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Normas de saúde e segurança do trabalho em tempos de covid-19

Priscilla Cipriano Santos de Carvalho e Ricardo Calcini

Apesar da norma ter caráter obrigatório apenas para órgãos da Administração Pública, ela se destina a orientar também as atividades do setor privado, apresentando um conjunto de disposições a serem observadas por aqueles setores autorizados a funcionar de acordo com o plano de reabertura.

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

t

No último dia 19 de junho, foi publicada a portaria conjunta (Ministério da Economia/Secretaria Especial de Previdência e Trabalho) 20/20 que "estabelece as medidas a serem observadas visando à prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão da covid-19 nos ambientes de trabalho".

Apesar da norma ter caráter obrigatório apenas para órgãos da Administração Pública, ela se destina a orientar também as atividades do setor privado, apresentando um conjunto de disposições a serem observadas por aqueles setores autorizados a funcionar de acordo com o plano de reabertura.

Destaca-se, primeiramente, que a portaria incentiva a adoção do teletrabalho ou trabalho remoto sempre que possível, uma vez que, não obstante a necessidade de reabertura da economia, o vírus continua circulando no país.

Outro ponto relevante é a definição trazida pela portaria acerca de "caso confirmado", "caso suspeito" e a figura do "contatante" (pessoa que teve contato com outra suspeita ou confirmada da contaminação pelo covid-19), o que suscitava diversas discussões na seara trabalhista. A portaria, ainda, define o que deve ser efetivamente feito pelas empresas com relação a estes trabalhadores.

Considera-se caso confirmado o trabalhador com:

a)  Resultado de exame laboratorial, confirmando a covid-19, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde; ou

b)  Síndrome gripal ou Síndrome Respiratória Aguda Grave - SRAG, para o qual não foi possível a investigação laboratorial específica, e que tenha histórico de contato com caso confirmado laboratorialmente para a covid-19 nos últimos sete dias antes do aparecimento dos sintomas no trabalhador.

Já caso suspeito é o trabalhador que apresente quadro respiratório agudo com um ou mais dos sinais ou sintomas: febre, tosse, dor de garganta, coriza e falta de ar, sendo que outros sintomas também podem estar presentes, tais como dores musculares, cansaço ou fadiga, congestão nasal, perda do olfato ou paladar e diarreia.

E, por fim, contatante de caso confirmado da covid-19 o trabalhador assintomático que teve contato com o caso confirmado da covid-19, entre dois dias antes e quatorze dias após o início dos sinais ou sintomas ou da confirmação laboratorial, em uma das situações abaixo:

a)  Ter contato durante mais de quinze minutos a menos de um metro de distância;

b)  Permanecer a menos de um metro de distância durante transporte;

c)   Compartilhar o mesmo ambiente domiciliar; ou

d)  Ser profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso da covid-19, ou trabalhador de laboratório que manipule amostras de um caso da covid-19 sem a proteção recomendada.

E contatante de caso suspeito da covid-19 o trabalhador assintomático que teve contato com caso suspeito da covid-19, entre dois dias antes e quatorze dias após o início dos sintomas do caso, em uma das situações abaixo:

a)  Ter contato durante mais de quinze minutos a menos de um metro de distância;

b)  Permanecer a menos de um metro de distância durante transporte;

c)   Compartilhar o mesmo ambiente domiciliar; ou

d)  Ser profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso da covid-19, ou trabalhador de laboratório que manipule amostras de um caso da covid-19 sem a proteção recomendada.

Outrossim, a portaria também esclarece quem está no grupo de risco, sendo assim consideradas as pessoas que possuam as seguintes condições clínicas: cardiopatias graves ou descompensadas (insuficiência cardíaca, infartados, revascularizados, portadores de arritmias, hipertensão arterial sistêmica descompensada); pneumopatias graves ou descompensadas (dependentes de oxigênio, portadores de asma moderada/grave, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC); imunodeprimidos; doentes renais crônicos em estágio avançado (graus 3, 4 e 5); diabéticos, conforme juízo clínico, e gestantes de alto risco.

De mais a mais, outras medidas para prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão da covid-19 em ambientes de trabalho são trazidas pela portaria, tais como: higiene das mãos e etiqueta respiratória; distanciamento social; higiene, ventilação, limpeza e desinfecção dos ambientes; utilização de EPI's; e outros.

Pelo exposto, é importante e prudente que as empresas tomem conhecimento e coloquem em prática tais recomendações, uma vez que são responsáveis pela segurança do ambiente de trabalho. Valendo destacar, ainda, que o trabalhador que contrai a covid-19 no ambiente laboral sofre acidente do trabalho.

_________

t*Priscilla Cipriano Santos de Carvalho é advogada Trabalhista. Pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho pela EPD - Escola Paulista de Direito.





t*Ricardo Calcini
é mestre em Direito pela PUC/SP. Professor de pós-graduação em Direito do Trabalho da FMU. Palestrante e instrutor de eventos corporativos "in company" pela empresa Ricardo Calcini | Cursos e Treinamentos.

Atualizado em: 5/8/2020 08:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Publicidade