quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A recuperação judicial como alternativa à crise causada pelo coronavírus

Os dados indicam o tamanho do problema. O Produto Interno Bruto, PIB, nacional teve queda de 1,5% (um vírgula cinco por cento) no primeiro trimestre, e a produção industrial recuou 9% (nove por cento) em março/20 e 18,8% (dezoito vírgula oito por cento) em abril/20. Por fim, o Ministério da Economia prevê recuo de 4,7% para o ano de 2020.

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

t

Com a turbulência causada pelo espalhamento do coronavírus pelo país, os chefes dos poderes executivos, seja Federal, Estadual ou municipal, na tentativa de conter a covid-19, optaram por aplicar, em diferentes graus, medidas de isolamento social tais como a paralisação de maioria dos setores do comércio e a recomendação de teletrabalho no caso daqueles que tenham possibilidade de desenvolver suas atividades de maneira remota.

Além disso, em tempos de incerteza, como o que o país atravessa, é natural que as pessoas consumam e gastem menos, o que também afeta fortemente a economia.

Os dados indicam o tamanho do problema. O Produto Interno Bruto, PIB, nacional teve queda de 1,5% (um vírgula cinco por cento) no primeiro trimestre, e a produção industrial recuou 9% (nove por cento) em março/20 e 18,8% (dezoito vírgula oito por cento) em abril/20. Por fim, o Ministério da Economia prevê recuo de 4,7% para o ano de 2020.

Diante dessa conjuntura de recessão, e de uma possível depressão econômica, é necessário que as empresas estejam atentas aos seus balanços. Um balanço negativo pode desencadear eventos que comprometem a sua estabilidade. Uma luz amarela acende e não é raro que a empresa aumente as suas dívidas para voltar à normalidade. O endividamento que se constitui como a solução, apenas aumenta o problema, até que a empresa não tenha mais acesso ao crédito. Há alguns modos de sair desse arriscado círculo vicioso, antes que a situação se torne insustentável.

Um desses modos é a Recuperação Judicial, que surge como uma boa alternativa para a superação da crise, para a reestruturação da empresa e para o cumprimento de obrigações, evitando a quebra.

O que é recuperação judicial?

Afinal, o que é Recuperação Judicial? A Recuperação Judicial é um instituto jurídico criado com a intenção de permitir a reorganização econômico-financeira de uma empresa.

Via de regra, a empresa precisa passar pelo processo de Recuperação Judicial quando suas dívidas superam sua receita, de modo que o cumprimento de suas obrigações se torna inviável.

Plano de recuperação judicial

Para viabilizar o cumprimento das obrigações dessas empresas, a Lei de Recuperação Judicial, lei 11.101/05, determina, caso o pedido de processamento seja deferido, a apresentação de um Plano de Recuperação Judicial, no qual a empresa detalhará os meios que pretende utilizar para superar a crise.

Em seu art. 50, a LREF, traz exemplos de meios que a empresa pode utilizar para se recuperar, sendo o mais comum a concessão de prazos maiores e condições especiais para o pagamento de dívidas, podendo, no entanto, se valer de quaisquer outros meios, desde que sejam lícitos e haja a concordância dos credores.

Junto com a determinação para apresentar o Plano de Recuperação Judicial, o Juiz também determinará a suspensão, por 180 (cento e oitenta) dias, das ações e execuções existentes contra a Recuperanda.

Esse prazo, normalmente, é utilizado para que a empresa em Recuperação Judicial renegocie suas dívidas junto aos credores, buscando a aprovação do Plano de Recuperação Judicial elaborado.

Aprovação do plano de recuperação judicial

Uma vez aprovado e homologado o Plano de Recuperação Judicial, o cumprimento desse plano será fiscalizado, pelo Poder Judiciário, por 2 (dois) anos e eventual descumprimento implicará na falência da empresa em Recuperação Judicial.

Após esse período, caso o plano tenha sido cumprido, a empresa concluirá sua Recuperação Judicial, surgindo perante o mercado como uma empresa capaz de honrar seus compromissos.

_________

t*João Pedro Louzada é advogado especialista em Recuperação Judicial no escritório GVM | Guimarães & Vieira de Mello Advogados. Experiência na área de Direito Civil e Recuperação Judicial. Formado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-graduado em Direito Processual Civil pela FUMEC.

Atualizado em: 20/8/2020 08:22

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Publicidade