terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Necessidade de observância de ordem cronológica para pagamentos de créditos do Poder Público

O administrador público seleciona, por critérios próprios - que podem ser bem-intencionados - quais credores deverão receber primeiro, contrariando o que determina expressamente a lei.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

t

Um grave problema que assola a classe empresarial brasileira, que contrata com o Poder Público, é a falta de obediência da ordem cronológica para pagamentos por parte da Administração, que, por vezes, escolhe a ordem de adimplemento dos pagamentos dentre os créditos já reconhecidos pelos serviços efetivamente prestados ou bens devidamente fornecidos, sem respeitar a ordem cronológica das exigibilidades.

Em outras palavras, o administrador público seleciona, por critérios próprios - que podem ser bem-intencionados - quais credores deverão receber primeiro, contrariando o que determina expressamente a lei. Ocorre que os pagamentos deveriam acontecer observando a ordem cronológica, consoante disciplina o art. 5º da lei 8.666/93. Confira-se:

"Art. 5º Todos os valores, preços e custos utilizados nas licitações terão como expressão monetária a moeda corrente nacional, ressalvado o disposto no art. 42 desta Lei, devendo cada unidade da Administração, no pagamento das obrigações relativas ao fornecimento de bens, locações, realização de obras e prestação de serviços, obedecer, para cada fonte diferenciada de recursos, a estrita ordem cronológica das datas de suas exigibilidades, salvo quando presentes relevantes razões de interesse público e mediante prévia justificativa da autoridade competente, devidamente publicada."

Apesar da clareza do dispositivo legal aqui mencionado, a prática sempre foi conhecida e é considerada corriqueira.

Com efeito, independente dos motivos do gestor público, a escolha do credor para receber a justa contraprestação não pode ocorrer conforme seu juízo de valor, devendo ser pautada por elemento objetivo claro, qual seja: a ordem cronológica.

Não por outra razão, durante a I Jornada de Direito Administrativo, realizada pelo Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CEJ/CJF), ocorrida entre os dias 3 e 7 de agosto de 2020, onde foram aprovados 40 enunciados, foi debatido e deliberado que a ordem cronológica de pagamentos deveria ser obedecida, cabendo inclusive Mandado de Segurança para a observância da regra. Confira-se:

"Cabe mandado de segurança para pleitear que seja obedecida a ordem cronológica para pagamentos em relação a crédito já reconhecido e atestado pela Administração, de acordo com o art. 5º, caput, da Lei n. 8.666/1993." (Enunciado 35)

O referido enunciado é de grande relevância pois ratifica o direito dos contratados a receber pela ordem cronológica e não por questões de oportunidade do Poder Público. O enunciado está em consonância com a jurisprudência recente (vide TJAL, Ac 0729687-88.2016.8.02.0001, DJe: 18/8/20 e TRF-1, Ac 1005045-60.2015.4.01.3400, DJe: 2/9/20).

A não observância da ordem cronológica dos pagamentos ocorre em caráter excepcionalíssimo, diante apenas de situações com relevante interesse público (ex.: credor portador de moléstia grave, TRT 17ª Região, MS 0017200-70.2013.51.7.0000, DJe: 26/8/13 ou até o pagamento de empresa que presta serviço essencial para a Administração) e com prévia publicação de sua justificativa.

Antes do enunciado, o que verificávamos era a banalização do argumento de interesse público, sem a devida fundamentação, tornando o que era exceção em regra e, com isso, a ordem cronológica dos pagamentos pela Administração Pública foi dando espaço ao pagamento por critérios próprios e totalmente discricionários.

O enunciado 35 trouxe de volta o devido valor aos princípios da segurança jurídica, moralidade e probidade administrativa, tendo em vista que assevera a plena eficácia ao art. 5º da Lei geral de Licitações, garantindo, agora por meio de Mandado de Segurança, a utilização de um critério objetivo, e coibindo a prática de corrupção por meio de favorecimento de credores.

Com uma grande quantidade de determinações judiciais, o Enunciado intensifica a necessidade de observância, pela Administração, do direito de a contratada receber conforme ordem cronológica pela justa contraprestação por bens e serviços devidamente reconhecidos e tomados pelo Poder Público.

__________

t*Tiago Miranda Neves Baptista é acadêmico de direito na UNICAP. Membro-colaborador da Comissão de Direito à Infraestrutura da OAB/PE. Colaborador do escritório da Fonte, Advogados.




t*Carolyne da Frota Cavalcante é advogada do escritório da Fonte, Advogados. Pós-graduanda no curso de LLM de Regulação e Infraestrutura da Católica Bussiness School. Membro da Comissão de Direito à Infraestrutura da OAB/PE.

Atualizado em: 17/9/2020 08:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade