quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Mediação: repercussões na advocacia e no Poder Judiciário

A mediação foi pensada como um instrumento de solução de controvérsia que é escolhido de acordo com o tipos de processo, tendo como base o Princípio da Adequação.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

t

A cultura da Mediação vem se consolidando no Brasil, sobretudo com o advento da lei 13.140/15, que dispõe sobre a Mediação como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos, seja no âmbito judicial ou extrajudicial.

Dentro desse contexto, existem pontos que merecem ser desmistificados, à exemplo: (i) os impactos do Instituto na Advocacia; e (ii) a sua utilização para "desafogar"o Poder Judiciário.

Acerca dos impactos da Mediação na Advocacia, podemos trazer à baila que processos judiciais que discutem questões empresarias ou que tratam de questões  sucessórias, com várias partes envolvidas (sendo que cada uma destas possuem interesses próprios e divergentes), podem se valer da Mediação como uma ferramenta eficaz para solucionar as controvérsias postas à apreciação do Poder Judiciário.

Entretanto, é importante destacar que a Mediação não retira o trabalho do advogado e, do mesmo modo, não tem a pretensão de substituir o processo judicial. Tanto é assim que o próprio Código de Processo Civil prevê a obrigatoriedade da presença do advogado na sessão de Mediação (intelecção do art. 334, §9º do CPC).

É preciso, porém, que a advocacia (sentido latu sensu) esteja preparada para absorver o Instituto da Mediação. Em outras palavras, é imprescindível que o advogado assimile essa abordagem transformativa que a Mediação traz, concedendo aos envolvidos protagonismo e autonomia (dentro dos ditames legais), através do diálogo.

Em regra, no exercício da advocacia está arraigada a cultura da litigiosidade. Na sessão de mediação, porém, o advogado deverá adotar uma postura consultiva e colaborativa.

De outro lado, o Código de Processo Civil deu ênfase à Mediação. Nesse particular, o disposto no artigo 3º, §3º do CPC:

Art. 3º Não se excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito.
(...)
§ 3º A conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial.

É importante ter claro que a Mediação - instituto que contém Princípios e Metodologias próprios1, não seja utilizada apenas como ferramenta para "desafogar" o Poder Judiciário --- definitivamente esta não é a sua missão.

A Mediação "é definida acima de tudo como um processo de comunicação ética baseada na responsabilidade e autonomia dos participantes, em que um terceiro - imparcial, independente e neutro, tendo como a única autoridade o reconhecimento dos parceiros - promove, através de entrevistas confidenciais, o estabelecimento, o restabelecimento do vínculo social (...)."2

A Mediação foi pensada como um instrumento de solução de controvérsia que é escolhido de acordo com o tipos de processo, tendo como base o Princípio da Adequação. Nesse sentido, o "esvaziamento" do Poder Judiciário traduz-se como uma consequência e não o motivo para existência e/ou utilização do Instituto.

Frente a todas as colocações expostas, é imprescindível entender a Mediação como um Instituto constituído e consolidado, sendo certo que os profissionais (sobretudo os da área do direito), assim a vejam, entendendo-a com excelência e cuidado na sua aplicação, utilizando-se, sempre, a ética.

__________

1- Leia o Artigo Conheça a Mediação.

2- HOFNUNG - Michèle Guillaume, A Mediação, Belo Horizonte, 2018, Editora RTM - Mário  Gomes da Silva, p. 82.

____________

*Luana Otoni de Paula André é advogada sócia de Homero Costa Advogados.

*Maria Eduarda Guimarães de Carvalho Pereira Vorcaro é advogada sócia de Homero Costa Advogados.

 

Atualizado em: 24/9/2020 08:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Publicidade