quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Entrada em vigor da LGPD estimula economia digital e investimento estrangeiro no país

A LGPD coloca o Brasil em ótima posição internacional, posto que demonstra seu alinhamento às melhores práticas do mundo, resultando em um fluxo de dados menos burocrático e atraindo maiores investimentos externos.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

t

A entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) em 18 de setembro, após sanção presidencial e inúmeras discussões normativas, traz perspectivas futuras positivas para o país. Entre as consequências da nova regulamentação estão a maior proteção de dados pessoais e o fomento à economia digital.

Além disso, a LGPD coloca o Brasil em ótima posição internacional, posto que demonstra seu alinhamento às melhores práticas do mundo, resultando em um fluxo de dados menos burocrático e atraindo maiores investimentos externos.

A lei não busca impedir a utilização de dados pessoais; seu objetivo é regulamentar o tratamento dessas informações. E vem em boa hora, haja visto o gigantesco volume de negócios atingido com a revolução tecnológica, uma realidade escancarada pela pandemia da covid-19 - e a quantidade igualmente gigantesca de dados que eles envolvem.

A despeito dos dados pessoais e sua devida proteção já terem sido previstos no Código de Defesa do Consumidor (lei 8.078/90), Lei do Cadastro Positivo (lei 12.414/11), bem como no Marco Civil da Internet (lei 12.965/14), a demanda por uma regulamentação específica ainda era ambicionada pela comunidade em geral.

A lei visa conciliar novos modelos de negócios pautados em dados pessoais com a proteção efetiva destas informações. A ideia é conciliar direitos e garantias fundamentais do art. 5º, inc. X da Constituição Federal, como proteção à privacidade, intimidade, direitos de personalidade e que se traduzem na espécie desse gênero em proteção e dados pessoais, bem como a livre concorrência e livre iniciativa.

A importância da Lei para o Brasil pode ser destacada em alguns pontos: segurança jurídica com a harmonização e atualização de conceitos, que elevará a proteção aos direitos individuais das pessoas e o fomento da economia digital; investimentos estrangeiros proporcionados pelo posicionamento do país em nível legislativo de proteção de dados compatível com o de outros países, facilitando a transferência internacional de dados; criação de uma cultura de proteção de dados pessoais; e a instituição da Agência Nacional de Proteção de Dados, que atuará em construção colaborativa com a sociedade civil.

Por dado pessoal entende-se toda informação que identifica ou torna identificável uma pessoa natural (nome, CPF, RG, data de nascimento). A LGPD traz ainda a definição de dado pessoal sensível no seu art. 5º ­- em linhas gerais, toda e qualquer informação de origem racial e étnica, preferência política, religiosa e filosófica, orientação sexual, filiação a sindicato, dados de saúde, genéticos e biométricos.

Vejam que a lei não proíbe o tratamento dos dados sensíveis, mas sim estipula seu manuseio com a cautela necessária. Lidar com estas informações demanda atenção e cuidado muito maiores, na medida em que um eventual incidente de segurança tem potencial danoso muito maior.

É natural que o vazamento de dados como NOME e CPF acarrete um risco. Um incidente que revele NOME, CPF e UMA DOENÇA GRAVE, contudo, é muito mais prejudicial. Assim, a LGPD exigirá adequação por parte de toda empresa ou mesmo profissional autônomo cuja atividade inclua o manuseio de dados pessoais (médico, advogado, dentista, contador etc.).

A lei prevê a possibilidade de que os titulares de dados solicitem, inclusive judicialmente, atualizações sobre como suas informações pessoais são tratadas - ou até mesmo o fim de qualquer tipo de tratamento.

O legislador se preocupou em adotar um regime de troca de informações transparentes, garantindo, aos titulares, informações claras, precisas e facilmente acessíveis sobre a realização do tratamento e os respectivos agentes de tratamento.

Afora os direitos acima descritos, certo é que em eventual incidente de vazamento de dados pessoais, haverá responsabilidade a ser imputada ao controlador, com a necessária notificação. Resta saber que sanções poderão ser aplicadas, dado que órgãos setoriais e o Poder Judiciário poderão fundamentar seus atos com base na LGPD para aplicar medidas administrativas e condenações por responsabilidade civil.

Neste primeiro momento, porém, as sanções administrativas não poderão ser aplicadas com base na LGPD, visto que a lei 14.010/20 (Lei da Pandemia) adiou as penalidades para 1º de agosto de 2021.

Outrossim, todo aquele que tratar dados pessoais deverá fazê-lo com base legal, cuja previsão encontra-se no artigo 7º da lei. O consentimento do titular, que antes era suficiente para o tratamento de dados, agora não caminha sozinho. O controlador poderá fundamentar sua base de dados em alguma das hipóteses do artigo 7º da lei, podendo inclusive, cumular base legais.

A realidade no tratamento de dados pessoais deverá se adequar às regras da referida lei. Com a instauração da ANPD, seu Conselho Consultivo e respectiva regulamentação da LGPD, a expectativa é que tenhamos a necessária e almejada segurança jurídica, viabilizando a plena utilização da LGPD.

_________

t*Rafael Rotundo é advogado e integra a equipe do Luz Moreira Advogados.

Atualizado em: 24/9/2020 10:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade