terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Possíveis implicações da desistência da reforma tributária no RS

Os contribuintes devem ficar atentos à observância do princípio da anterioridade nas próximas medidas a serem propostas pelo Governo.

quarta-feira, 30 de setembro de 2020

t

Diante da falta de apoio e impopularidade do Projeto de Reforma Tributária em seu texto original, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul apresentou Emenda para discussão na Assembleia Legislativa.

Das principais alterações que foram previstas, destacam-se: a instituição de uma alíquota intermediária de ICMS de 12%; a manutenção, para 2021, isenção dos produtos da cesta básica de alimentos e das alíquotas atualmente incidentes sobre o Diesel e GNV; instituição da alíquota progressiva do IPVA por potência e a retirada da contribuição adicional dos insumos agrícolas destinada ao Fundo Devolve ICMS.

Contudo, poucos dias depois da apresentação da Emenda, o Governo anunciou a apresentação de pedido de retirada de tramitação na Assembleia dos três projetos de Lei que integravam a Proposta. O pedido foi aprovado, em votação sumária realizada pelos deputados nesta quarta-feira (dia 23/9).

Diante deste cenário, os contribuintes devem ficar atentos à observância do princípio da anterioridade nas próximas medidas a serem propostas pelo Governo. 

Isso porque a majoração de tributos -  mesmo que pela revogação de benefícios fiscais -  deve observar o princípio da anterioridade nonagesimal, que prevê que só podem ser cobrados tributos após noventa dias da data em que publicada Lei que os instituiu ou aumentou, e no exercício financeiro seguinte.

Assim, uma nova proposta de Reforma deve ser votada até o dia 30 de setembro, para que possa produzir efeitos a partir de 1º janeiro de 2021.

Neste contexto, a alternativa que se mostra mais provável parece ser a prorrogação da majoração da alíquota de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica e telecomunicações (30%) e a manutenção da alíquota geral no patamar de 18%, aprovada em 2016.

Por se tratar de manutenção do regime atual, tal proposta poderá ser aprovada em Plenário até o dia 30 de dezembro (porque o prazo da majoração se encerra no dia 31/12/20), para que passe a valer a partir de 1º de janeiro de 2021.

_____________ 

t*Manoela Siqueira Neumann é advogada do escritório Andrade Maia Advogados, especializada em Direito Tributário. Pós-Graduada em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários - IBET e graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Atualizado em: 1/10/2020 16:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Caio César De Oliveira

Migalheiro desde 2011

Bruno Caruso

Migalheiro desde 2020

Socorro Maia Gomes

Migalheira desde 2013

Gabriel Moreira

Migalheiro desde 2020

Kleber Luiz Zanchim

Migalheiro desde 2009

Karolinne Brasil Barreto

Migalheira desde 2018

Henrique Cunha Barbosa

Migalheiro desde 2017

Gustavo Alvarenga

Migalheiro desde 2011

Rodrigo Toler

Migalheiro desde 2019

Publicidade