terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Economia política e inflação

O que nos espera em 2021? O presidente Jair Bolsonaro será capaz de nos dizer?

terça-feira, 6 de outubro de 2020

O primeiro contato com a Economia Política aconteceu na primeira série da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, quando adquiri o Compêndio d'Economia Política do professor francês Carlos Gide, obra que à época alcançou sucesso. Foram 25 edições com o total de 100 mil exemplares, que proporcionaram ao autor o Prêmio Goncourt. Carlos Gide situava como objeto da Economia Política "aquelas relações, dos homens em sociedade, que conduzem à satisfação de suas necessidades, ao seu bem estar e que dependem da posse de objetos materiais" (Ed. Globo, PA, 1953, pág. 4). Para Adam Smith, o escocês autor do clássico A Riqueza das Nações, a Economia Política visa "enriquecer tanto o povo como o soberano" (Editora Abril Cultural, SP, 1983, vol. I, pág. 357)

É curioso observar a quase total ausência de referência ao fenômeno da inflação na obra de Gide. Apesar de volumosa não se detém na análise do processo inflacionário que devastou a Alemanha após o término da primeira guerra mundial. Em breves linhas o autor escreveu apenas que "Ao contrário do que se disse, a guerra 1914-1918 não demonstrou a inanidade das previsões da Economia Política; mas geralmente as confirmou, como na inflação, prodigiosamente ampliadas"

Entre nós o professor Mário Henrique Simonsen publicou o livro "A experiência inflacionária no Brasil" (Ed. Instituto de Pesquisas Sociais - IPÊS/GB, 1964) em 1964, Escreveu Simonsen que "Um dos aspectos mais curiosos da História Econômica do Brasil reside na tendência secular à alta de preços, registrada desde os primeiros anos do Império". Para ele "a raiz sócio-política da inflação brasileira se pode encontrar na incompatibilidade da política distributiva do Governo. Os diferentes grupos sociais mostram-se insatisfeitos com a sua participação e o Governo, para aplacá-los, tenta dividir o Produto em partes de soma superior ao todo". A revolução das aspirações crescentes, como a denominou Simonsen, alimentada por grupos sociais insatisfeitos com a pobreza, "tende a reivindicar melhorias de padrão de vida muito mais rápidas do que as que seriam permitidas pelo aumento da produtividade. Todo o mundo se convence honestamente de que seu salário é injusto e não dá para viver" (pág. 15).

A geração do Plano Real (1994) não conheceu a inflação galopante das décadas de 1960, 1970, 1980, caracterizadas pelo contínuo aumento de preços e trocas incessantes de aviltadas moedas. Para não ir longe, em 1983, no governo do presidente João Figueiredo, sendo Ernani Galveas Ministro da Fazenda e Delfin Netto Ministro do Planejamento, o Brasil entrou em recessão, o desemprego explodiu e a inflação alcançou 235%. O presidente José Sarney, após o malogro de quatro planos econômicos, transmitiu o governo a Fernando Collor em março de 1990 com a inflação acumulada em 12 meses de 1.782,90%.   

 Afinal, o que é inflação? O economista Helmuth Frisch admite que "no existe una definición de aceptación general". Por esse motivo se utiliza de enunciado simples: "La inflación es um processo de elevación continua de los precios, o de disminuición continua del valor de dinero" (Laidlery Parkin, 1975)" (Teorias de la inflación, Alianza Editorial, Madri, 1988, pág. 15), Com efeito, a elevação dos preços reduz o poder aquisitivo do dinheiro e torna obrigatório dispor de quantias cada vez maiores para aquisição da mesma quantidade do produto. Durante os anos de inflação galopante todos tentavam se proteger contra a desvalorização da moeda. Ao receber o salário o trabalhador corria ao próximo supermercado para lotar o carrinho com aquilo que conseguisse comprar. Perder um dia causava-lhe imenso prejuízo. Chegamos a conhecer o overnight e a escala móvel de salários (gatilho), embutida no Plano Cruzado I (26/2/1986) por sugestão minha, quando Ministro do Trabalho.

Do longo período dominado pela inflação colhemos preciosos ensinamentos. O primeiro consiste na inutilidade do congelamento de preços. As tentativas levadas a efeito nos planos Cruzado I, Cruzado II, Bresser e Verão, resultaram no desabastecimento de gêneros de primeira necessidade, seguido pela elevação incontrolável dos preços e veloz retorno da inflação.  O segundo na impossibilidade de solucionar crise econômica com remendos e enxertos na legislação.

O Covid-19 desnudou a realidade. A crise que se avolumava desde o governo Dilma Roussef ganhou proporções jamais conhecidas. A indústria e o comércio paralisados, milhões de desempregados, subocupados e desalentados, vivendo abaixo da linha da pobreza, à espera de minguado auxílio-emergencial.

À falta de planejamento o governo apela para a retórica. Tendo mais da metade do mandato pela frente, se ocupa com a reeleição. A inflação é doença degenerativa que desconhece vacina. Tem preferência por economias secundárias, debilitadas pela corrupção, politicamente instáveis, caracterizadas pela insegurança jurídica. O que nos espera em 2021? O presidente Jair Bolsonaro será capaz de nos dizer?

___________

t*Almir Pazzianotto Pinto é advogado. Foi Ministro do Trabalho e presidente do Tribunal Superior do Trabalho.

t


Atualizado em: 6/10/2020 07:50

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Publicidade