segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

É preciso adaptar as sociedades e as associações ao novo Código Civil?

José Gabriel Assis de Almeida

No próximo dia 10 de janeiro de 2004 termina o prazo para as sociedades por quotas, de responsabilidade limitada, as sociedades civis e as associações se adaptarem ao novo Código Civil.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2004

 

É preciso adaptar as sociedades e as associações ao novo Código Civil? 

 

José Gabriel Assis de Almeida*

 

No próximo dia 10 de janeiro de 2004 termina o prazo para as sociedades por quotas, de responsabilidade limitada, as sociedades civis e as associações se adaptarem ao novo Código Civil.

 

Cumpre destacar que, caso não haja adaptação, as sociedades e associações passam a ser consideradas em situação irregular, o que acarretará a responsabilidade pessoal e ilimitada dos administradores dessas sociedades, por infração à lei (arts. 1.011 e 1.016 c/c arts. 1.053 e 2.031). Acresce que, não havendo a adaptação, as sociedades poderão ser consideradas irregulares, ou seja, sociedades em comum, tornando os sócios pessoal e ilimitadamente responsáveis pelas atividades desenvolvidas pelas sociedades.

 

Certo é que há uma corrente que sustenta não ser necessária a adaptação das sociedades e associações, pois as mesmas estariam protegidas pelo dispositivo da Constituição da República, segundo o qual a lei nova, no caso o novo Código Civil, não pode modificar o direito adquirido e o ato jurídico perfeito (ou seja, os contratos sociais destas sociedades). Esta corrente encontra apoio na decisão do Supremo Tribunal Federal, proferida na ADIN 493/0-DF (25/06/92): "Se a lei alcançar efeitos futuros de contratos celebrados anteriormente a ela, será essa lei retroativa (retroatividade mínima) porque vai interferir na causa, que é um ato ou fato ocorrido no passado. O disposto no art. 5°, XXXVI, da CF se aplica a toda e qualquer lei infraconstitucional, sem qualquer distinção entre lei de direito público e lei de direito privado, ou entre lei de ordem pública e lei dispositiva".

 

No entanto, esta corrente não nos parece totalmente segura, eis que, por um lado, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é firme no sentido de não haver direito adquirido a um regime jurídico. A este respeito o Supremo Tribunal Federal já decidiu, no RE 105.137 (31/05/85): "Não há direito adquirido a um determinado padrão monetário pretérito, seja ele o mil réis, o cruzeiro velho ou a indexação pelo salário mínimo. O pagamento se fará sempre na moeda definida pela lei no dia do pagamento".E, mais recentemente, o mesmo Supremo Tribunal Federal foi taxativo, no RE 226.855 (31/08/00): "O FGTS, ao contrário do que sucede com a caderneta de poupança, não tem natureza contratual, mas sim estatutária, por decorrer de Lei e por ela ser disciplinado. Assim, é de aplicar-se a ele a firme jurisprudência desta Corte no sentido de que não há direito adquirido a regime jurídico".

 

Ora, é possível sustentar que o regime jurídico das sociedades por quotas, de responsabilidade limitada, das sociedades civis e das associações foi extinto pelo novo Código Civil e que um novo regime foi instituído por este diploma legal.  Deste modo, haveria a necessidade de se proceder à adaptação das sociedades ao novo regime.

 

Por outro lado, parece-nos que, salvo em hipóteses excepcionais, não se justifica o risco. Com efeito, uma decisão final do Supremo Tribunal Federal sobre a necessidade ou não de adaptação somente ocorrerá no mínimo após 3 ou 4 anos de vigência do novo Código Civil. Deste modo, se o Supremo Tribunal Federal decidir pela obrigatoriedade da adaptação, aos sócios poderá ser imputada responsabilidade pessoal e ilimitada pelas atividades da sociedade durante esse período, eis que a mesma será considerada uma sociedade em comum.

 

Acresce que a maior parte dos pontos polêmicos relativos ao novo regime das sociedades e associações já se encontram, se não solucionados, pelo menos identificados. Deste modo, é possível aproveitar a adaptação das sociedades por quotas, de responsabilidade limitada, das sociedades civis e das associações para inserir nos contratos sociais das duas primeiras e nos estatutos da última, as disposições necessárias para garantir a harmonia entre os sócios ou entre os associados e a tranquilidade de todos nas relações com terceiros.

 

A este propósito, cumpre assinalar que os principais pontos sobre os quais deve ocorrer a adaptação dizem respeito ao sistema de deliberações sociais, às normas relativas à administração, e às disposições sobre a exclusão, a retirada, a falência ou a morte de sócio.

 

Alguns exemplos demonstram a importância da adaptação, face às modificações introduzidas pelo novo Código Civil. No regime atual, qualquer modificação do contrato social, inclusive a nomeação de gerentes da sociedade, é deliberada pelo voto dos sócios titulares de 50% + 1 do capital social. De acordo com o regime do novo Código Civil, a modificação do contrato social passa a depender do voto dos sócios titulares de pelos menos 75% do capital social.

 

Um outro exemplo é relativo à administração da sociedade, que passa a ser exercida apenas por pessoas físicas, cabendo salientar que a nomeação de terceiro (não sócio) como administrador depende da aprovação da totalidade dos sócios ou de 2/3 dos sócios, consoante a situação. Por outro lado, o sócio nomeado, no contrato social, como administrador somente pode ser destituído pelo voto de 2/3 do capital social.

 

Um terceiro exemplo é claríssimo. As sociedades civis, previstas no Código Civil anterior, simplesmente desapareceram. O novo Código Civil não prevê a existência das sociedades civis. Assim, as atuais sociedades civis devem adaptar-se, transformando-se em sociedades limitadas (se exercerem atividade empresarial) ou em sociedades simples (se a sua atividade não tiver cunho empresarial).

 

Acresce que o novo Código Civil também modifica profundamente o regime da participação dos sócios estrangeiros nas sociedades por quotas, de responsabilidade limitada brasileiras, obrigando a alguma adaptação no contrato social destas sociedades.

 

Em virtude de tudo o que fica exposto acima, é dever de alertar sobre a necessidade e a utilidade da adaptação das sociedades por quotas, de responsabilidade limitada, das sociedades civis e das associações.

 

Cabe ainda alertar para a utilidade de se realizar, desde logo, a referida adaptação. Com efeito, dado o acréscimo de trabalho que será gerado ao longo do mês de Janeiro de 2004, provavelmente as Juntas Comerciais e os Registros Civis de Pessoas Jurídicas, apesar de todo o empenho, terão dificuldade de arquivar/registrar, com celeridade, os instrumentos de adaptação.

 

Ora, a exibição de um contrato social ou de um estado regularmente arquivado/registrado é condição indispensável para a prática de inúmeros atos da vida corrente das sociedades e associações, desde a simples abertura de conta corrente em banco até à assinatura de contratos.

 

Deste modo, é importante que os empresários, desde logo, tomem as medidas cabíveis para evitar os transtornos que poderão dificultar, e muito, o exercício da sua atividade em 2004.

 

______________

 

* Advogado do escritório Siqueira Castro Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

______________

Atualizado em: 8/1/2004 07:29

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Publicidade