quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Ética no trabalho, sem assédios

O assédio no ambiente de trabalho, inserido nas relações de poder, é prática há muito conhecida.

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

A estruturação das relações pessoais nas empresas cada vez mais deve fortalecer algo fundamental para o desenvolvimento de qualquer agrupamento social: a convivência e, nesse contexto, a ética precisa ser valorizada

Houve um tempo que se uma pessoa fosse questionada sobre se era feliz no trabalho, provavelmente a questão não seria compreendida. Feliz no trabalho?! Ora, trabalho significava obter o sustento, sinônimo de algo penoso, portanto, não era espaço para a felicidade, afinal, "trabalho é trabalho".

Sem entrar na discussão do que seria ser feliz, a verdade é que evoluímos, as novas gerações, os chamados "millennials" assumiram uma outra postura e passaram a valorizar a busca de realização pessoal que vai além da remuneração. Respeito, oportunidade, flexibilidade passaram a ser relevantes, aliás, realizar um trabalho com significado, com propósito, tem sido identificado por pesquisadores como um fator de atração e retenção de talentos.

A estruturação das relações pessoais nas empresas cada vez mais deve fortalecer algo fundamental para o desenvolvimento de qualquer agrupamento social: a convivência e, nesse contexto, a ética precisa ser valorizada. O respeito deve ser enaltecido e o contraponto, os assédios - moral, com a ação vexatória contínua ocasionando humilhação e constrangimento e o sexual, com insinuação indesejada - têm que ser combatidos, pois representam comportamentos nocivos para um relacionamento laboral produtivo, ferindo a dignidade e a integridade das pessoas. Da mesma forma a chamada "liderança tóxica" foi apontada por pesquisa da consultoria BambooHR como uma das causas mais relevantes de pedidos de demissão (cerca de 44%) e acarretam a  perda de motivação ao não reconhecerem as qualidades; o estelionato profissional (não dar crédito pelas conquistas); a falta de confiança; promoções sem merecimento e exigências descabidas.

Essa liderança tóxica e a prática dos assédios deflagram sérios danos à saúde dos trabalhadores, afetando a qualidade e os resultados das empresas e aumentam o contencioso trabalhista.

O assédio no ambiente de trabalho, inserido nas relações de poder, é prática há muito conhecida, porém, começou a ser aprofundado no Brasil com a publicação da dissertação de mestrado "Uma jornada de Humilhações", da médica do trabalho Margarida Barreto, no início do século.

Não obstante a alta relevância, ainda não temos uma legislação federal que tipifique o assédio moral (o sexual está no art. 216-A do Código Penal) e a jurisprudência da justiça laboral tem procurado superar essa lacuna. Na verdade, poucos países têm leis específicas sobre esse desvio de conduta: Estados Unidos, França e Argentina são alguns deles.

No Brasil, até que tenhamos uma legislação, recorre-se aos princípios constitucionais, como o da dignidade humana, e às normas do Código Civil relativas à indenização por danos morais. Há também o artigo 483 da CLT, que prevê a possibilidade de rescisão indireta a ser solicitada pelo assediado. Já o Estatuto do Servidor (lei 8.112/90) determina que o ambiente de trabalho deve ser saudável e ético.

Por ser matéria nova no campo jurídico e pela subjetividade do fenômeno do assédio, especialmente o moral, as vítimas sentem-se desamparadas, inseguras e até intimidadas para denunciarem.

A dificuldade de comprovar os fatos, a vergonha e o medo de retaliação futuras são alguns dos fatores que impedem que os colaboradores sigam adiante e se defendam. Ainda assim, os números do assédio são alarmantes: apenas no ano de 2018 mais de 56 mil novas ações relacionadas ao assédio moral foram ajuizadas no Brasil; o Tribunal Superior do Trabalho aponta que o assédio moral foi a principal denúncia dos colaboradores brasileiros nos últimos dez anos; a ICTS Outsourcing informa que sete em cada dez empresas recebem relatos dessa natureza por canais de denúncia e o Ministério da Saúde indica que os transtornos mentais já são a terceira maior causa de afastamento do ambiente de trabalho demonstrando os efeitos devastadores dos assédios para a saúde do colaborador, causando síndrome do pânico, depressão e suicídios.

Na pandemia, muitas condutas de assédio moral têm sido identificadas no home office. Para uma maior produtividade as exigências das lideranças podem aumentar, ignorando que o trabalho deve ter limites de horário e respeito ao direito à desconexão.

O assédio é um vírus invisível que corrói a autoestima das pessoas e a reputação das instituições públicas e privadas. A conscientização de todos sobre os seus malefícios é fundamental, pois o valor maior é a dignidade das pessoas, motivo para que sejam implementadas políticas de prevenção, sem receios.

Lideranças humanizadas - comprometidas com a valorização de seus colaboradores, fortalecendo a boa convivência, priorizando a implementação de políticas efetivas de combate aos assédios com canais como a ouvidoria para denúncias e acolhimento - são cada vez mais necessárias, preservando a segurança psicológica, o bem-estar dos colaboradores e o sentido de respeito.

Esse chamamento à conscientização significa enaltecer a dignidade das pessoas e a ética nas instituições. Esse propósito deve gerar um movimento que merece ser incentivado.

_________

*Valquiria Furlani é advogada, especialista em direito empresarial e trabalhista, palestrante sobre compliance no ambiente laboral.





*Edson Vismona é advogado, fundador e atual presidente do Conselho Deliberativo da ABO -   Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman. Presidente do ETCO, foi secretário da justiça e defesa da cidadania do Estado de São Paulo.

t

Atualizado em: 8/10/2020 12:19

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Heloina Miranda

Migalheira desde 2018

Paulo Rodrigues Faia

Migalheiro desde 2020

William Margreiter Alves

Migalheiro desde 2020

Caio Morau

Migalheiro desde 2020

Erika Pastorelli Trentin

Migalheira desde 2020

Suzan Raphaellen Franche

Migalheira desde 2020

Sylvie Boëchat

Migalheira desde 2013

Bruno Robert

Migalheiro desde 2018

Wagner Dias Ferreira

Migalheiro desde 2016

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Helena Rippel Araujo

Migalheira desde 2019

Publicidade