quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O Judiciário e a Política Externa

Enganam-se aqueles que julgam que o Poder Judiciário não pode exigir do Executivo determinados comportamentos no tocante à política externa. Os que assim pensam leram apenas o artigo 84 da Constituição. Interpretam uma regra isoladamente, esquecendo-se de inserí-la em todo o sistema.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2004

O Judiciário e a Política Externa

 

Américo Masset Lacombe*

 

Enganam-se aqueles que julgam que o Poder Judiciário não pode exigir do Executivo determinados comportamentos no tocante à política externa. Os que assim pensam leram apenas o artigo 84 da Constituição.

 

Interpretam uma regra isoladamente, esquecendo-se de inserí-la em todo o sistema.

 

Nenhuma norma seja princípio, seja regra, pode ser interpretada isoladamente. Costumo dar como exemplo o caput do art. 5º da Constituição. Se o interpretarmos isoladamente, como norma deslocada de todo o sistema, concluiremos que o turista estrangeiro não tem nenhum dos direitos ali arrolados, pois o texto do artigo fala apenas em estrangeiros residentes no país. Ora, tal conclusão levaria ao absurdo, o que comumente ocorre quando se pretende interpretar uma norma deslocada do sistema na qual ela se insere.

 

Não há dúvida que compete ao Presidente da República determinar o comportamento da política externa brasileira. Porém, os atos através dos quais o chefe do Executivo orienta tal comportamento, não são atos totalmente discricionários, visto que a Constituição de 1988, no seu art. 4º, fixa de maneira peremptória (norma cogente de eficácia plena) os princípios pelos quais a República Federativa do Brasil deve reger-se, em suas relações internacionais. E ali está dito que um dos princípios orientadores do nosso comportamento internacional é exatamente o da igualdade entre os Estados.

 

Tal princípio tem como corolário a reciprocidade de tratamento aos cidadãos. Ora se um Estado estrangeiro qualquer está exigindo certas providências policiais para a entrada de brasileiros em seu território, o Chefe do Executivo brasileiro deve (aí não é poder é dever), em face do princípio da reciprocidade determinar as mesmas providências em relação aos nacionais daquele Estado.

 

A inércia do Chefe do Executivo significa um desrespeito as normas (princípios) do artigo 4º, e, por conseguinte, uma inconstitucionalidade por omissão.

 

Portanto, se devidamente provocado, não só pode como deve o Poder Judiciário suprir o comportamento do Executivo, determinando às autoridades policiais comportamento idêntico ao do Estado Estrangeiro, em face do princípio da reciprocidade.

_______________

 

* Doutor em Direito pela PUC-SP. Desembargador Federal Aposentado. Advogado em São Paulo.

 

__________________

Atualizado em: 8/1/2004 08:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Publicidade