sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Nova consulta pública sobre a cobrança da CONDECINE pode impactar o mercado de VOD

A CONDECINE foi criada para fomentar o desenvolvimento do setor audiovisual no país, sendo a sua arrecadação destinada ao Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A Agência Nacional do Cinema (ANCINE) abriu uma nova Consulta Pública sobre notícia regulatória para analisar os segmentos "outros mercados" e "vídeo doméstico", que ficará disponível no site da ANCINE até o dia 16 de novembro e todos os interessados podem encaminhar suas contribuições.

De acordo com a própria ANCINE, a publicação dessa nota regulatória será a primeira etapa de um processo que visa avaliar o modelo tributário da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (CONDECINE) para esses dois segmentos de mercado.

A CONDECINE foi criada para fomentar o desenvolvimento do setor audiovisual no país, sendo a sua arrecadação destinada ao Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O pagamento da contribuição, por sua vez, sempre esteve relacionado com o enquadramento do contribuinte em um dos seguimentos de mercado expressamente definidos na MP 2.228-1, de 6.9.2001 (MP 2.228-1/01), que instituiu a CONDECINE e que não contém previsão acerca do mercado de video on demand (VoD).

Contudo, dado o crescimento do mercado, a ANCINE vem tentando há anos incluir o VoD no campo de incidência da CONDECINE. Nessa linha foi editada, em 10.7.2012, a instrução normativa 105, de 10.7.2012 (IN 105/12), que incluía o segmento de VoD no conceito de "outros mercados" mencionados na MP 2.228-1/01.

Com base nessa IN, a ANCINE passou a adotar o entendimento de que as obras veiculadas no mercado VoD também estão sujeitas ao registro e ao respectivo recolhimento da CONDECINE.

A inclusão do VoD dentro da categoria "outros mercados" gerou diversos questionamentos. Isso porque, com base nos princípios da legalidade e da tipicidade, a lei deve ser específica nas suas definições (isto é, tipificar taxativamente o tributo criado, descrever a sua hipótese de incidência, definir o sujeito passivo, fixar sua alíquota e base de cálculo, etc.) e não deixar margem para uma ampla discrição legal, analogia ou interpretação pelas autoridades públicas.

Nesse sentido, ao dispor genericamente sobre a possibilidade da incidência da contribuição sobre outros mercados na alínea e do artigo 33, I, a MP 2.228-1/2001 deixou de definir elementos essenciais para incidência da CONDECINE.

Além disso, ao editar a IN 105/2012 com a pretensão de definir o que seriam outros mercados para fins de tributação pela CONDECINE (trazendo, assim, um novo mercado tributável), a ANCINE extrapolou sua competência de simplesmente regulamentar o recolhimento da contribuição e invadiu, neste aspecto, matéria reservada à lei, o que também é vedado pela Constituição Federal e pelo Código Tributário Nacional.

Embora essa questão específica da CONDECINE debatida nesta opinião ainda não tenha sido analisada pelo Poder Judiciário, tanto o STF quanto o STJ já se manifestaram diversas vezes pela ilegalidade de atos e normas editadas pelo Poder Executivo justamente por extrapolar previsões legais e, assim, ofender o princípio da legalidade tributária.

Esse debate, e o reconhecimento por parte da ANCINE da inadequação da aplicação das normas existentes ao mercado de VoD, levou, inclusive, à criação de um Grupo de Trabalho com a finalidade de elaborar uma proposta legislativa para regulamentação do segmento.

Com essa nota regulatória, a ANCINE pretende dar início a um novo processo de discussão das especificidades do segmento "outros mercados", inclusive com relação ao recolhimento da CONDECINE. 

O assunto não é simples mas o debate é necessário para que se encontre o modelo adequado de regulação e tributação que garanta a necessária segurança jurídica ao segmento de VoD. 

Quanto ao segmento de "vídeo doméstico", a análise passa pela manutenção ou não do segmento na estrutura da CONDECINE, devido à redução de sua relevância econômica causado pela evolução tecnológica. 

_________

t*Ana Carolina Fernandes Carpinetti é sócia do escritório Pinheiro Neto Advogados.

 







*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. 
© 2020. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

 

Atualizado em: 23/10/2020 09:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Publicidade