quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A bolsa da ilusão

A entrada em massa dos brasileiros na bolsa de valores deveria ser comemorada com um sinal de avanço e maturidade de nosso sistema financeiro.

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Passados mais de 7 meses da eclosão da pandemia, o Brasil e o resto do mundo tentam se recuperar das perdas humanas e econômicas que só encontram paralelo no mundo moderno à época de guerras e grandes conflitos.

Ao mesmo tempo, são nestes períodos sombrios e de grande ruptura que a sociedade consegue evoluir mais rápido nos mais diversos campos, seja em termos tecnológicos, culturais e sociais, com a criação de novos hábitos, tendências e comportamentos.

Um desses fenômenos foi a entrada de quase 1 milhão de novos investidores na Bolsa de Valores do Brasil (conhecida como Bovespa, e atualmente operada pela empresa B3), atraídos pela queda abrupta dos valores mobiliários negociados, em março de 2020, e instigados e bombardeados por gurus financeiros, propagandas enganosas e aproveitadores de plantão.

A chegada desse contingente de brasileiros deveria ser celebrada como um elemento de amadurecimento institucional da Bolsa, irradiando efeitos positivos em toda a sociedade, com a valorização de ativos, criação de riqueza e postos de trabalho. A título de comparação, nos Estados Unidos 55% da população investe em algum tipo de valor mobiliário (esse número já foi de 67% em 2002).

O problema é que a maior parte desses novos investidores não tem qualquer informação, conhecimento e sofisticação para investir seus bens, muitas vezes acumulados por toda uma vida, em algo tão arriscado.

É verdade que o mercado de valores mobiliários, por sua própria natureza, é dotado de muito mais volatilidade e incerteza do que os investimentos mais conservadores, como poupança, renda fixa e títulos públicos, oferecendo maiores riscos, mas também retornos financeiros mais robustos àqueles que se aventuram no sobe e desce dos diversos produtos financeiros oferecidos, respaldados (ou iludidos) por gráficos, números e fórmulas que parecem (ou pretendem) fazer sentido.

Não obstante, o ordenamento jurídico brasileiro e a Comissão de Valores Mobiliários - CVM buscou maneiras de proteger o cidadão brasileiro - dele próprio, inclusive, - por meio de diversas Instruções e Circulares. Talvez a mais importante delas seja a Instrução CVM 539/13. Tal dispositivo prevê uma série de obrigações das corretoras, consultores e outros integrantes do sistema de distribuição de valores mobiliários, no sentido do dever de verificação da adequação dos produtos, serviços e operações ao perfil do cliente, o que se denomina, no mercado como "suitability", vedando que tais agentes possam recomendar produtos, realizar operações ou prestar serviços sem que verifiquem sua adequação ao perfil do cliente.

O perfil do cliente deve ser auferido no cadastro do investidor no banco/corretora e não pode (ou não deveria) ser alterado facilmente. Geralmente a classificação compreende 3 modalidades: (I) conservador; (II) moderado; e (III) agressivo. Em princípio, o cliente com perfil conservador e moderado não pode realizar altos investimentos em ações, muito menos no mercado futuro e, em particular, no chamado daytrading.

A expressão daytrading ganhou recente notoriedade, no Brasil, depois que alguns famosos propalaram aos quatro cantos que estavam fazendo rios de dinheiro com ele. Sobre os riscos e desafios inerentes ao daytrading, recomendo o excelente artigo publicado recentemente na revista Você S/A que o compara à cocaína. Um vício impiedoso que pode causar prejuízos não só financeiros, mas como levar o investidor a dar fim a própria vida.

A Instrução CVM 539/13 deveria servir como um escudo contra o daytrading e outras operações de alto risco que as centenas de milhares de novos investidores ficam expostos todos os dias. Todavia, corretoras, bancos de investimentos e outros agentes, seja por dolo ou incompetência, e ao completo arrepio da lei, vêm instigando e permitindo aos investidores entrar na cocaína do daytrading.

Há indícios de que grandes players do mercado, que deveriam "lead by example", como a corretora Ativa Investimentos, vêm violando sistematicamente a Instrução CVM 539/13, permitindo que investidores sem qualquer conhecimento, experiência e patrimônio se aventurem na compra e venda de centenas de minicontratos de dólar e índice, o que pode levá-los a perderem tudo (incluindo a sanidade).

Neste sentido, apesar de algumas recentes decisões favoráveis, tanto no âmbito judicial quanto no do MRP - Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízo, (processo por meio do qual o investidor pode buscar ressarcimentos por eventuais perdas) evidencia-se uma tendência de timidez e omissão tanto de nossos juízes, quanto dos órgãos de fiscalização, como a CVM, Ministério Público e PROCON, no sentido de coibir práticas ilegais pelos agentes do mercado financeiro.

Vale ressaltar, e parece que isso os órgãos julgadores e fiscalizadores não estão conseguindo entender, a premissa principal da Instrução CVM 539/13: a mera recomendação, permissão ou realização de operação contrária aos interesses, experiência, patrimônio e perfil do cliente é absolutamente proibida. A máxima de - foi o cliente que apertou o botão/gatilho no Home Broker/plataforma não exclui a culpabilidade da corretora, que deveria ter impedido/proibido o cliente de realizar tal operação, caso esta seja incompatível com o seu perfil.

Com o escopo de ajudar e proteger os investidores brasileiros, vítimas de atos ilícitos cometidos pelas corretoras e demais integrantes do sistema de distribuição de valores mobiliários, criamos recentemente a AAII - Associação de Apoio ao Investidor Iniciante, visando a dar apoio jurídico e psicológico às vítimas dos abusos dos agentes do mercado financeiro.

A entrada em massa dos brasileiros na bolsa de valores deveria ser comemorada com um sinal de avanço e maturidade de nosso sistema financeiro. Todavia, evidencia-se um alto gap e deficiência na implementação, aplicação e execução das regras e leis que visam a protegê-los em face da exuberância (e ganância) irracional dos players do mercado financeiro.  

O brasileiro honesto sabe o quanto suado foi amealhar seu patrimônio. A sociedade e suas instituições não podem permitir que ele evapore em um click no celular que jamais poderia ter sido permitido.

_________

*Eduardo Ludmer é sócio do Ludmer Law. Advogado no Brasil e em Israel. Mestre em Direito da Propriedade Intelectual e das Novas Tecnologias pela Universidade Hebraica de Jerusalém. Presidente da Associação de Apoio ao Investidor Iniciante.

t

Atualizado em: 18/11/2020 08:26

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Publicidade