domingo, 17 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Como obter medicação de alto custo de forma gratuita?

Sabemos que o Estado tem obrigação constitucional de prestar assistência à saúde, conforme art. 196 e 197 da Constituição Federal. Confira.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Art. 196A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado

Cabe salientar que seu plano de saúde é obrigado a te fornecer medicamento de alto custo, sem necessitar de recorrer ao SUS, que também tem obrigação de custear.

Sempre que um medicamento tiver registro sanitário na ANVISA, surge a possibilidade de você obter esse medicamento de forma gratuita, seguindo os passos abaixo.

Não se preocupe com o rol de procedimentos da ANS neste caso ou se o contrato prevê ou não o medicamento indicado, pois a lei garante aos pacientes que medicamento de alto custo deverá ser fornecido se o mesmo tiver registro sanitário da ANVISA.

O grande critério aqui, portanto, é o registro da ANVISA.

Caso o fornecimento seja negado, exija da operadora de plano de saúde ou do SUS a razão da negativa por escrito.

O primeiro passo é saber se a sua doença se enquadra como condição para fornecimento de medicamento de alto custo.

Essa lista pode ser conferida no site da ANS ou do SUS e inclui algumas doenças que necessitam de uso contínuo de medicação, como câncer, hepatite, HIV, asma e outras crônicas.

Os médicos do SUS devem sempre privilegiar os medicamentos que fazem parte dessa relação e são obrigados a prescrevê-los pelo nome genérico. Pode, ainda, conforme o princípio da autonomia médica, o médico prescrever medicamento que está fora da lista mas possui registro na ANVISA.

Outro passo importante que você exija de seu médico um bom relatório clínico, com o prontuário ou receita solicitando o medicamento em questão e as razões do uso em seu organismo, provando que você realmente necessita da compra do mesmo e as consequências que poderão advir caso você não use aquela substância.

Depois, com o relatório em mãos, você poderá solicitar o medicamento ao plano de saúde ou SUS, seja presencialmente ou através de ligação telefônica ou sistema eletrônico próprio, que deverá entregar a resposta por escrito.

Caso haja negativa, você poderá contratar um advogado especialista na área, pedindo uma liminar na justiça para que, logo no início do processo, o juiz defira a compra do medicamento em seu favor.

Cumpre observar que o deferimento das liminares contra plano de saúde depende da complexidade do caso, podendo, em casos mais urgentes, haver deferimento em até 24 horas, por exemplo.

O juízes podem fixar, ainda, multas que podem variar entre de R$ 500,00 até R$ 50.000,00 diários com a finalidade de obrigar os planos de saúde ou o Estado a obedecerem a ordem judicial.

Em caso de descumprimento da liminar, o segurado pode "executar" a multa que será revertida em seu favor, utilizando-a para custear o medicamento que necessita.

As negativas de cobertura de medicamentos mais frequentes são relativas a:

- Quimioterapia, radioterapia e imunoterapia

- Tratamento oftálmico

- Tratamento de Hepatite C

- HIV

- Asma severa

Por fim, confira a farta jurisprudência abaixo possibilitando o fornecimento de medicação de alto custo, visto que essa postura decorre de uma previsão constitucional, conforme já citado, e que tem a função primordial, muitas vezes,  de salvar a vida do paciente.

Súmulas do TJSP acerca do tema:

Súmula 95: "Havendo expressa indicação médica, não prevalece a negativa de cobertura do custeio ou fornecimento de medicamentos associados a tratamento quimioterápico."

Súmula 96: "Havendo expressa indicação médica de exames associados a enfermidade coberta pelo contrato, não prevalece a negativa de cobertura do procedimento."

Súmula 102: "Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento de sua natureza experimental."

PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER I. Negativa de cobertura aos medicamentos, sob argumento de se tratarem de medicamentos importados e não autorizados pela ANVISACaráter abusivo reconhecido. Existência de prescrição médica. Medicamentos que se mostram necessários, em princípio, à tentativa de recuperação da saúde do paciente, acometida de Hepatite C. Aplicação do disposto no artigo 51, inciso IV, do CDC e da Súmula n. 102 desta Corte. II. Ofensa, ainda, ao princípio da boa-fé que deve nortear os contratos consumeristas. Atenuação e redução do princípio do pacta sunt servanda. Incidência do disposto no artigo 421 do Código Civil. SENTENÇA PRESERVADA. APELO DESPROVIDO." (AC 1017275-96.2015.8.26.0008; Relator(a): DONEGÁ MORANDINI; Comarca: São Paulo; Órgão julgador: 3ª Câmara de Direito Privado; Data do julgamento: 08/07/2016; Data de registro: 08/07/2016)

"PLANO DE SAÚDE. Autora portadora de Cirrose Hepática. Fornecimento do medicamento. Negativa de cobertura do plano de saúde sob o fundamento de que a medicação é de uso oral domiciliar e por não constar no rol da ANSExistência de prescrição médica. Recusa de cobertura abusiva (arts. 14 e 51, IV e § 1º do CDC). Aplicação da Súmula 102 deste E. Tribunal. Dano moral "in re ipsa", presente o dever de indenizar. Indenização arbitrada em R$ 10.000,00, em consonância com os critérios legais e com os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. Condenação ao pagamento de multa por retardo no cumprimento da liminar. Descabimento. Medicamento importado e de alto custo, com entraves para a importação. Sucumbência integral da ré. RECURSO DA AUTORA PARCIALMENTE PROVIDO, DESPROVIDO O DA RÉ." (AC 1009861-38.2015.8.26.0011 - Relator(a): ALEXANDRE MARCONDES; Comarca: São Paulo; Órgão julgador: 3ª Câmara de Direito Privado; Data do julgamento: 29/06/2016; Data de registro: 29/06/2016)

__________

A negativa de cobertura de medicamentos de alto custo pelo plano de saúde é prática abusiva, sobretudo em posse de prescrição médica e indicação de que o uso de certa medicação é a mais adequada ao tratamento. Cabe ao paciente buscar orientação com advogado especializado em plano de saúde para processo judicial e pedido de liminar na Justiça. Disponível em:  MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO E PLANO DE SAÚDE. Acesso em 05/11/2020 às 13:34.

Os Planos de Saúde são Obrigados a Custear Medicamentos de Alto Custo? Disponível em aqui. Acesso em 05/11/2020 às 13:12.

ANS

SUS

Constituição da República Federativa do Brasil.

__________

*Lucas Andrade Araripe é formado em direito pela Universidade Católica do Salvador, Pós-Graduado em Direito Privado e ex-Procurador Municipal.

t

 

Atualizado em: 24/11/2020 09:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Migalheiro desde 2019
Fernando Salzer e Silva

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Nicole Cunha

Nicole Cunha

Migalheira desde 2021
Márcio Aguiar

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020
Rogério Pires da Silva

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005
Carolina Amorim

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade