sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Conheça a decisão do STJ que diminuiu a indenização por erro médico de R$ 1 milhão para R$ 170 mil

A filha do paciente processou o hospital e o médico, após falecimento oriundo de infecção hospitalar. A infecção aconteceu após a retirada, através de cirurgia, de um cisto no joelho.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Olá, tudo bem?

Gostaria de compartilhar aqui com vocês uma jurisprudência acerca de erro médico e infecção hospitalar.

No julgamento do Resp. 1.660.162-SP, o STJ reduziu indenização milionária fixada pelo tribunal paulista em processo de indenização contra a santa casa e um médico de São Paulo.

O caso seguia na Justiça há mais de 20 anos e acabou no final de 2019.

O paciente foi submetido a intervenções cirúrgicas nas dependências da Santa Casa de Fernandópolis para a retirada de cisto no joelho direito.

Após a cirurgia, houveram complicações no estado de saúde do contratante e consumidor, que veio a falecer vinte e dois dias depois de ter contraído infecção generalizada no hospital.

A ação de indenização por erro médico, movida pela filha da vítima contra a Santa Casa e o médico, em 1999, foi julgada improcedente em primeira instância pelo juiz de Fernandópolis/SP sob o fundamento de que a causa da morte não decorreu de erro do hospital ou da equipe médica.

O magistrado considerou que não ficou provado que o tratamento dado ao pai da autora foi inadequado, tampouco que a infecção que teria provocado a morte foi adquirida dentro do ambiente hospitalar, pois, o paciente, após a cirurgia, recebeu alta no dia seguinte, e retornou para casa.

Ademais, inferiu que não se pôde afirmar, com grau de certeza, que houve, de fato, infecção hospitalar e que ela ocorreu no recinto daquele hospital.

Cumpre observar que a parte autora em determinado momento desistiu do requerimento de prova pericial, o que veio a ser homologado pelo juiz.

O juiz, em suas conclusões, afirmou que não havia qualquer prova de que as cirurgias realizadas foram indevidas, inadequadas ou realizadas em desconformidade com as regras médicas, julgando a ação improcedente.

A autora recorreu e pediu, posteriormente, realização de perícia após uma década do óbito, vindo a ser deferido o seu pedido de forma ampla pelo Tribunal paulista neste sentido e para condenar, posteriormente, o hospital e o médico ao pagamento de indenização no valor equivalente a 500 salários mínimos, valor que, atualizado para os dias atuais, ultrapassaria a cifra de R$ 1.000.000,00(um milhão de reais). Uma verdadeira bolada, meus amigos.

Mas você médico, pode estar se perguntando: como a paciente não obteve nenhum resultado com o juiz em um primeiro momento, pois não havia qualquer prova, e de repente, conseguiu provimento total no Tribunal? O que aconteceu?

A resposta está na Perícia! O Tribunal de Justiça de São Paulo considerou a perícia como uma prova indispensável para o deslinde do feito e que foi desprezada pelo juiz da primeira instância. Entendeu que pela leitura sistemática e principiológica do Novo Código de Processo Civil, o magistrado agiu em desconformidade com a lei.

Cumpre salientar que não apenas a vítima poderia utilizar a perícia para esclarecer os fatos mas também o médico, o hospital e até mesmo o juiz.

Assim, o tribunal entendeu que o conjunto probatório(de provas) é dirigido, não só para as partes, mas também aos demais juízes que eventualmente irão julgar o processo, incluídos os dos tribunais.

Concluiu o tribunal, portanto, após a juntada da perícia, que houve desídia médica e hospitalar, ou seja, desleixo no tratamento do paciente, condenando-os na milionária quantia de R$ 1.000.000,00.

Apesar da indenização milionária fixada pelo tribunal paulista, houve recurso do hospital e do médico, onde foi questionada, principalmente, o alto valor referente à indenização.

O STJ acatou a tese de defesa e reformou a decisão, pois entendeu que o valor destoa dos parâmetros adotados pela corte em casos análogos, e por isso reduziu o valor para R$ 50 mil, que atualizado monta em aproximadamente R$ 170 mil.

O STJ considerou que apesar de haver de fato erro médico comprovado nos autos, o valor deveria levar em conta os princípios da proporcionalidade e razoabilidade.

A decisão do STJ foi certa? Foi errada? Não sei e não nos cabe questionar. Mas fica a observação que esta decisão pode continuar sendo usada para diversos casos análogos de erros médicos, que acontecem todo dia no Brasil, representando verdadeira economia financeira para o setor médico e constituindo uma das principais teses de defesa médica.

_________

STJ: Resp. 1.660.162-SP

TJ/SP
_________

*Lucas Andrade Araripe é advogado.

t

Atualizado em: 2/12/2020 12:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Carla Domenico

Carla Domenico

Migalheira desde 2011
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Publicidade