terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Conciliação e mediação online nos tribunais brasileiros: A resolução 358 do CNJ

O Conselheiro relator da resolução, Henrique Ávila, destacou que o cenário imposto pela pandemia de covid-19 acelerou, no âmbito do Poder Judiciário, o recurso às tecnologias digitais e ao sistema de trabalho remoto.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Foi publicada na no dia 2/12/20 a resolução 358 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que regulamenta a criação e adoção de soluções tecnológicas que tenham por objetivo a resolução de conflitos por meio da conciliação e da mediação. A Resolução tem por objetivo fomentar o uso de meios alternativos de resolução de conflitos com apoio de soluções tecnológicas, visando a conferir efetividade ao acesso à justiça e celeridade na solução dos litígios.

O Conselheiro relator da resolução, Henrique Ávila, destacou que o cenário imposto pela pandemia de covid-19 acelerou, no âmbito do Poder Judiciário, o recurso às tecnologias digitais e ao sistema de trabalho remoto. A realização de audiências e atos processuais por videoconferência, por sua vez, teve como uma de suas consequências a otimização da resolução dos conflitos.

Segundo o Conselheiro, o que se pretende através da resolução 358 é que essa otimização seja expandida para a resolução de conflitos por meio da conciliação e da mediação, mediante a disponibilização, pelos tribunais, de sistemas de tecnologia voltados à autocomposição, cabendo ao Conselho Nacional de Justiça fiscalizar e acompanhar a implementação de tais tecnologias.

Segundo a Resolução, o sistema informatizado para a resolução de conflitos por meio da conciliação e mediação (SIREC) poderá ser desenvolvido ou contratado (art. 1, § 4º), sendo expressa a permissão de os tribunais poderão se valer de solução tecnológica já existente - tal como a Plataforma MOL, que atende integralmente as premissas e condições tecnológicas exigidas pela resolução 358, do CNJ.

A Resolução prevê que os tribunais deverão disponibilizar, no prazo de até 18 (dezoito) meses, sistema informatizado para a resolução de conflitos por meio da conciliação e mediação (SIREC), conforme dispõe o artigo 1º. Esse sistema, que, como visto, poderá ser desenvolvido pelo próprio tribunal ou contratado, deverá contar com as seguintes funcionalidades:

  • Cadastro das partes (pessoas físicas e jurídicas) e representantes;
  • Integração com o cadastro nacional de mediadores e conciliadores do CNJ (CONCILIAJUD);
  • Cadastro de casos extrajudiciais;
  • Acoplamento com o sistema processual eletrônico do tribunal que o adotar ou desenvolvimento em plataforma de interoperabilidade, de forma a manter a contínua comunicabilidade com o sistema processual do tribunal respectivo;
  • Sincronização de agendas/agendamento;
  • Geração de atas e termos de forma automatizada.

É recomendável, ainda, que o sistema tenha possibilidade de troca de mensagens, propostas para aceite e assinatura e, também, a possibilidade de emitir relatórios para gestão dos requerimentos das partes e das empresas. Além disso, todas as soluções ou sistemas adotados pelos tribunais deverão observar obrigatoriamente os requisitos de segurança da informação e de proteção de dados pessoais estabelecidos pela lei, em especial na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), bem como o disposto na resolução 335/20 (disciplina a Plataforma Digital do Poder Judiciário Brasileiro  - PDPJ), também do Conselho Nacional de Justiça.

A edição da resolução 358 do CNJ significa um passo adiante na efetivação do acesso à justiça, uma vez que a adoção de plataformas e sistemas tecnológicos de conciliação e mediação não apenas facilita o ingresso em juízo, mas também encoraja a autocomposição e permite a verdadeira solução dos litígios, atendendo os interesses das partes envolvidas e cumprindo com o dever do Poder Judiciário de pacificar os conflitos que surgem na sociedade.

Atualizado em: 16/12/2020 11:31

Melissa Felipe Gava

Fundadora & CEO da MOL - Mediação Online. Formada em Direito na La Sapienza-Universidade de Roma e especialista em ODR.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
Guilherme Alberge Reis

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020
Jeniffer Gomes da Silva

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019
Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005
Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Migalheiro desde 2021

Publicidade