sábado, 23 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Fome de Bitcoin: A ascensão das criptomoedas

Criptomoeda é uma forma de dinheiro digital, protegida por criptografia complexa, geralmente baseada na tecnologia blockchain.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Um Bitcoin vale hoje, aproximadamente, 21 mil dólares, cerca de 110 mil reais. Valores impressionantes para a primeira criptomoeda, que custava alguns centavos de dólar quando foi criada em 2009. Desde então o Bitcoin teve uma ascensão vertiginosa, tornando-se um dos ativos mais bem sucedidos da história financeira.

Criptomoeda é uma forma de dinheiro digital, protegida por criptografia complexa, geralmente baseada na tecnologia blockchain. Uma das principais características das criptomoedas é que elas não são, em regra, emitidas por nenhuma autoridade central, ao contrário das moedas emitidas pelos bancos centrais de países. Essa descentralização faz as criptomoedas serem independentes de interferência e manipulação política.

Durante muito tempo os Bitcoins e as outras criptomoedas - já são milhares em circulação - foram predileção de nerds, hackers, programadores e entusiastas da tecnologia. Fortunas foram feitas, escândalos envolvendo fraudes ou cybercrimes apareceram nas manchetes dos jornais e a opinião geral ficava dividida entre os adeptos das criptomoedas, que se consideravam visionários, e o público e instituições financeiras tradicionais, desconfiados de que se estaria diante de uma fraude, pirâmide financeira ou, na melhor das hipóteses, de mais uma bolha especulativa.

Este cenário começa a se transformar com a fome de Bitcoins que está surgindo entre os grandes investidores institucionais. Em plena pandemia de coronavírus os big players das finanças avançam sobre as criptomoedas.

O banco de investimentos JPMorgan Chase lançou um documento na semana passada em que afirma que o ouro vai perder espaço para o Bitcoin1, um movimento que já começou em outubro deste ano. É o mesmo banco que acusou o Bitcoin de ser uma fraude, alguns anos atrás.

Fato ainda mais significativo foi noticiado pelo The Wall Street Journal, segundo o prestigioso periódico, a gigante de seguros MassMutual investiu 100 milhões de dólares em Bitcoins2, um sinal claro da aceitação das criptomoedas pelas empresas financeiras tradicionais.

O Bitcoin não está sozinho nessa ascensão econômica. O Ether, a segunda criptomoeda mais tradicional, iniciou um projeto de expansão da sua plataforma de blockchain e pretende ampliar a segurança, capitalização e fatia de mercado nos próximos anos. Para o projeto de expansão ser lançado era necessário um investimento inicial de milhões de dólares, por parte de atuais proprietários de Ether. Os investidores foram avisados de que o dinheiro ficaria parado por um período indefinido, podendo ser superior a dois anos.

Em poucos dias a marca foi atingida e, no momento da redação deste artigo, o equivalente a mais de 973 milhões de dólares foram depositados em Ether para fomentar o projeto. Atualmente, a cotação de um Ether está flutuando na casa dos 640 dólares e o market cap global do ativo é de aproximadamente 70 bilhões de dólares. Trata-se de um segundo lugar humilde. O market cap do Bitcoin está na faixa dos 400 bilhões de dólares. Uma fatia de mercado maior do que a da Coca-Cola, da Disney ou da Netflix, por exemplo.

A Forbes publicou recente artigo sobre a possibilidade de o Bitcoin se tornar um mercado de 1 trilhão de dólares3, mas não para por aí. O JPMorgan criou a sua própria criptomoeda. A S&P Dow Jones Indices lançará o primeiro índice de criptomoedas em 2021, o que pode ser um primeiro passo para a criação de um ETF composto de criptomoedas. E há rumores crescentes na deep web de que a China planeja lançar a sua criptomoeda estatal, uma mudança de paradigma para o país que criou obstáculos jurídicos para transações com Bitcoins e perseguiu mineradores do ativo.

Parte do sucesso das criptomoedas está justamente no fato de elas serem uma nova maneira de comercializar, pois são descentralizadas, desreguladas e totalmente virtuais, muitas vezes garantido anonimato nas transações. A criação de criptomoedas estatais pode ir na contramão desta proposta libertária.

O fato principal é que as criptomoedas estão em ascensão na retomada da economia, superando seus recordes históricos de preço. Como os números citados acima demonstram, a fome por Bitcoins e outras criptomoedas está crescendo nos mercados. Esta nova classe de ativos apresenta riscos elevados, alta volatilidade e oportunidades de lucros extraordinários. Trata-se de um mercado gigantesco e em contínua expansão que os brasileiros devem conhecer e, se possível, aproveitar.

_________

1 JPMorgan says gold will suffer for years because of bitcoin. Disponível em Bloomberg: Clique aqui. Acesso em 13/12/20.

2 MassMutual joins the bitcoin club with $100 million purchase. Disponível em The Wall Street Journal: Clique aqui. Acesso em 13/12/20.

3 Is Bitcoin about to become a 1 trillion asset? Disponível em Forbes: Clique aqui. Acesso em 13/12/20.

Atualizado em: 5/1/2021 13:51

Ricardo Pontoglio

Ricardo Pontoglio

Advogado, Especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade