sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Seguro-Garantia - Regime especial de apropriação antecipada de créditos acumulados de ICMS

Eduardo Martinelli Carvalho e Diógenes M. Gonçalves Neto

Algumas situações no cotidiano dos contribuintes do ICMS levam à formação dos chamados créditos acumulados do imposto, que podem ser cedidos, gerando resultados econômico-financeiros bastante proveitosos tanto a quem cede, quanto a quem recebe tais créditos.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2004

 

 

Seguro-Garantia - Regime especial de apropriação antecipada de créditos acumulados de ICMS

 

Diógenes M. Gonçalves Neto

 

Eduardo Martinelli Carvalho*

 

Algumas situações no cotidiano dos contribuintes do ICMS levam à formação dos chamados créditos acumulados do imposto, que podem ser cedidos, gerando resultados econômico-financeiros bastante proveitosos tanto a quem cede, quanto a quem recebe tais créditos.

 

Dentre essas situações destacam-se a exportação de produtos, a venda de produtos com redução de base de cálculo, as operações com alíquotas diversificadas na entrada e saída de produtos, etc1.

 

Os créditos acumulados podem ser transferidos, por exemplo, para outro estabelecimento da mesma empresa, para estabelecimento de empresa interdependente e para estabelecimento de fornecedores, a título de pagamento por aquisições de determinados insumos e equipamentos, previstos na legislação2.

 

Antes da utilização desses créditos, contudo, é exigida a sua apropriação, vale dizer, a geração e o conseqüente lançamento na escrita fiscal da empresa.

 

Um dos tormentos enfrentados pelos contribuintes do ICMS é o cumprimento de todos os requisitos para apropriação dos créditos acumulados.

 

Em regra, a apropriação sujeita-se à prévia aprovação das autoridades fiscais, especialmente para verificar a legitimidade dos créditos. Isso tende a retardar a apreciação do pedido.

 

Entretanto, no Estado de São Paulo existem certos mecanismos pelos quais essa transferência pode ser feita de forma mais célere. Tal possibilidade foi criada justamente para auxiliar e agilizar as operações, evitando delongas que acarretam prejuízos aos desenvolvimentos dos negócios do contribuinte. A previsão que autoriza a utilização desse regime especial encontra-se na Portaria CAT nº 53, de 12.8.1996.

 

A legislação paulista prevê que, mediante regime especial, a verificação da legitimidade dos créditos poderá ser feita posteriormente à apropriação, caso o contribuinte, entre outras exigências, apresente determinadas garantias no valor dos créditos a serem apropriados e com vigência não inferior ao estabelecido no regime especial3.

 

Tal mecanismo, além de representar agilização da transferência dos créditos, também é um meio seguro para a Fiscalização Estadual, tendo em vista que a autorização concedida estará respaldada em garantia oferecida, que poderá ser posteriormente executada, caso não fique comprovada a regularidade dos créditos transferidos.

 

Uma das alternativas recentes para prestação de garantia autorizada nas normas vigentes é o oferecimento de seguro-garantia por quem se diz titular do crédito4 . Na prática, quando prestado seguro-garantia e atendidos os demais requisitos, as aprovações têm sido mais céleres do que quando prestadas outras garantias de valor discutível, o que tende a render uma antecipação na fruição do benefício.

 

O seguro-garantia é forma de garantia similar à fiança, (i) prestada pela Seguradora, (ii) em nome do obrigado a prestar uma garantia em Juízo ("Tomador"), e (iii) no benefício de quem se diz credor em Juízo ("Segurado").

 

Antes de emitir a apólice, a Seguradora avalia a solvabilidade do Tomador, cadastra-o em seus registros e perante o IRB-Brasil RE - para contratar o resseguro (i.e. seguro do segurador) obrigatório - e requer-lhe contragarantia.

 

Para a emissão da apólice, a Seguradora cobra um prêmio anual. O custo do prêmio de seguro-garantia costuma ser inferior ao de fianças bancárias e não consome eventuais linhas de crédito do Tomador perante instituições financeiras. Pelas normas atuais, caso não se pague o prêmio, a cobertura securitária não é cancelada e a Seguradora tem de realizar o valor do prêmio excutindo a contragarantia.

 

De acordo com as normas atuais, a apólice vige até a extinção das obrigações do Tomador (i.e. do obrigado) na esfera administrativa.

 

Emitida a apólice, o Tomador deve prestar informações periódicas acerca de sua situação econômico-financeira e dos créditos cobertos pela apólice.

 

O valor garantido pela apólice evolui tal qual o valor da obrigação garantida. Caso, ao final do procedimento administrativo de verificação da regularidade dos créditos, se rejeite a apropriação dos créditos de ICMS antecipadamente aproveitados, o Tomador é intimado a pagar. Se não efetuar o pagamento, então, a Seguradora é intimada a pagar, podendo voltar-se contra o Tomador para se indenizar.

 

Pela celeridade que pode imprimir ao procedimento e em vista de seu custo, o seguro-garantia se demonstra como um instrumento útil aos contribuintes que pretendam valer-se do regime especial de apropriação antecipada de créditos de ICMS previsto na legislação do Estado de São Paulo.

 

Em vista dessas suas características, tanto favoráveis ao contribuinte como ao Fisco, espera-se que o oferecimento do seguro-garantia seja paulatinamente estendido a outras situações, tais como Execuções Fiscais e demais Regimes Especiais concedidos pelas Fazendas Estaduais.

 

_____________

 

1artigo 71 do atual Regulamento do ICMS.

2Em particular no artigo 73 e seguintes do atual Regulamento do ICMS.

3Portaria CAT nº 35/2002

4Circular da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP nº 232/03

 

_____________

 

*Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados

 

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

 

© 2003. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS.

 



 

 

 

 

 

 

 

 

___________________

Atualizado em: 21/1/2004 07:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Publicidade