segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A fixação dos preços dos produtos e serviços no mercado de consumo e o Decreto nº 5.903/2006

Flávio Lemos Belliboni e Renato José Cury

A Lei nº 8.078 de 11.9.1990 ("Código de Defesa do Consumidor") estabelece no artigo 31 os requisitos a serem observados pelos fornecedores no momento da oferta do produto ou do serviço.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007


A fixação dos preços dos produtos e serviços no mercado de consumo e o Decreto nº 5.903/2006

Flávio Lemos Belliboni*

Renato J. Cury*

A Lei nº 8.078 de 11.9.1990 ("Código de Defesa do Consumidor") (clique aqui) estabelece no artigo 31 os requisitos a serem observados pelos fornecedores no momento da oferta do produto ou do serviço.

Desde a edição do Código de Defesa do Consumidor surgiram inúmeras controvérsias acerca da interpretação e alcance do referido dispositivo, motivando a propositura de ações judiciais por parte do Ministério Público e Órgãos de Defesa do Consumidor.

Um dos principais pontos controvertidos estava relacionado à informação do preço do produto ou serviço ofertado pelo fornecedor ao mercado de consumo.

Diante dessa controvérsia e visando disciplinar a questão é que foi editada a Lei n 10.962 de 11.10.2004 (clique aqui) ("Lei") que regulou as formas de afixação de preços de produtos e serviços para o consumidor.

A referida Lei especificou as formas admitidas para a afixação de preços em vendas a varejo para o consumidor: (i) no comércio em geral, por meio de etiquetas ou similares afixados nos bens expostos à venda; (ii) em auto-serviços, supermercados e hipermercados, mercearias ou estabelecimentos onde o consumidor tenha acesso direto ao produto, sem intervenção do comerciante, a afixação do preço na embalagem e, alternativamente, a afixação de código referencial ou código de barras, desde que a informação relativa ao preço à vista dos produtos, características e código esteja exposta de forma clara e legível.

A preocupação com as informações relativas aos preços dos produtos e serviços sempre esteve presente no mercado de consumo. Tanto é que, decorridos aproximadamente dois anos desde a edição da referida Lei, o legislador houve por bem regulamentá-la por meio do Decreto no 5.903 de 20.9.2006 (clique aqui) ("Decreto") dispondo sobre as práticas infracionais que atentam contra o direito do consumidor de receber informações adequadas e claras acerca dos preços dos produtos e serviços.

O Decreto estabelece que os preços de produtos e serviços, em todas as formas definidas na Lei, devem ser informados adequadamente, garantindo ao consumidor a correção, clareza, precisão, ostensividade e legibilidade de todas as informações prestadas.

O legislador, desde a edição do Código de Defesa do Consumidor, consagrou o princípio da qualidade da informação a ser prestada pelo fornecedor ao consumidor. O Decreto, observando esse mesmo princípio, estabeleceu uma série de obrigações que devem ser observadas pelo fornecedor no momento de informar o preço do produto ou serviço colocado à disposição do consumidor no mercado.

Verifica-se que o Decreto obriga o fornecedor a prestar ao consumidor uma informação de qualidade relativa ao preço do produto ou serviço, de maneira a evitar qualquer tipo de dificuldade na sua interpretação, confusão ou mal entendido.

Partindo dessa premissa, é que o Decreto estabeleceu a obrigação do fornecedor de discriminar o valor à vista dos produtos e serviços, mesmo que exista a possibilidade de aquisição parcelada ou financiada. Aliás, nas modalidades de aquisição parcelada ou financiada, o fornecedor deve informar (i) o valor a ser pago com o financiamento; (ii) o número, periodicidade e valor das prestações; (iii) a taxa de juros e demais acréscimos e encargos que podem incidir no valor do financiamento ou parcelamento.

Além disso, o Decreto estabeleceu que o fornecedor é obrigado a manter sempre visíveis as informações do preço dos produtos e serviços expostos à venda enquanto o estabelecimento estiver aberto ao público, remanescendo tal obrigação mesmo em caso de montagem, rearranjo ou limpeza, quando realizados em horário de funcionamento do estabelecimento.

No tocante à fixação de preços na modalidade de código referencial, o fornecedor deverá disponibilizar a relação dos códigos e seus respectivos preços visualmente unidos e próximos dos produtos a que se referem. Isso sem falar que código referencial deve estar fisicamente unido ao produto e em contraste de cores, particularidade essa extremamente importante nessa modalidade de precificação.

Já na modalidade de precificação por código de barras, o legislador estabeleceu que caberá ao fornecedor disponibilizar terminais de consulta de preços (leitores óticos) a uma distância máxima de quinze metros entre qualquer produto e a leitora ótica mais próxima. Além disso, os leitores óticos deverão ser indicados por cartazes suspensos que indicam a sua localização.

Por fim o Decreto descreve várias práticas que são definidas como infrações ao direito básico do consumidor, sujeitando o fornecedor às penalidades estabelecidas no Código de Defesa do Consumidor, como, por exemplo, a utilização de letras que dificultem a percepção da informação pelo consumidor, exposição de preços com as cores das letras e do fundo idêntico ou semelhante e até mesmo informar preços apenas em parcelas, deixando de informar o valor total.

Portanto, verifica-se que o Decreto estabelece, desde o dia 20.12.2006, uma série de requisitos e que devem ser observados com muito mais cuidado pelos fornecedores no momento de prestar as informações relativas aos preços dos produtos e serviços colocados no mercado de consumo. A inobservância desses requisitos sujeitará os fornecedores infratores às penalidades aplicáveis pelos órgãos de fiscalização e defesa do consumidor (PROCON), entre as quais multas que podem variar de duzentos a três milhões de reais.

______________

* Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2007. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS










_____________

Atualizado em: 16/1/2007 15:46

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Juliana Castro

Migalheira desde 2020

Diogo Mello Brazioli

Migalheiro desde 2020

Luiz Flávio Gomes

Migalheiro desde 2006

Gabriel Cosme de Azevedo

Migalheiro desde 2019

Ana Carolina Tsiflidis

Migalheira desde 2020

Enrico Jucá Bentivegna

Migalheiro desde 2004

Carlos Eduardo G. Soares

Migalheiro desde 2013

Mauricio Reis

Migalheiro desde 2006

Aline Cristina Braghini

Migalheira desde 2010

Publicidade