terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Bravíssima gente!

Repercutiu na imprensa, como preocupante, o fato de, no último concurso destinado ao preenchimento de cargos na magistratura paulista, mais da metade dos aprovados, agora já nomeados, ter idade inferior a 25 anos.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2004

Bravíssima gente!

 

Manuel Alceu Affonso Ferreira*

 

 

Repercutiu na imprensa, como preocupante, o fato de, no último concurso destinado ao preenchimento de cargos na magistratura paulista, mais da metade dos aprovados, agora já nomeados, ter idade inferior a 25 anos. Um desses críticos foi o jornalista Antonio Carlos Pereira, no elegante artigo que intitulou Brava gente! (12/11, A4).

 

Se houve pecado nessas aprovações, mea culpa. É que, por honrosa designação da OAB, compus a banca examinadora do referido concurso e, conseqüentemente, também pelo meu voto aqueles jovens foram aprovados. Ora, talvez por outros motivos venha um dia a expiar a danação eterna. Jamais, no entanto, pelo prestígio à juventude.

 

Segundo o IBGE, no Brasil as pessoas com menos de 39 anos representam 50,8% da força ativa de trabalho. Só no Estado de São Paulo, por exemplo, mais de 5 milhões de pessoas têm idade inferior a 24 anos, representando cerca de 36% do total de trabalhadores.

 

Fico a imaginar, portanto, se a censura agora dirigida aos magistrados por equivalentes razões atingisse os médicos, os engenheiros, os contadores ou, talvez, os próprios jornalistas. A todos esses profissionais, pelos mesmos motivos aplicáveis à magistratura, se debitaria "falta de experiência" e, por via de efeito, inaptidão para o exercício de suas atividades.

 

Os fatos são incontroversos. Na questionada competição, apenas 28,69% dos candidatos inscritos tinham menos que 25 anos. Isso não impediu que, averiguados os seus conhecimentos, títulos e prática forense - tudo isso pacientemente levantado durante todo um semestre - , aquela minoria lograsse a maioria das aprovações (51,79%). Ou seja, no concurso a que todos concorreram em condições parelhas, os mais moços preponderantemente se mostraram mais capazes.

 

Dir-se-á, com razão, que esses jovens ingressam na judicatura sem prévia e longa vivência. Também é verdade, entretanto, que ninguém adentra carreira alguma com experiência plena. Os tropeços e as cabeçadas fazem parte do processo formativo em toda e qualquer profissão, inclusive na magistratura. E, se a Constituição da República admite que, aos 35 anos, alguém possa ser nomeado para o Supremo Tribunal Federal, absurdo não haverá em que, antes disso, seja ele incumbido de prestar jurisdição nas pequenas comarcas ou nas causas de pouca complexidade.

 

De mais a mais, antes de iniciarem a judicatura, os aprovados cursam a Escola da Magistratura, onde são submetidos a aprendizado de qualidade internacionalmente reconhecida. Quando estiverem judicando, contarão com o auxílio dos juízes mais velhos. Sem esquecer que, no estágio probatório anterior ao vitaliciamento, sua atuação será minuciosamente acompanhada pelo Tribunal de Justiça, além de verem as decisões e sentenças que emitiram, na quase totalidade das hipóteses, submetidas ao poder reformador dos colegiados de segundo grau.

 

A juventude não traduz a certeza de acertos. Mas tampouco é causa necessária de erros. Uns e outros independem da idade, como a História vem a cada momento provando. Por isso, à suspeita preconceituosa melhor seria a expectativa esperançosa.

 

Afinal, na vida jurídica brasileira e cada um em sua época, Clóvis Beviláqua, Rui Barbosa, Miguel Reale, Moreira Alves e tantos outros demonstraram, e muito bem, que vale a pena confiar nos moços.

 

_________________

 

* Jurista, advogado com ampla atuação no Direito da Comunicação; ex-secretário da Justiça de São Paulo.

 

* *Artigo veiculado no dia 21/11/1998 no jornal O Estado de S. Paulo.

______________________

Atualizado em: 23/1/2004 10:26

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Gilvar Paim de Oliveira

Migalheiro desde 2020

Fernanda Andreazza

Migalheira desde 2019

Bianca Serrano

Migalheira desde 2020

Guilherme M. Malufe

Migalheiro desde 2009

Ana Luiza Maia Nevares

Migalheira desde 2019

Giovanni Ettore Nanni

Migalheiro desde 2003

Marcia Approbato Machado

Migalheira desde 2005

Luiz Fernando Pereira

Migalheiro desde 2017

Eliseu Mota Júnior

Migalheiro desde 2008

Ana Flávia Batista

Migalheira desde 2020

Larissa Nunes Pietoso

Migalheira desde 2020

Publicidade