segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Dirigentes sindicais: quantitativo sujeito a previsão legal ordinária

Geraldo Lobato Carvalho Júnior

O estabelecimento da composição e funcionamento de órgãos administrativos sindicais está ao arbítrio de cada entidade. Isso inclui a deliberação quanto ao número de membros integrantes.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2004

 

Dirigentes sindicais: quantitativo sujeito a previsão legal ordinária

 

Geraldo Lobato Carvalho Júnior *

 

O estabelecimento da composição e funcionamento de órgãos administrativos sindicais está ao arbítrio de cada entidade. Isso inclui a deliberação quanto ao número de membros integrantes.

 

Contudo, não pode a norma estatuária sindical substituir-se à lei para criar, obliquamente, obrigação a cargo do empregador, qual seja a de assegurar estabilidade no emprego irrestrita para quantos candidatos a cargos diretivos viabilize a estrutura da entidade, a propósito do previsto no artigo 8°, inciso VII da Constituição Federal. Mormente quando a ordem jurídica em vigor não contemple garantias contra a dispensa imotivada, para a generalidade dos trabalhadores, remetendo-se ao plano da lei complementar.

 

O artigo 8°, inciso VII da Lei Fundamental estabelece ser vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro de candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave, nos termos da lei. Assim, a norma legal tem endereço certo, ao conferir estabilidade provisória ao empregado candidato a cargo no sindicato, na federação ou confederação da sua categoria profissional.

 

Entretanto, admitir-se a aplicação ilimitada, extensiva da norma estatuária sindical afrontaria, a um só tempo, o disposto no artigo 5°, inciso II, da própria Carta Magna, como também o princípio da isonomia de tratamento, porque estaria criada, nas cúpulas sindicais, uma casta simplificada. Não é ocioso registrar que o referido dispositivo legal estabelece que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa se não em virtude da lei.

 

Na existência, portanto, de incompatibilidade entre o direito assegurado no artigo 8°, inciso VIII, da Carta Política de 1988, que não é inovatório, e os critérios fixados pelos artigos 522, 538 e 543 da Consolidação das Leis do Trabalho, para o fim de limitação objetiva do universo de trabalhadores ser beneficiado pela garantia excepcional, devem os estatutos do sindicato que dispõe sobre o número de dirigentes e integrantes do conselho fiscal respectivo ser interpretado, quanto ao seu alcance, à luz das disposições do Decreto n°. 5.452/43, recepcionado pela ordem jurídica constitucional estabelecida a partir de 5.10.1988.

 

Na prática, o que se tem visto é que, sem qualquer critério ou limite, constituem-se novos sindicatos, ou desmembram-se os já existentes, estabelecendo-se dezenas de cargos na Diretoria e no Conselho Fiscal para alcançar, obliquamente, estabilidade no emprego para quantos dirigentes sindicais seus estatutos admitam ser possível candidatarem-se. Há casos de entidades sindicais com mais de 50 (cinqüenta) dirigentes, com igual número de suplentes.

 

Assim, o artigo 522 da CLT, estabelecendo que a administração do sindicato terá o número máximo de 7 (sete) e mínimo de 3 (três) dos integrantes da Diretoria e um Conselho Fiscal composto de 3 (três) membros está em harmonia com o artigo 8°, inciso VIII, da Lei Fundamental, até que sobrevenha nova regulamentação das questões sindicais, uma vez que não pode impor obrigação para o empregador sem amparo legal (artigo 5°, inciso II, da Constituição Cidadã).

 

Dessa forma, estarão sem garantia à estabilidade provisória aqueles candidatos que ultrapassarem o número previsto no artigo 522 da Consolidação das Leis do Trabalho, não se vislumbrando nenhuma afronta ao artigo 8° da Constituição Federal, pois não se trata de exigência para reconhecimento ou funcionamento de associações ou sindicatos, estando sim revogadas tacitamente todas as normas que assim dispunham, pois proibida a autorização do Estado para a fundação de sindicato e vedada a interferência e a intervenção do Poder Público na organização sindical. Esse, aliás, é o entendimento do Supremo Tribunal Federal, consoante decidido no RE. n°. 1933953/SC e no AI. n°. 0249637.

 

Com segurança, apesar de a Constituição da República não ter limitado o número de dirigentes sindicais estáveis, o que a princípio permitiria aos sindicatos tornar estáveis todos os seus membros, não há como deixar de adotar os critérios estabelecidos no artigo 522 da Consolidação das Leis do trabalho, pois o texto do deste Diploma e o da Constituição se complementam.

 

__________________

 

* Advogado do escritório Trigueiro Fontes Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

________________

Atualizado em: 2/2/2004 07:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Publicidade