domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Novas células-tronco

Há poucos dias, pesquisadores norte-americano anunciaram a realização de uma pesquisa criando um novo método para obter células-tronco sem destruir embriões humanos. Trata-se, sem dúvida, de um avanço considerável e que irá eliminar muitas barreiras erguidas pela Igreja Católica, por outros grupos religiosos, além de acalorados debates jurídicos e éticos a respeito do tema.

quinta-feira, 8 de março de 2007


Novas células-tronco

Eudes Quintino de Oliveira Júnior*

Há poucos dias, pesquisadores norte-americano anunciaram a realização de uma pesquisa criando um novo método para obter células-tronco sem destruir embriões humanos. Trata-se, sem dúvida, de um avanço considerável e que irá eliminar muitas barreiras erguidas pela Igreja Católica, por outros grupos religiosos, além de acalorados debates jurídicos e éticos a respeito do tema.

O experimento não é complexo. Trata-se da substituição das células-tronco embrionárias por aquelas encontradas no líquido amniótico, responsável pela proteção dos bebês no útero. O estudo revelou que a potencialidade das células é muito semelhante, com a possibilidade de multiplicação e criação de novas células, visando substituir as danificadas.

Se vingar tal pesquisa, que ainda demanda certo tempo para sua configuração como procedimento a ser utilizado pela medicina, as amarras que envolvem a ética religiosa serão desatadas, criando-se novo espaço para desenvolver e incrementar estudos que busquem a eficaz aplicação das células-tronco embrionárias. Da mesma forma, servirá para aclarar a aplicação da lei a respeito do tema.

No Brasil, a Lei de Biossegurança permite a utilização de células obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento, para fins de pesquisa e terapia, desde que sejam embriões inviáveis, congelados há três anos ou mais e com o consentimento dos genitores.

Tanto para a Igreja, como para o Direito, a vida começa com a concepção. O feto, como ser humano não nascido, é destinatário da proteção necessária para poder se desenvolver de forma satisfatória. Qualquer manobra em contrário é um atentado contra a vida, configurando-se o crime de aborto em suas modalidades, com exceção do aborto necessário e da gravidez resultante de estupro.

A discussão a respeito do assunto foi bater às portas do Supremo Tribunal Federal, através de uma ação que visa declarar a inconstitucionalidade da utilização de células-tronco embrionárias para fins de pesquisa e terapia. Várias correntes elitizadas se formaram e várias vozes se levantaram a favor ou contra, fazendo com que o debate ganhasse corpo e, neste acirramento de idéias, fosse construída uma definição que englobasse os fluídos positivos da ética, religião e direito.

O Ministro Carlos Ayres Britto, responsável pelo julgamento, sentindo que a matéria não está sedimentada na sociedade brasileira, determinou a realização de audiência pública, em data a ser designada, para que, da junção de várias vozes, possa se estabelecer o consenso, facilitando, desta forma, uma decisão mais condizente com a realidade brasileira.

Não será uma decisão proferida com a celeridade desejada. A verdade é que a questão foi levada rapidamente até o Supremo, sem que o povo tivesse condições de discutir amiúde a utilização de células-tronco embrionárias. A polêmica foi travada mais em grupos seletos, que pode representar a inteligência do povo brasileiro, mas não sua vontade. Aliás, o próprio conceito de células-tronco foge do entendimento popular e quando se fala em embrionárias, dificulta ainda mais a compreensão, dando-se a impressão que se está cortando pedaços do embrião, mutilando-o definitivamente.

Se vingar o experimento norte-americano, cai por terra a ação intentada e salvar-se-ão grecos e troianos.

__________


*Promotor de justiça aposentado e Pró-Reitor Comunitário da Unorp - Centro Universitário de Norte Paulista








____________

Atualizado em: 28/2/2007 12:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Bruno Di Marino

Migalheiro desde 2017

Gabriel Barreira Bressan

Migalheiro desde 2014

Ticiano Figueiredo

Migalheiro desde 2013

Fabiano Serra Borsatto

Migalheiro desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Valquiria Furlani

Migalheira desde 2019

Patricia Peck Pinheiro

Migalheira desde 2009

Claudia Petit Cardoso

Migalheira desde 2003

Claudio Lamachia

Migalheiro desde 2016

Publicidade