quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O fim do amor sem fim...

O amor imposto como eterno - sem a relativização com que o cantou Vinícius de Moraes - fez do casamento uma instituição indissolúvel.

quinta-feira, 12 de setembro de 2002

 

O fim do amor sem fim...

Maria Berenice Dias*

O amor imposto como eterno - sem a relativização com que o cantou Vinícius de Moraes - fez do casamento uma instituição indissolúvel. Daí a veracidade da expressão "até que a morte os separe", implicando severas penas para quem buscasse o que se chamava "desquite" (não quites, isto é, em débito), tal como a perda do direito a alimentos e ao uso do nome, até pela simples iniciativa da ação.

Mesmo com o advento da Lei do Divórcio, permaneceu o instituto da separação e a necessidade da identificação de um culpado pelo fim do amor. O que tem um evidente caráter punitivo, pois somente o cônjuge "inocente" tem legitimidade para propor a demanda, devendo comprovar a "culpa" do réu pelo rompimento do vínculo matrimonial decorrente do inadimplemento das obrigações elencadas na lei. Ainda quando há o consenso do par, imperioso que aguardem o decurso de prazos, quer para a obtenção da separação, quer para a concessão do divórcio.

Tais restrições, infelizmente, estão reproduzidas no Código Civil que entrará em vigor em breve. Persiste a necessidade de uma causa imputável a um dos cônjuges pelo término do casamento. Essa identificação já vem sendo desprezada pela jurisprudência, que até mesmo reconhece como inconstitucional e indevida a intromissão do Estado na intimidade das pessoas. De todo descabido impor que um dos cônjuges revele a postura do outro, o que evidencia fragrante desrespeito à dignidade da pessoa humana, cânone maior do Estado Democrático de Direito em que vivemos.

Nítida a tendência cada vez menos intervencionista do Estado nas relações afetivas, seguindo a orientação ditada pela evolução dos costumes e já sufragada nas legislações mais desenvolvidas, que abandonaram o instituto da culpa e a imposição de prazos para chancelar o desenlace de um vínculo afetivo.

Voltando à sensibilidade de Vinícius: "o amor é eterno enquanto dura". Realmente, ninguém pode ser responsabilizado quando se apaga a chama da paixão. Não gera o casamento qualquer obrigação ou compromisso de caráter definitivo, cujo "distrato" possa ensejar o reconhecimento da ocorrência de dano moral suscetível de ser indenizado.

Assim, revela-se de todo descabida e retrógrada a tentativa de inserir na lei obrigações de caráter indenizatório pelo fim do afeto, pois muitas vezes o desenlace do casamento é o melhor caminho para a felicidade.

____________________

* Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e Vice-Presidente Nacional do IBDFAM.

 

Atualizado em: 1/4/2003 11:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Publicidade