sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Telecomunicações - Agenda de 2004

Roberto Fontes Federici Filho

O ano de 2004 se revela promissor, superada a transição de poder na ANATEL com a demissão de Luis Schymura que publicamente se indispôs com o também demissionário Miro Teixeira, então Ministro de Estado das Comunicações, o novo presidente da agência Pedro Ziller vislumbra um 2004 promitente.

segunda-feira, 1 de março de 2004

Telecomunicações - Agenda de 2004

 

Roberto Fontes Federici Filho*

 

O ano de 2004 se revela promissor, superada a transição de poder na ANATEL com a demissão de Luis Schymura que publicamente se indispôs com o também demissionário Miro Teixeira, então Ministro de Estado das Comunicações, o novo presidente da agência Pedro Ziller vislumbra um 2004 promitente.

 

Regressando um pouco no tempo, percebe-se que a casa civil compreendeu o desconforto da comunidade jurídica e, especialmente o viés de terror que se instalou entre os investidores do setor, ante a propositura dos Projetos de Lei que esvaziavam o poder das agências reguladoras setoriais. Em um quadro politicamente volátil, independência decisória é fundamental para regular um setor econômico importante. O governo Lula então modificou a tática do jogo e lançou Schymura na frigideira quente, pressionou-o por um pedido de demissão e conseguiu. Ziller chega à Anatel forte, legitimado pela simpatia do presidente Lula e dos "companheiros". Ademais, carrega  mais de vinte anos de experiência no setor. O que fazer então ?

 

Os desafios são imensos. A ANATEL se vê fragilizada e sob a julgamento dos usuários. As recentes pesquisas de opinião entre a população apontam para uma atuação incipiente do Órgão Regulador que se viu imersa na guerra das tarifas (IGPD-I x IPC-A) e inoperante diante do problema causado pela briga do controle da Brasil Telecom. O mais grave foi a flagrante manifestação do Ministro Miro Teixeira fomentando a quebra do compromisso assumido pelas operadoras previsto nos Contratos de Concessão, ao estrilar contra a adoção do IGD-I, quebrando uma regra assumida desde a assinatura destes, em 1998.

 

Mas olhemos para frente. Superadas as barreiras regulatórias quanto ao prazo de fusão e aquisição entre empresas do setor, é hora de evolucionar. O modelo se esgotou, é fato. O principal vetor agora é a manutenção da competição no mercado, em especial o da telefonia local que continua sob monopólio privado das teles locais (incumbent's). É imperioso a adoção de meios e principalmente regras claras a permitir a desagregação das redes locais através do Local Loop Unbundling, de forma a permitir o acesso, pelas empresas "espelho", aos clientes locais (e aos serviços de valor adicionado, de alta margem de lucros).

 

Mas regras bastam ? A história pós-privatização mostra que não. A Lei Geral de Telecomunicações editada em 1997, bem como seu sub-sistema de resoluções e normas internas só corroboram um dogma, a de que regras sem sanções severas são inócuas e pueris. O apartamento da Agência em decidir questões viscerais ligadas, fundamentalmente, a adoção de práticas anticompetitivas pelas incumbentes legou à ANATEL a condição de famelga. Leis desacompanhadas de ações sancionatórias viram mera recomendação, relegam insegurança a qualquer segmento econômico.

 

O que podemos esperar deste ano ? Os grandes desafios são : (i) A adoção de uma política de competição para a telefonia local, através do controle das tarifas de interconexão, através da utilização de um modelo baseado em custos (TU-RL), (ii) desagregação do acesso local (Full Unbundling, Line Sharing ou Bit Stream), (iii) regulamentar a revenda de serviços de telecomunicações (previsão da edição de um regulamento já em 2004), (iv) maior controle e adoção de regras mais atuais em relação a Exploração Industrial de Linha Direta (EILD) mediante a necessidade urgente de revisar a norma 30/96, e, por fim, (v) a elaboração de uma Plano Geral de Metas de Competição em harmonia com os demais órgãos de defesa da concorrência (SDE e SEAE), tendo como referência a legislação americana e européia.

 

Regulamentar a questão da portabilidade numérica, prevista na LGT desde 1997. Felizmente a ANATEL mostra-se sensível a iniciar estudos nesse sentido já em 2004. Vale lembrar que nos EUA, a portabilidade para a telefonia celular começou em novembro do ano passado em algumas áreas metropolitanas.

 

Essas ações regulatórias mostram-se inadiáveis. Terão o condão de impulsionar e ampliar a competição no quadro geral atual. Além disso, ações que coadunem a convergência tecnológica serão igualmente bem-vindas e necessárias. É torcer a partir de agora.

 

__________________

 

*Advogado do escritório Felsberg, Pedretti, Mannrich e Aidar - Advogados e Consultores Legais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

___________________

 

Atualizado em: 1/3/2004 07:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Publicidade