sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Reserva de vagas de emprego para minorias: uma obrigação do empregador

Letícia Marquez de Avelar

Tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília, já há seis anos, um projeto de lei, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), que fixa porcentagens de participação de negros, nos setores público e privado.

quinta-feira, 18 de março de 2004

Reserva de vagas de emprego para minorias:

uma obrigação do empregador

 

Letícia Marquez de Avelar*

 

Pelo atual ordenamento jurídico, o empregador brasileiro é obrigado a reservar uma quantidade determinada de vagas, em sua empresa, para pessoas portadoras de deficiência e aprendizes.

 

Tal obrigação encontra fundamento na própria Constituição Federal, que, a exemplo das Constituições anteriores, preceitua que todos são iguais perante a lei (art. 5º). Essa norma, conjugada com o princípio do livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão (art. 5º, III, CF), traz como conseqüência prática o imperativo de que um cidadão brasileiro, portador de deficiência, possui plena liberdade para exercer qualquer trabalho não defeso em lei.

 

O art. 7º, XXXI, da mesma Lei Maior, é ainda mais explícito ao preconizar que é proibida qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência.

 

Não se tratam, surpreendentemente, de meros textos de lei sem eficácia prática: transcorrido um ano da promulgação da Carta de 1988 vieram a ser definidos alguns conceitos referentes aos portadores de deficiência, através da Lei n.º 7.853/89, regulamentada pelo Decreto 3.298/99, que acabou por dar aplicabilidade às normas constitucionais de 1988.

 

A eficácia do dispositivo constitucional que proíbe discriminação contra trabalhadores deficientes, em termos salariais, foi conferida também pelo artigo 461 da Consolidação das Leis do Trabalho, que veio somente a complementar a norma maior, ao estabelecer que a todo trabalho de igual valor, prestado nas mesmas condições, corresponderá igual salário, sem qualquer espécie de distinção.

 

Por outro lado, a reserva legal de vagas a portadores de deficiência foi instituída pela Lei n.º 8.213/91, bem como pelo Decreto 3.298/99, que determinam que a empresa, com 100 ou mais empregados, está obrigada a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência. A proporção deve ser a seguinte:

  • Até 200 empregados = 2%
  • De 201 a 500 = 3%
  • De 501 a 1000 = 4%
  • De 1000 em diante = 5%

Já no que tange à questão dos aprendizes, a reserva legal de vagas constitui exigência da própria Consolidação das Leis do Trabalho, com a alteração que lhe foi introduzida pela Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000.

 

Com efeito, a nova redação do artigo 429 da CLT dispõe que "os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a empregar e matricular nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem número de aprendizes equivalente a cinco por cento, no mínimo, e quinze por cento, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional".

 

Somente esses dois casos - portadores de deficiência e aprendizes - estão previstos no ordenamento jurídico pátrio no que se refere à reserva legal de vagas nas empresas, embora já existam projetos de lei que pretendem garantir a participação de outras minorias no mercado de trabalho.

 

Tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília, já há seis anos, um projeto de lei, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), que fixa porcentagens de participação de negros, nos setores público e privado.

 

Trata-se do Estatuto da Igualdade Racial, que, em seu artigo 54, preceitua que as empresas com mais de 20 empregados deverão reservar uma cota mínima de 20% para trabalhadores afro-brasileiros.

 

Segundo relatório do Instituto Ethos, divulgado em dezembro de 2003, os negros representam, atualmente, nas 500 maiores empresas nacionais, apenas 1,8% dos diretores, 8,8% dos gerentes, 13,5% dos supervisores, e 23,4% do quadro funcional.

 

Embora se trate de medida que visa a tolher a discriminação racial, ainda muito presente em nosso país, certo é que a aprovação desse projeto de lei representará um encargo a mais para o empregador brasileiro, que se vê, cada vez mais, cercado de regras e imposições legais, que, por onerarem demasiadamente as empresas, levam muitas delas à falência ou à redução de postos de emprego.

 

Não se pretende, com isso, retirar o mérito, tampouco a nobreza, da intenção do ilustre senador, sendo ainda digno de aplausos o Estatuto da Igualdade Racial, ao assegurar à população negra proteção e segurança nas áreas de educação e saúde.

_________

 

Clique aqui, para ver o Projeto do Senador Paulo Paim (Estatuto da Igualdade Racial)

________________________________

 

* escritório Queiroz e Lautenschläger - Advogados.

 

 

 

 

 

____________________

 

 

Atualizado em: 18/3/2004 00:13

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Publicidade