sexta-feira, 30 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Parceria Público-Privada (PPP) x Lei de Licitações

Fabio Coutinho Kurtz

Foi aprovado ontem, 17/3/04, na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 2.546/03, que institui normas gerais para a licitação e a contratação, sob o regime designado Parceria Público-Privada (PPP), no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Tal projeto de lei foi subscrito pelos Ministros do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Fazenda.

quinta-feira, 18 de março de 2004

Parceria Público-Privada (PPP) x Lei de Licitações

 

Fabio Coutinho Kurtz*

 

Foi aprovado, ontem, 17/3/04, na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 2.546/03, que institui normas gerais para a licitação e a contratação, sob o regime designado Parceria Público-Privada (PPP), no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Tal projeto de lei foi subscrito pelos Ministros do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Fazenda.

 

A designada Parceria Público Privada - PPP é resultado de um inadiável processo de modernização institucional que dotou não apenas o Brasil, como vários países do exterior de eficazes instrumentos para a desestatização da atividade econômica e da prestação de serviços públicos, livrando-se, assim, das amarras impostas pelas Leis nºs 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos Administrativos) e 8.967/95 (Lei de Concessão e Permissão de Serviços Públicos). E isso porque, até então, não dispunha o Estado de outros mecanismos legais para promover a participação da iniciativa privada em obras indispensáveis à recuperação, melhoria ou expansão de serviços e obras públicas de grande importância econômica e social, a não ser através daquelas modalidades previstas nas legislações federais, regedoras das licitações e contratos administrativos e de concessões e permissões de serviços públicos.

 

Da análise do texto, desponta logo aos olhos do leitor algumas sensíveis e importantes inovações nesta proposta de modalidade de contratação do poder público frente aos termos da Lei nº 8.666/93. Primeiramente, dado o seu caráter extremamente inovador, é de destacar-se a previsão de que caberá à empresa privada, na qualidade de contratada ou gestora do serviço público, a captação de recursos perante instituições financeiras de sua livre escolha. Nesse sentido, merece destaque a redação do art. 7º do projeto, que assim dispõe: "O contrato de parceria público-privado poderá prever que os empenhos relativos às contraprestações devidas pela administração pública possam ser liquidados em favor da instituição que financiou o projeto de parceria, como garantia do cumprimento das condições do financiamento". Tal previsão é absolutamente inovadora, não havendo qualquer remissão a essa possibilidade na Lei nº 8.666/93.

 

Mas adiante, verifica-se o sensível estreitamento das modalidades convocatórias previstas na Lei nº 8.666/93, estabelecendo o projeto que a contratação sob o regime da PPP somente poderá ser precedida de licitação instaurada sob a modalidade de concorrência pública, na forma prevista no caput do art. 10, que assim dispõe: "A contratação de parceria público-privada deve ser precedida de licitação na modalidade de concorrência...". Na lei de regência das licitações e contratos administrativos há a previsão expressa de outras modalidades de licitações, tais como: tomada de preços, convite, concurso e leilão (art. 22).

 

Em contrapartida, ampliou-se sobremaneira o prazo máximo da contratação entre o Poder Público e a concorrente privada, passando a ser de 30 (trinta) anos, na forma em que estabelecido no inciso I do art. 4º, que assim dispõe: "prazo de vigência compatível com a amortização dos investimentos realizados, limitados a trinta anos". Por sua vez, o caput do art. 57 da Lei nº 8.666/93 é expresso ao prever que: "A duração dos contratos regidos por esta Lei ficará adstrita à vigência dos respectivos créditos orçamentários .....". Entretanto, há uma exceção prevista em lei, para aqueles contratos de prestação continuada, para os quais se admite que o contrato tenha, por exemplo, prazo inicial de 12 (doze) meses, admitindo-se prorrogações por iguais e sucessivos períodos, até que se atinja o prazo máximo de 60 (sessenta) meses. É o que dispõe o inciso II do mesmo dispositivo legal, em textual: "a prestação de serviços a serem executados de forma contínua, que poderá ter a sua duração prorrogada por iguais e sucessivos períodos com vistas a obtenção de preços e condições mais vantajosas para a Administração, limitada a sessenta meses". Portanto, conclui-se que o prazo máximo de contratação, na Lei nº 8.666/93, é de 60 (sessenta) meses.

 

Pode-se comentar, ainda, a questão relacionada à remuneração do contratado. O projeto de lei da PPP admite que a contraprestação da Administração pública se dê não apenas na forma de pagamento em dinheiro. Admite, por expresso, a possibilidade de remunerar-se o contratado através de cessão de créditos não tributários, outorga de direitos da administração pública; outorga de direitos sobre bens públicos e outros meios admitidos em lei. (art. 5º do Projeto de Lei nº 2.546/03). A sua vez, a remuneração do contratado, na égide do art. 40 da Lei nº 8.666/93, será sempre em dinheiro, na forma, prazos e condições estabelecidas em seu art. 40. Em outras palavras, a lei de regência das licitações e contratos administrativos não admite outras formas de remuneração do contratado declarado vencedor do certame licitatório.

 

No que concerne, ainda, aos critérios de remuneração do parceiro privado, vale salientar que o preço estabelecido no edital poderá sofrer atualizações periódicas e poderá ser variável de acordo com o desempenho na execução do contrato, conforme metas e padrões de qualidade e disponibilidade previstas previamente pelas partes. (§§ 1º e 2º do art. 5º) E, talvez a maior novidade no que concerne à remuneração, é aquela prevista no § 3º do art. 5º do Projeto de Lei nº 2.546/03, que dispõe: "a liberação dos recursos orçamentário-financeiros e os pagamentos efetuados para cumprimento do contrato com o parceiro privado terão precedência em relação às demais obrigações contratuais contraídas pela administração pública, excluídas aquelas existentes entre entes públicos e observado o disposto no art. 9º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000". E mais, exclui por expresso da contratação sob o regime PPP o disposto na alínea "a" do inciso XVI do art. 40 da Lei nº 8.666/93, que assim dispõe: "prazo de pagamento não superior a trinta dias, contado a partir da data final do período de adimplemento de cada parcela". Significa dizer, no que toca ao tema ora em debate, os créditos dos parceiros público-privados, além de terem preferência aqueles relativos aos demais contratados firmados pela administração pública, decorrentes de procedimentos administrativos instaurados com base na Lei nº 8.666/93, as suas parcelas poderão ser liquidadas imediatamente após o comprimento de cada meta do contrato, e não somente após trinta dias a partir do adimplemento de cada parcela do contrato.

 

Outro importante aspecto diz respeito à previsão legal de o Poder Público poder oferecer garantias ao parceiro privado, para fins de cumprimento das obrigações assumidas no contrato, autorizando-se, inclusive, que os empenhos relativos às contraprestações devidas possam ser liquidados em favor da instituição financeira que privada que financiou o projeto de parceria. (arts. 6º e 7º do Projeto de Lei nº 2.546/03). Além dessa circunstância totalmente nova, fica a União Federal autorizada a criar, na forma que dispuser ato específico do Poder Executivo, Fundo Fiduciário de Incentivo às Parcerias Público-Privadas, através de recursos públicos relativos a dotações consignadas no orçamento e créditos adicionais, transferência de ativos não financeiros e de bens móveis ou imóveis, integralizado mediante a transferência de ações de companhia estatais ou controladas pela administração pública, sem que tal ato importe na perda de controle acionário pela União.(§§ 1º, 2º e 3º do art. 9º do Projeto de Lei nº 2.546/03).

 

Por fim, outra informalidade prevista na contratação por via da PPP se assemelha muito ao procedimento estabelecido para outra modalidade de licitação, qual seja, o pregão, recentemente instituído pela Lei nº 10.520/02. É que, após a pré-qualificação das empresas interessadas na licitação para a contratação de PPP, as licitantes poderão apresentar novas e sucessivas propostas de preço até a proclamação do vencedor, nas condições e prazos previstos no edital. (art. 11 do Projeto de Lei nº 2.546/03). Bem ao contrário, nas modalidades de licitação instituídas pela Lei nº 8.666/93, inclusive e notadamente aquela concernente à concorrência pública, as licitantes ofertam, de uma só vez, em envelopes lacrados, as suas respectivas propostas de preço, que não podem ser alteradas em nenhuma hipótese. (incisos III, IV e V do art. 43 da Lei nº 8.666/93).

 

Em resumo, e pelo que foi explanado acima, pode-se afirmar, sem qualquer dúvida, que a licitação sob o regime designado Parceria Público-Privada (PPP), que constitui objeto do Projeto de Lei nº 2.546/03, representa uma inovadora, audaciosa e moderna iniciativa do Poder Executivo, trazendo à lume a concreta possibilidade de o Poder Público, em regime de verdadeira parceria, contratar empresas privadas, sem estarem as partes contratantes atreladas ao rigor da Lei nº 8.666/93.

 

Por certo, pode-se afirmar que essa modalidade de contratação entre o Poder Público e a iniciativa privada, depois de cumpridas todas as etapas de votação pelo Poder Legislativo e sancionada pelo Poder Executivo, tende a ser um rigoroso mecanismo de atração de investimentos privados para a implementação de políticas públicas, em especial nos setores de infra-estrutura.

 

________________

 

* Advogado do escritório Siqueira Castro Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

_________________

Atualizado em: 18/3/2004 08:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade