domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Recuperação do indébito e reembolso de despesas

Por meio do Ato Declaratório Interpretativo nº 25, de 24 de dezembro de 2003, a Secretaria da Receita Federal - SRF, oficializou posicionamento acerca do tratamento tributário do indébito, esclarecendo que os valores restituídos a título de tributo pago indevidamente somente serão tributados pelo Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas e Contribuição Social Sobre o Lucro, se, em períodos anteriores, eles tiveres sido computados como despesa dedutível do Lucro Real e da base de cálculo da CSLL.

segunda-feira, 22 de março de 2004

Recuperação do indébito e reembolso de despesas

 

Luiz Rogério Sawaya Batista*

 

Por meio do Ato Declaratório Interpretativo nº 25, de 24 de dezembro de 2003, a Secretaria da Receita Federal - SRF, oficializou posicionamento acerca do tratamento tributário do indébito, esclarecendo que os valores restituídos a título de tributo pago indevidamente somente serão tributados pelo Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas e Contribuição Social Sobre o Lucro, se, em períodos anteriores, eles tiveres sido computados como despesa dedutível do Lucro Real e da base de cálculo da CSLL.

 

A SRF também consignou no ADI nº 25/2003 que os valores recuperados não sofrerão a incidência das Contribuições ao PIS e à COFINS, num claro reconhecimento de que esses valores não configuram receita da pessoa jurídica.

 

Relativamente aos juros incidentes sobre o indébito recuperado, a SRF expressou o entendimento de que por se tratar de receita nova, esses valores devem ser onerados pelo IRPJ, CSLL, PIS e COFINS.

 

Pode-se dizer que mediante o ADI nº 25/2003 a SRF reconheceu que valores recuperados pela pessoa jurídica, anteriormente tratados como despesa, não configurariam receita e, por essa razão, não sofrem a incidência das Contribuições ao PIS e à COFINS.

 

Referido posicionamento ganha importância ao relacionarmos o ADI nº 25/2003 com anteriores decisões em processo de consulta decididos pela SRF e até processos administrativos julgados pelo Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda sobre reembolso de despesas, quando ainda não vigorava o regime não-cumulativo das Contribuição ao PIS/COFINS.

 

Nesses processos de consulta1 , vem decidindo a SRF, na maioria das vezes, que integra a receita bruta, para fins de cálculo do IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, os valores recebidos a título de reembolso de despesas.

 

O Conselho de Contribuintes, por sua vez, ainda não uniformizou juízo sobre a matéria, havendo decisões divergentes entre suas Câmaras, e. g., Acórdão nº 202-11.642, no 10935.001628/96-14, proferido pela 2ª Câmara, e, em sentido oposto, Acórdão nº 108.06604, 11924.002315/00-04, da 8ª Câmara, cuja ementa transcrevemos a seguir:

 

"IRPJ - RESSARCIMENTO - RATEIO DE DESPESAS - EMPRESAS DO MESMO GRUPO - NÃO CONFIGURAÇÃO DE RECEITA - LUCRO NA EXPLORAÇÃO - O ressarcimento de parcela da despesa rateada, por outra empresa do mesmo grupo empresarial, não representa receita para a empresa que suportou inicialmente todo o custeio, mas mero estorno daquele custo. Esse entendimento, no cálculo do lucro da exploração, não permite reconhecer o ressarcimento pela empresa industrial, relativo à alimentação de funcionários, como receita da atividade não-operacional."

 

Da leitura da decisão acima mencionada, verifica-se que o Conselho de Contribuintes tratou o reembolso de despesas não como receita, mas sim como um estorno do custo/despesa da pessoa jurídica que suportou inicialmente todo o custeio.

 

Assim, acreditamos que o ADI nº 25/2003 aproximou-se dessa orientação, segundo a qual o ressarcimento/ reembolso/ recuperação de uma despesa não configuraria receita, sendo mais um importante argumento para pessoas jurídicas organizadas em grupo, situação em que a empresa holding suporta inicialmente todo o encargo.

 

Contudo, observamos que tal prática deve ser analisada no caso concreto, a fim de garantir a redução de despesas administrativas comuns ao grupo de pessoas jurídicas sob o menor impacto fiscal possível, incluindo-se aí a garantia de dedutibilidade das despesas por cada uma das pessoas jurídicas.

 

__________________________

 

1 Processo de Consulta nº 141/2001 - 8ª Região Fiscal; Decisão nº 1.455/2001 - Delegacia da Receita Federal de Julgamento em Juiz de Fora;

 

________________________

 

* Advogado do escritório Felsberg, Pedretti, Mannrich e Aidar - Advogados e Consultores Legais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________________

Atualizado em: 19/3/2004 12:04

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

André Marsiglia Santos

Migalheiro desde 2018

Ekaterine Karageorgiadis

Migalheira desde 2012

Breno Euzébio de Faria

Migalheiro desde 2019

Soraia Mendes

Migalheira desde 2019

Paulo Daniel Cicolin

Migalheiro desde 2020

Gabriel Bez Batti

Migalheiro desde 2017

Carmen Tiburcio

Migalheira desde 2003

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Ana Lúcia Pereira

Migalheira desde 2005

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Publicidade