terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A não incidência da CSLL sobre as receitas de exportação

As empresas que se dedicam à exportação de bens e serviços vêm sendo obrigadas ao recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido ("CSLL") incidente sobre suas receitas e/ou lucros decorrentes de exportação.Entretanto, como será apresentado a seguir, por força da Emenda Constitucional nº 33, de 11 de dezembro de 2001, que alterou a redação do artigo 149 da Constituição Federal de 1988 ("CF/88"), a CSLL deixou de incidir sobre as receitas e, conseqüentemente, sobre o lucro decorrente das exportações desde o início da vigência da referida Emenda, ou seja, desde 12 de dezembro de 2001.

segunda-feira, 29 de março de 2004

A não incidência da CSLL sobre as receitas de exportação

 

Mauro Berenholc

 

Antonio Carlos Fleischmann*

 

Introdução

 

As empresas que se dedicam à exportação de bens e serviços vêm sendo obrigadas ao recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido ("CSLL") incidente sobre suas receitas e/ou lucros decorrentes de exportação.Entretanto, como será apresentado a seguir, por força da Emenda Constitucional nº 33, de 11 de dezembro de 2001, que alterou a redação do artigo 149 da Constituição Federal de 1988 ("CF/88"), a CSLL deixou de incidir sobre as receitas e, conseqüentemente, sobre o lucro decorrente das exportações desde o início da vigência da referida Emenda, ou seja, desde 12 de dezembro de 2001.

 

Ocorre que o Fisco Federal, contrariando a determinação da CF/88, vem se posicionado de forma diversa, entendendo que a imunidade das receitas decorrentes de exportação, relativamente às contribuições sociais, não alcança a CSLL.

 

As Contribuições Sociais dos artigos 149 e 195 da Constituição Federal de 1988

 

O artigo 149 da CF/88 outorgou competência exclusiva à União Federal para a instituição de três espécies de contribuições, inclusive as sociais. Já o Título VIII da CF/88, por sua vez, ao tratar da Ordem Social, previu, em seu artigo 195, que a seguridade social será financiada por toda a sociedade, mediante recursos provenientes, dentre outros, de determinadas contribuições sociais a cargo do empregador e da empresa e incidentes sobre (a) a folha de salários, (b) a receita ou faturamento e (c) o lucro.

 

Conforme já ratificado inclusive pelo Supremo Tribunal Federal ("STF"), o artigo 149 estipula os preceitos gerais para a instituição de contribuições -- dentre elas, as sociais, como é o caso da CSLL --, enquanto o artigo 195 delimita dentre as contribuições sociais aquelas que serão destinadas ao custeio da seguridade social, porém sem se afastar das diretrizes impostas pelo artigo 149 da CF/88.

 

Sendo assim, em razão do artigo 149 da CF/88 estabelecer regras gerais para as contribuições sociais, eventual alteração de sua redação implica na modificação das diretrizes gerais aplicáveis também às contribuições delineadas no artigo 195 da CF/88, incluindo a CSLL.

 

A Emenda Constitucional nº 33/01 e a imunidade à CSLL

 

A Emenda Constitucional nº 33/01 ("EC 33/01") promoveu significativas alterações na CF/88, dentre as quais a inclusão do parágrafo 2º ao artigo 149, determinando que as contribuições sociais de que trata o referido artigo "não incidirão sobre as receitas decorrentes de exportação". Constata-se, da interpretação conjunta da redação do artigo 149 da CF/88 -- com as alterações promovidas pela EC 33/01 -- e do artigo 195 da CF/88, que o legislador constituinte derivado desonerou as receitas provenientes das exportações da incidência das contribuições sociais, inclusive da CSLL.

 

É oportuno enfatizar, desde já, o descabimento do argumento do Fisco Federal de que a imunidade instituída pela EC 33/01 restringe-se somente às contribuições sociais incidentes sobre as receitas, não abrangendo assim a CSLL, que incide sobre o lucro das pessoas jurídicas.

 

Cabe notar que a receita também é base de cálculo da CSLL, como por exemplo no caso das pessoas jurídicas tributadas com base no lucro presumido. Entretanto, mesmo as empresas exportadoras que apuram a CSLL com base no lucro real também não poderiam ter suas receitas decorrentes de exportação sujeitas à incidência da CSLL.

 

Isto porque a EC 33/01 determinou que as contribuições sociais tratadas no artigo 149 da Constituição Federal "não incidirão sobre as receitas decorrentes de exportação". Ou seja, no cômputo do valor a ser recolhido a título de CSLL, o contribuinte deve excluir suas "receitas decorrentes de exportação", de modo a apurar (ou não) a existência de lucro apenas a partir de suas demais receitas.

 

Se a intenção do legislador constituinte derivado foi desonerar as receitas decorrentes de exportação, o lucro -- que apenas poderá existir e ser apurado a partir da obtenção de uma receita -- eventualmente auferido a partir de uma receita de exportação deve ser necessariamente desonerado. Há, portanto, vínculo indissociável entre receita e lucro, a afastar completamente qualquer interpretação restritiva do dispositivo constitucional em tela.

 

Nesse sentido, vale destacar que, como regra, o STF vem privilegiando em suas decisões a interpretação ampla das normas constitucionais de imunidade tributária.

 

Ademais, cabe ressaltar que as receitas de variação cambial dos direitos creditórios vinculados à exportação, são, na verdade, "receitas decorrentes de exportação" e, quando apuradas, também estarão imunes à CSLL.

 

Conclusão

 

Portanto, os argumentos acima evidenciam que as alterações promovidas pela EC 33/01 no artigo 149 da CF/88 abrangem igualmente a CSLL, do que se conclui que as receitas e, conseqüentemente, o lucro decorrentes de exportação são imunes à tributação da CSLL desde 12 de dezembro de 2001.

 

Por fim, cabe mencionar que a matéria objeto do presente artigo não foi ainda objeto de apreciação pelos nossos tribunais superiores; porém, diversas decisões favoráveis aos contribuintes têm sido prolatadas em primeira instância, indicando uma clara e significativa tendência favorável à tese ora exposta.

 

Assim, os contribuintes que estejam efetuando o pagamento da CSLL e incluindo em sua base de cálculo receitas decorrentes de exportação poderão questionar judicialmente esta indevida exigência, com boas possibilidades de êxito.

 

_________________

 

* Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados


* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2004. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS.











___________________

Atualizado em: 26/3/2004 11:50

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Publicidade