terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Senhora Coronel, bem-vinda!

A partir do julgamento levado a efeito pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em sessão de 19 do corrente, tornou-se possível a ascensão das mulheres ao cargo de coronel da Brigada Militar do Estado.

terça-feira, 20 de abril de 2004

 

Senhora Coronel, bem-vinda!

 

Maria Berenice Dias*

 

A partir do julgamento levado a efeito pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em sessão de 19 do corrente, tornou-se possível a ascensão das mulheres ao cargo de coronel da Brigada Militar do Estado.

 

Por expressiva maioria, 24 votos a favor e somente um voto contrário, o Órgão Especial da Justiça gaúcha rejeitou a ação que buscava reconhecer a inconstitucionalidade da lei que veio corrigir inaceitável injustiça. A Lei nº 7.977, que, no ano de 1985, criou a Polícia Militar Feminina, admitiu que as mulheres chegassem apenas ao cargo de capitão.

 

Desde o advento da Constituição Federal de 1988, que estabeleceu a igualdade entre homens e mulheres, impedindo qualquer discriminação em razão de sexo, a limitação não podia persistir.

 

No entanto, o Ministério Público, por meio de ação direta de inconstitucionalidade, buscou impedir a tentativa de corrigir a afronta ao princípio da isonomia. Em 1994, nova lei, ao unificar as carreiras do quadro de oficiais, permitiu o acesso de todos e a todos os postos do quadro da Polícia Militar, independente de sexo.

 

O julgamento veio, em boa hora, afastar a inconstitucionalidade da lei originária. Não há como chamar de inconstitucional a lei que buscou atender ao princípio da igualdade, a não ser que se possa considerar que as policiais que ingressaram na carreira sob a égide da lei pretérita adquiriram o direito à discriminação.

 

Assim, cercada de grande significado a decisão que resgata a dignidade feminina, ao afastar o injustificável obstáculo ao acesso das mulheres às estâncias do poder, na carreira policial militar do Estado. Não se trata de conceder privilégios, o que se fez foi afastar injustiças.

 

Em época de tanta violência e insegurança, traz um grande alento ver que, a partir de agora, também as mulheres estão a velar pela mantença da paz e da ordem.

________________

 

 

 

*Desembargadora do Tribunal de Justiça do RS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

_____________

Atualizado em: 20/4/2004 08:59

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Publicidade