sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Exoneração de servidor temporário

Registra-se um curioso dissídio jurisprudencial que envolve a exoneração de servidores públicos nomeados para ocupar cargos de provimento em confiança com mandato certo.

quinta-feira, 22 de abril de 2004

Exoneração de servidor temporário

 

Sérgio Roxo da Fonseca*

 

Registra-se um curioso dissídio jurisprudencial que envolve a exoneração de servidores públicos nomeados para ocupar cargos de provimento em confiança com mandato certo.

 

Uma corrente sustenta que antes do término do mandato, o servidor não pode ser dispensado, salvada a hipótese dele ser demitido pelo cometimento de algum ato ilícito.

 

A outra corrente afirma que o mandato tem limite máximo de cumprimento, mas não mínimo, permitindo, a exoneração a qualquer tempo. Argumenta-se que o mandato e seu prazo foram fixados para limitar a competência do governante, proibindo-o de converter em definitivo o servidor temporário de sua confiança.

 

O tema tem importância jurídica e política com a implantação das agências reguladoras. Não só elas. Outros órgãos públicos também adotam o mesmo critério. No Ministério Público o Procurador Geral é nomeado com mandato de dois anos. Nas universidades adotam-se mandatos de quatro anos para seus dirigentes. Há outras hipóteses.

 

A questão chamou atenção quando da sucessão de Fernando Henrique por Lula. O ex-presidente havia nomeado dirigentes para as importantes agências reguladoras com mandato a ser cumprido durante o exercício do novo presidente que, dessarte, teve seu poder consideravelmente diminuido em áreas relevantes como da saúde pública, energia elétrica, telecomunicações e petróleo.

 

Politicamente pode um presidente da República nomear pessoas de sua confiança para administrar áreas estratégicas durante o exercício do novo governo ? E se o novo governo tiver projetos e programas opostos ?

 

E juridicamente ? É possível a nomeação de pessoas para cargo de provimento em confiança com mandato intocável mesmo após o perdimento da confiança ? A resposta positiva parece violar o princípio lógico da não-contradição.

 

Em 25.8.99, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, na apelação 86.080-5/1 que "a investidura a prazo certo assegura ao nomeado o exercício pelo prazo indicado na lei, salvo exoneração por motivo justo". Foi relator o Desembargador Torres de Carvalho.

 

Em 15.3.01, o Superior Tribunal de Justiça timbrou o tema de outra maneira, por ocasião do julgamento do ROMS 12004, de Minas Gerais: "Sendo o cargo de membro do Conselho Curador da Fundação Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Carangola de livre nomeação pelo Governador do Estado, nos termos do art. 7º, da Lei 5454/70. não pode se considerar como ilegítimo o ato que exonerou o recorrente do referido cargo, posto que praticado no exercício de poder discricionário outorgado por lei. Não importa, pois, que o exercício da função comissionada possua tempo demarcado de 4 anos, permitida a recondução, uma vez que, não está o Governador do Estado impedido de destituir do cargo aquele que ali está por sua indicação, se assim considerar mais conveniente ou o fator de confiança não mais persistir. Foi relator o Ministro José Delgado.

 

__________________

 

 

 

 

 

 

* Advogado, professor da UNESP e Procurador de Justiça de São Paulo, aposentado

 

 

 

 

 

_________________

Atualizado em: 20/4/2004 14:38

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Claudio Felippe Zalaf

Migalheiro desde 2019

Alexandre Vuckovic

Migalheiro desde 2020

Edson Fachin

Migalheiro desde 2012

Igor Rodrigues Britto

Migalheiro desde 2020

Luís Carlos Gambogi

Migalheiro desde 2007

Fernanda Luiza Tumelero

Migalheira desde 2020

Mario Luiz Elia Junior

Migalheiro desde 2006

Henrique Cunha Barbosa

Migalheiro desde 2017

Guilherme Setoguti

Migalheiro desde 2012

Fabio Medeiros

Migalheiro desde 2008

Publicidade