terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Aquisições de empresa no Simples Nacional dão direito a crédito de PIS e Cofins

A análise da Lei Complementar do Simples Nacional em conjunto com outras legislações tributárias, indica que o crédito de PIS e Cofins é direito do contribuinte. Criou-se um problema de interpretação na análise isolada do art.n°. 23 da Lei Complementar, segundo o qual não seria possível o crédito de PIS e Cofins nas aquisições de empresa optante pelo Simples Nacional. Abandonando a leitura isolada do artigo, a conclusão é outra.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007


Aquisições de empresa no Simples Nacional dão direito a crédito de PIS e Cofins

Marcelo Afonso L. de Souza*

A análise da Lei Complementar do Simples Nacional - LC n°. 123, de 14 de dezembro de 2006 (clique aqui), em conjunto com outras legislações tributárias, indica que o crédito de PIS e Cofins é direito do contribuinte. Criou-se um problema de interpretação na análise isolada do art. n°. 23 da Lei Complementar, segundo o qual não seria possível o crédito de PIS e Cofins nas aquisições de empresa optante pelo Simples Nacional. Abandonando a leitura isolada do artigo, a conclusão é outra.

O termo "transferirão" está mal empregado. Transferência de créditos é um instituto do direito tributário que não diz respeito à não-cumulatividade do PIS e da Cofins, nem à apropriação de créditos nas aquisições. Diz respeito, sim, à alienação de créditos por um contribuinte a outro em função da acumulação em sua escrita fiscal, sem possibilidade de aproveitamento. Está presente nas legislações do ICMS e IPI e, para impostos e contribuições federais, já está vedada desde a edição da IN SRF nº. 41/2000 - hoje, IN SRF nº. 600/2005 (clique aqui).

Outro argumento que possibilita o aproveitamento do crédito é o fato de a Constituição Federal (clique aqui) somente delegar à Lei Complementar "estabelecer normas gerais de legislação tributária". As leis do PIS e da Cofins não-cumulativos não vedam a tomada de créditos nas aquisições de empresa optante pelo Simples e, não se pode negar, trata-se de leis especiais, que tratam especificamente das respectivas matérias.

Segundo a Lei de Introdução ao Código Civil (clique aqui), a lei geral, ainda que posterior, não revoga nem modifica a lei especial, motivo pelo qual as Leis da não-cumulatividade do PIS e da Cofins permanecem em pleno vigor, permitindo a tomada dos créditos nas aquisições de empresa no Simples. Outro ponto que merece atenção é a análise da verdadeira intenção da Lei; dos fins a que se destina. É a interpretação "teleológica".

Aceitar a impossibilidade dos créditos importa em prejudicar, podendo até inviabilizar, o negócio das MP's e EPP's fornecedoras. O resultado seria oposto ao que se pretende com a nova legislação, de trazer cada vez mais empresas para a formalidade e tornar o seu negócio viável e socialmente interessante. Por tais argumentos, a edição de legislação nova, como vem sendo noticiado, apenas viria confirmar algo que a atual legislação já está garantindo, ou seja, que as empresas que tenham fornecedores optantes pelo Simples Nacional, têm direito ao crédito de PIS e Cofins, com base nas leis da não-cumulatividade destas contribuições.

_____________


*Consultor tributário da Martinelli Advocacia Empresarial











____________

Atualizado em: 20/9/2007 12:07

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Publicidade