terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os limites constitucionais da liberdade de imprensa

O direito constitucional à liberdade de expressão o qual respalda o direito também de cunho constitucional à livre imprensa, após duros anos de regime ditatorial, é um dos direitos protegidos de maneira indisponível à Sociedade Brasileira.

sexta-feira, 14 de maio de 2004

Os limites constitucionais da liberdade de imprensa

 

Sebastião Botto de Barros Tojal*

 

"(...) Por assim dizer, não há contradição entre o princípio que proíbe qualquer restrição à liberdade de imprensa e o que protege a privacidade, a intimidade, a honra e a imagem das pessoas; se entrarem em choque, porém, deverá sempre prevalecer o direito do indivíduo à preservação de sua imagem."1

 

O direito constitucional à liberdade de expressão o qual respalda o direito também de cunho constitucional à livre imprensa, após duros anos de regime ditatorial, é um dos direitos protegidos de maneira indisponível à Sociedade Brasileira.

 

Ocorre que o direito à liberdade de imprensa no contexto atual de maturidade democrática e constitucional deve ser interpretado, a fim de que seus desígnios sejam adequadamente entendidos e respeitados.

 

Dizemos isto porque a sistemática imposta pela nossa Constituição Federal estabelece que os princípios nela inscritos devam ser harmonizados, tendo em conta que os direitos não são absolutos e que não se pode, pela garantia de um direito fundamental, negar vigência a qualquer outro.

 

Assim é que o exercício da liberdade de expressão, inscrito no artigo 5º, incisos IV e IX, da Constituição Federal deve ser harmonizado com o princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, inciso III, da Constituição Federal), com o direito de acesso à informação (artigo 5º, inciso XIV, da Constituição Federal), com a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem (artigo 5º, inciso X, da Constituição Federal) e com o direito de resposta (artigo 5º, inciso V, da Constituição Federal).

 

Isto quer significar que a liberdade de expressão, nela contida a liberdade de imprensa, tal como estabelecido pela nossa Carta Magna, impõe que a informação expressa de forma pública nos veículos de comunicação atenda aos seguintes pressupostos: (i) respeito à dignidade, imagem e honra das pessoas (físicas e jurídicas) que forem objeto de notícia; (ii) precisão e imparcialidade da matéria jornalística, tendo em conta que o leitor possui o direito de receber informações corretas; e (iii) atendimento sempre que solicitado do justo e correlato direito de resposta a todos os envolvidos na matéria.

 

Portanto, muito ao contrário do que se vêm expressando em alguns veículos de comunicação de massa, limitar o exercício da liberdade de expressão não significa de nenhum modo cerceá-la. Mesmo porque a própria Constituição Federal estabeleceu direitos fundamentais de mesma importância, os quais devem ser protegidos e respeitados sempre harmônica e equilibradamente.

 

Aliás, o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos de 1966, da Organização das Nações Unidas, tido como um dos grandes símbolos da conquista de direitos fundamentais, estabelece no seu artigo 19:

"1. Ninguém será molestado por suas opiniões.

2.. Toda pessoa terá direito à liberdade de expressão; esse direito incluirá a liberdade de procurar, receber e difundir informações e idéias de qualquer natureza, independentemente de considerações de fronteiras, verbalmente ou por escrito, em forma impressa ou artística, ou por qualquer outro meio de sua escolha.

3. O exercício do direito previsto no § 2º do presente artigo implicará deveres e responsabilidades especiais. Consequentemente, poderá estar sujeito a certas restrições, que devem, entretanto, ser expressamente previstas em lei e que se façam necessárias para:

a) assegurar o respeito dos direitos e da reputação das demais pessoas;

b) proteger a segurança nacional, a ordem, a saúde ou a moral públicas." (grifamos)

Ao comentar este dispositivo, o Professor FÁBIO KONDER COMPARATO, assim se pronunciou:

"(.) Constitui, pois, uma aberração que os grandes conglomerados do setor de comunicação de massa invoquem esse direito fundamental à liberdade de expressão, para estabelecer um verdadeiro oligopólio nos mercados, de forma a exercer com segurança, isto é, sem controle social ou popular, uma influência dominante sobre a opinião pública."2.

Entretanto, sob a bandeira da "liberdade de imprensa incondicional", muitos veículos de imprensa têm praticado abusos inadmissíveis sob a ótica do Estado Democrático de Direito.

 

Observa-se, pois, que, com vistas ao sucesso mercadológico, mobilização social, espetáculos e até chantagem -, muitos jornais, revistas e sistemas televisivos vêm noticiando fatos "requentados", ou sem consultar a parte contra quem recaia determinada suspeita, ou deixando de lado a precisão para deliberadamente atingir a honra, imagem ou bom crédito de determinada pessoa ou empresa.

 

Por certo não foi este o sentido dado pela nossa Constituição Federal à liberdade de expressão, na medida em que a falta de ética profissional, desrespeito à dignidade humana e manipulação de opiniões não podem ser tidos como objeto de proteção constitucional. Mais do que isso: são fatos que merecem a justa e adequada reparação pecuniária a todos os lesados.

 

A liberdade de imprensa não é um "cheque em branco", que possa assegurar o direito à veiculação de notícias sem quaisquer limites ou parâmetros.

 

Sobre isso, o jornalista LUIS NASSIF, Jornal "Folha de São Paulo" comentou:

"Os anos 90 se constituíram em um período perigoso para o jornalismo. Abusou-se do chamado 'esquentamento' da notícia, método que levou o jornalismo aos limites da ficção.

Em nome do espetáculo atropelaram-se princípios básicos de direitos individuais, deixou-se de lado a objetividade e a isenção, abriu-se espaço para chantagistas, para dossiês falsos. Não raras vezes, levou-se o país à beira da desestabilização política.

Centenas de vítimas ficaram pelo caminho. Casos Escola Base, Bar Bodega, Clínica Santé, Chico Lopes, em todos havia o mesmo estilo de jornalismo ansioso, impaciente, definindo linhas erradas de apuração, não se preocupando com a verdade, atropelando a objetividade jornalística e os direitos individuais. Tudo em nome do show, da manchete de impacto, freqüentemente vendendo um produto que a matéria não entregava."3

Em conclusão, tem-se, pois, que urge prosseguir no aprimoramento do exercício da liberdade de imprensa entre nós, para que este ao lado de outros tantos direitos fundamentais possam se realizar de maneira completa e harmônica.

 

Posturas francamente danosas à honorabilidade de pessoas físicas e jurídicas, encobertas pelo manto da pretensa defesa dos interesses da sociedade e deste ou daquele Estado (ou Governo) nada têm de liberais, mas, ao contrário, atentam contra a liberdade como um todo e contra o Estado Democrático de Direito. É preciso mais que um título para conferir um estatuto liberal a um modo de procedimento de comunicação social.

 

____________________

 

1NILSON NAVES, Presidente do Superior Tribunal de Justiça. Relações entre a imprensa e a Justiça no Brasil, Jornal "O Estado de São Paulo", 21 de setembro de 2003, fl. A2.

2FÁBIO KONDER COMPARATO, A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos, III edição, Saraiva, 2003, p. 311 (grifamos)

3O jornalismo nos anos 90, São Paulo: Futura, 2003, p.4.

_____________________

 

 

* Advogado do escritório Tojal, Serrano & Renault Advogados Associados

 

 

 

 

 

 

 

 

____________________

Atualizado em: 13/5/2004 10:21

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Publicidade