segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Reação desmedida

O ato do Ministério da Justiça que cancelou o visto temporário do jornalista Larry Rohter se por um lado é reprovável jurídica e politicamente, por outro, não pode deixar de ser observado como obra expressiva que sintetiza, com precisão, a conduta do atual Governo: arbitrária, atrapalhada, impensada e ingênua - exatamente o que não se espera de uma boa administração.

sexta-feira, 14 de maio de 2004

Reação desmedida 

 

Raquel Cavalcanti Ramos Machado*

 

O ato do Ministério da Justiça que cancelou o visto temporário do jornalista Larry Rohter se por um lado é reprovável jurídica e politicamente, por outro, não pode deixar de ser observado como obra expressiva que sintetiza, com precisão, a conduta do atual Governo: arbitrária, atrapalhada, impensada e ingênua - exatamente o que não se espera de uma boa administração.

 

Uma acusação, por mais cruel e infundada que seja, pode representar uma grande oportunidade para se mostrar força e elegância. Para tanto, a primeira medida a tomar é não se mostrar tão ofendido com a acusação e a segunda é reagir com calma e serenidade e, quando possível, com bom humor. Poderia o nosso presidente ter rido e ter afirmado que não entendia porque a quantidade de bebida alcoólica que ingeria afetava tanto o mercado já que não bebia mais que o presidente americano (também acusado com freqüência de beber além dos limites), poderia ter simplesmente ficado silente e ignorado as acusações que, com a força do tempo e a pouca memória do povo, seriam esquecidas, etc. O Governo, porém, fez exatamente o contrário, agiu apressadamente e com rancor, como uma criança que, diante de um apelido que lhe desagrada, agride aquele que inventou o novo nome.

 

Mas não só. Tal ato representa ainda inaceitável intolerância com a liberdade de expressão. Com efeito, ao cancelar o visto, o Governo puniu o jornalista sumariamente, sem lhe ofertar qualquer direito de defesa e considerou sua presença no território nacional como "inconveniente" apenas porque este acusou o presidente de algo que lhe desagradou. Nada mais autoritário: para o Governo, como se vê, aquele que o critica é "inconveniente", e deve ser mandado para longe. E, o que é pior, a matéria veiculada no New York Times nada tem a ver com a presença "física" do jornalista no Brasil. Não se compara a atos de vandalismo, por exemplo, e poderia ter sido feita e veiculada, em tese com conteúdo até muito pior, sem que o jornalista precisasse sequer ter-se deslocado até aqui. Isso mostra que sua presença no território nacional não representa, de fato, nenhum inconveniente.

 

Ora, se o Presidente preza a democracia que dirige, por mais que tenha tomado a acusação por tão grave, por difamatória, deveria, nos termos previstos em lei, providenciar a propositura da ação penal cabível ou ajuizar a ação de indenização por danos morais. É certo que a liberdade de expressão não exclui a responsabilidade pelos danos causados por quem se manifesta, mas tudo deve ocorrer dentro do devido processo legal.

 

Com se vê, em verdade, o cancelamento do visto, longe de se prestar a defender a honra do Governo, serviu tão somente para aumentar o debate sobre a importância do estado etílico do presidente para a administração do país, para reabrir a discussão sobre a sua intolerância à oposição - questão esta surgida ainda quando da expulsão de senadora Heloísa Helena do PT - e, enfim, para promover o jornalista americano até então desconhecido por muitos. Em outros termos, tal ato serviu apenas para agravar o problema que tentou resolver: abalar a imagem do Governo.

 

______________________

 

 

 

 

* Advogada em Fortaleza/Ce Membro do Instituto Cearense de Estudos Tributários - ICET e da Comissão de Estudos Tributários da OAB/Ce

 

 

 

______________________

Atualizado em: 13/5/2004 11:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Sérgio Bessa

Migalheiro desde 2020

Ronaldo Guimarães Gallo

Migalheiro desde 2019

Alexandre Pontieri

Migalheiro desde 2008

César Chinaglia

Migalheiro desde 2020

Cezar Roberto Bitencourt

Migalheiro desde 2020

Pedro Acosta de Oliveira

Migalheiro desde 2019

Camila Villard Duran

Migalheira desde 2010

Isabela Dunaev

Migalheira desde 2020

Rodrigo Tavares Maciel

Migalheiro desde 2005

Eduarda M. Chacon Rosas

Migalheira desde 2013

Breno Euzébio de Faria

Migalheiro desde 2019

Publicidade